Pular para o conteúdo principal

ENQUENTE DO DIÁRIO DO MEARIM SOBRE SUCESSÃO MUNICIPAL AQUECE CORRIDA RUMO AO PALÁCIO DAS BACABAS


Por Zezinho Casanova

O blog Diário do Mearim com o objetivo de contribuir no debater sobre as proximas eleições em Bacabal lançou uma timida enquete sobre os futuros prefeituráveis, para nossa supresa a enquente teve grande repercussão na cidade e região do Mearim, no entanto queremos aqui afirmar que a mesma não tem critério científico pois foi feita num suporte de mídia em que nem todos eleitores tem acesso, além de que a máquina pode de alguma forma errar nos calculos dos percentuais, portanto a mesma não deve ser interpretada como uma referencia para tomadas de decisões politicas, mas com um retrato 3X4 em preto e branco da nosso presente momento político.
A Direção do Blog não tinha conehcimento dos nomes de todos os possiveis pré-candidatos a prefeito de Bacabal, por isso por  se tratarem de pessoas publicas e pelo prisma da liberdade de imprensa relacionamos oito nomes que estavam sendo cogitados nos "senadinhos", lugares folclóricos da politica bacabalense espalhados por toda a cidade. Segue abaixo os resultados.
  1. Liduína Tavares - 42%
  2. Dr. Júnior - 25%
  3. Taugi Lago - 6%
  4. .Zé Vieira - 6%
  5. Reinado Companheiro - 6%
  6. Nonato chaves - 5%
  7. Bento Vieira 5%
  8. Zé Alberto 2% 
  9. Outros 3%
A grande novidade foi a preferencia dos internautas pela Vereadora Liduína Tavares que aparece na enquete com o percentual de 42% de preferencia, o que causou um zum-zum no meio poltica, será que ela é candidata? A vereadora apesar de ser e atuar na câmara como uma integrante da "situação" é vista por pessoas proximas á gestão como de oposição, já chegaram a afirmar que a mesma faz "oposição dentro da situação", o fato é que Líduína Tavares vem se destacando com indepencia e responsabilidade, uma legítima representante do povo de Bacabal na Câmara Municipal.
Dr. Júnior do Saae atingiu o percentual de 25%, talvez esse resultado seja fruta de articulação de pessoas mais proximas a ele, hoje Dr. Júnior que não tem forte tradição poltica , é tecnico, mas é nome mais leve do grupo do prefeito Lisboa e tem pretenções de chegar à prefeitura de Bacabal com gestor principal. Taugi Lago, Zé Vieira e Reinaldo Companheiro empataram em terceiro lugar com 6% de intençoes de votos dos internautas, Taugi continua sendo o grande nome do grupo do Senador João Alberto á prefeitura de Bacabal, o seu grupo espera que sua candidatura torme corpo, mas depois da aliança com o Prefeito Lisboa "Para o Bem de Bacabal" politicamente seu nome perdeu força poltica, mas a mesma ainda tem uma gama de leitores apaixonados. Com relação a Zé Vieira todo mundo sabe que ele tem muito mais do que 6% de preferencia, sua votação nunca caiu em Bacabal, é candidato forte e que pode derrotar o grupo do prefeito Lisboa, no entanto ultimamente o mesmo vem mudando o discurso e de psotura com relação ao grupo do Prefeito lisboa, já se fala numa provável aliança o que tem deixado muita tente do seu grupo insatisfeito. Reinaldo Companheiro é o nome do PT, mas seu partido não tem ainda expressão política no municipio, vem sofrendo violencias internas por parte de diretorios estadual e nacional, dividiu-se nas nas eleições para Prefeito e para governo estadual, isso enfraquece os laços ideologicos da militancia, seu nome é novo, mas falta força agrutinadora, que pode ser construída com o tempo.
Outro nome tradicional de nossa poltica é Dr. Bento Vieira, advogado de Sucesso que sempre faz análise da realidade de Bacabal em programas de televisão, ainda não conseguiu se firmar como um nome forte na política , mas é respeito por toda a sociedade e teve 5% de preferencia dos internautas., quem também aaprrece com 5% de intenções de votos é o engenheiro Nonato Chaves. que vem se destacando como secretário de obras no Governo Lisboa, muito conhecido e querido na cidade Nonato chaves  não vem encontrando espaço dentro do grande grupo politico do governos pra  sustentar sua candidtura, vem relaizando reuniões em comunidades onde vem sendo bem recebido , sua candidatura poderá crescer , mas não será tão fácil, já o Senhor Alberto Filho  já afirmou que quer ser Prefeito de Bacabal, o mesmo já conseguiu eleger através do poder econômico por diversas veses sua Irmã Doralice Veloso como Vereadora, preparou o filho e o elegeu Vereador e agora Deputado Federal, o mesmo tem influência bastante par ser o candidato do grupo ligado ao Senador João Alberto. Entedemos que está cedo demais para chegarmos a qualquer conclusão, o debate está só começando e a presente enquete voltará a ser feita no mes de maio com a inclusão de diversos outros nomes.Não deixe de participar desse debate.

Comentários

  1. que destaque tem o senhor nonato chaves na cidadde de bacabal como secretario de obras se a cidade inteira esta coberta de buracos rua intrafegaveis e cheias de lixos.....acho que vc deve estar equivocado.

    ResponderExcluir
  2. pra que colocar ze vieira na enquete se nem candidato ele pode ser...a lei da ficha limpa foi aprovada e ele ficha sujaaaaa por favor procure se informar das leis,nos nao vamos deixar ele ser candidato aqui em bacabal a lei vai ser cumprida.vamos nos mobilizar.

    ResponderExcluir
  3. acho que devemos colocar um nome novo em bacabal e Liduina esta crescendo pelo seu trabalho no municipio e mesmo sendo da situaçao nao aceita as irregularidades do prefeito como os outros vereadores que simplesmente dizem amem.vejo o nome da vereadora como uma mudança na nossa historia politica e um beneficio pra cidade,pois ja temos uma mulher na presidencia uma no governo e agora e a vez de uma mulher emm bacabal

    ResponderExcluir
  4. caro amigo quando se faz uma enquete apenas se mostra os resutados e nao justifica os resultados, portanto, seja imparcial na sua proxima enquete

    ResponderExcluir
  5. Prezados
    Acho que o site atingiu seus objetivos ao despertar o debate nos senhores, gostei de todos os comentários e informa que foram diretamente publicados sem moderação, levarei em consideração o que todos disseram em seu comentários, quanto ao fato de ter feito matéria não foi para justificar nada, foi apenas para mostrar que os responsáveis do diário do Mearim não são tão leigos nos assunto, se os senhores acham que isso é não ser imparcial, é logico que será levado em conta nas proximas enquetes.
    Um abraço de amigo, irmão e companheiro

    Zezinho Casanova

    ResponderExcluir
  6. a taugi se acabou quando se uniu a Lisboa e mais ainda quando ficou junto a ele diante de todas as irregulariidades que ele em cometendo em bacabal,o que e taugi tem medo de ser oposiçao...cade o cmpromisso que vc tem com bacabal ou isso e so medo de perder a secretaria de educaçao....se vc tivesse compromisso com essa cidade ja tinha rompido com Lisboa pois ele traiu vc ao aprsentar o nome do Junior que nunca fez nada por bacabal pra ser pre candidato...quanto a vc taugi que esta com a educaçao mas nunca valorizou ps professores seus secretarios nunca lutaram pelo bem da educaçao,por seu secretario nao cobrar do prefeito o pagamento do piso salarial que e lei,faça cumprir a LEI VICE PREFEITA.

    ResponderExcluir
  7. Caro Casanova,realmente a sua pesquisa mostra a realidade da política bacabalense. Nós, que vivemos o cotidiano político, percebemos o quanto o povo está desacreditado em Lisboa, Taugi e Zé Vieira, devido a tudo o que vem acontecendo. Sinceramente, já fui eleitor de Taugi e Zé Vieira, mas depois das alianças dos mesmos com Lisboa, não voto neles nunca mais. Agora, voto em quem tem se mostrado preocupada com a cidade de Bacabal. Liduína, que mesmo estando na situação, realmente faz oposição dentro da situação. Durante a greve dos professores, ela mantém-se do lado da sua classe de professores, e não deu lugar às pressões que vem sofrendo por parte de Lisboa e cia. Vamos, Bacabal, mudar a nossa história, pois todos os outros nomes que estão aí, são farinha do mesmo saco, e levam a Bacabal a um mesmo lugar: o abismo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CRÔNICA DO DIA: O mundo é dos espertos!

  No movimento constante de pessoas que chegam e partem do terminal rodoviário da minha cidade natal, vindas de diferentes lugares ou rumando para destinos diversos, encontramos os agentes das empresas de ônibus. Seu trabalho consiste em atrair passageiros para suas respectivas companhias, enquanto fazem comparações entre a eficiência de sua empresa e a suposta lentidão das concorrentes, chegando até mesmo a comparar seus ônibus a aeronaves. O frenesi é palpável quando um passageiro desembarca de seu veículo de origem, seja ele um motociclista, um taxista ou o condutor de um veículo de pequeno porte. Conhecendo essa dinâmica, decidi testar os vendedores de passagens em u ma ocasião em que cheguei à rodoviária e fui abordado por um deles. _ Bom dia meu patrão! – Disse solícito um dos jovens, vestido numa farda surrada da empresa. Estava, como sempre, acompanhado de outros vendedores de outras empresas é claro. Vivi ali o ritual do voo dos urubus sobre a carniça     do lucro. Para

CRÔNICA DO DIA : Anseios de um catador de latinhas

  Nas ruas fervilhantes de Salvador, segundo a sabedoria popular; atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu.   Tão invisível quanto quem já morreu, atrás do Trio elétrico segue Fernando com seu corpo naturalmente malhado, cabelos encaracolados e olhar curioso, o catador de latinhas, busca em meio a multidão fragmentos de uma vida melhor. Enquanto os foliões pulam ao som do axé, ele caminha com seu carrinho, recolhendo latinhas e observando a festa com olhos críticos. Fernando sempre foi um observador atento do Carnaval. Para ele, a festa representa muito mais do que música e dança. É um retrato da sociedade, onde a alegria e o consumo contrastam com a realidade de muitos. A ideia que passa é que na Bahia não há tristeza. Ledo engano. A alegria fantasiosa do carnaval não passa de uma máscara social. Enquanto separa as latinhas, Fernando reflete sobre a origem do trio elétrico, criado por Dodô e Osmar nos anos 50. Ele sabe que por trás da festa há uma complexa cadeia produtiv

CRÔNICA DO DIA - URQUIZA: O Mestre do Origami

No coração da Terra da Bacaba, entre o caos dos carros e o burburinho das pessoas, vive Urquiza, um artesão cujas mãos habilidosas transformam simples folhas de papel em obras de arte impressionantes. Parece que há mágica nas mãos de Urquiza. Esse magnetismo oculto em suas mãos o   tornou conhecido como   Mestre do Origami, Urquiza não apenas dobra e molda o papel, mas também conta histórias através de suas criações. Toda manhã, Urquiza inicia uma verdadeira via sacra visitando pequenas lojas locais em busca do papel perfeito. Cada loja é uma estação que lembra o sofrimento do Cristo no caminho para o calvário. Fazer cultura na Terra da Bacaba é um martírio social. Em sua busca pela matéria prima, ele procura   texturas únicas e cores vibrantes, pois cada papel conta uma história diferente. De volta ao seu modesto estúdio, mergulha em seu mundo de dobras e vincos, transformando o papel em belas formas que ganham vida sob suas mãos habilidosas. Cada peça de Urquiza tem uma história

CRÔNICA DO DIA: Primeiro dia de aula em Alto Alegre

  No pequeno e próspero  município de Alto Alegre do Maranhão, a chegada do novo ano letivo é sempre aguardada com expectativa. O primeiro dia de aula, em especial, é como a abertura de um grande espetáculo, onde cada personagem tem seu papel definido. Os professores, ansiosos e dedicados, prepararam suas salas de aula com carinho e atenção aos mínimos detalhes. No entanto, nem todos agem assim, há aqueles que já chegam na escola catando os feriados no calendário, ou até mesmo numa total falta de empatia com os colegas, mau bate o horário, já querem saber que faltou para subir os horários para irem embora mais cedo. Vale lembrar que cartazes coloridos, murais com boas-vindas e material didático impecavelmente organizado demonstravam o zelo da equipe pedagógica em receber os alunos. Por outro lado, os alunos, em sua maioria, parecem alheios à agitação que toma conta da cidade. Para muitos deles, o retorno às aulas representava não apenas o reencontro com os amigos, mas também o re

CRÔNICA DE DOMINGO: Grisalhas

  No universo dos fios que voam ao sabor do tempo, as grisalhas erguem suas cabeças adornadas por uma cor que é, ao mesmo tempo, a marca da passagem dos anos e o testemunho da resiliência diante das tempestades da vida. Não são apenas fios prateados, são reluzentes crônicas entrelaçadas por experiências, conquistas e aprendizados. Os cabelos sempre foram elemento para identidade feminina. Desde da idade das pedras, as mulheres procuram impressionar os machos com seus cabelos. Quanto mais em desalinho, melhor. A falta de estética era tanto que às vezes se perguntavam para que serviam esses pelos. Na era da pandemia, um fenômeno silencioso e poderoso começou a ganhar destaque: a escolha de muitas mulheres de deixarem seus cabelos desabrocharem em nuances prateadas. Não se tratava apenas de uma questão estética, mas sim de um movimento intrínseco de aceitação, empoderamento e resistência. De repente, atrizes famosas começaram a aparecer em lives com os cabelos grisalhos ,sem as   ma

CRÔNICA DO DIA: O Museu das Lembranças Esquecidas

  No coração de uma cidade anônima, entre becos ocultos e vielas esquecidas, erguia-se um edifício peculiar que escapa à atenção do olhar desatento. Não havia grandes placas indicativas nem sinalizações vibrantes; apenas um portão modesto, quase imperceptível, guardava a entrada para um lugar extraordinário: o Museu das Lembranças Esquecidas. Pensei em encontrar ali lembranças do meu passado apagadas pelo tempo. Quando me veio a ideia de escrever esta crônica, pensei no poeta Cazuza e seu museu de grades novidades.   Em sua clássica letra ele afirmava ver “ o futuro repetir o passado”, o tempo deixa marcas que só ele mesmo nos faz esquecer. Ao cruzar o limiar desse museu singular, os visitantes não eram recepcionados por obras de arte ou artefatos históricos, mas sim por uma atmosfera de silêncio e contemplação. O prédio parecia nos penetrar com seus olhos, cheirar nossa alma, ouvir nossos   batimentos cardíacos, sentir o gosto dos nossos medos, e deixar em nós as marcas de suas di

CRÔNICA DO DIA - RACISMO: a insistência da ignorância

  No estacionamento movimentado de um supermercado famoso na Terra da Bacaba, onde as cores e os sons dos atabaques africanos da cidade se misturam, um episódio revelador de nossa realidade se desenrola, como um retrato em negativo de nossa sociedade. Uma professora universitária, negra, chamada Núbia Reis, aguarda pacientemente ao lado de seu carro. Seus pensamentos, talvez mergulhados em questões acadêmicas, são interrompidos por uma voz estridente. Uma mulher branca, de aparência distinta, se aproxima. Tem todos os traços físicos de uma cigana, talvez com “olhar obliquo e dissimulado”, imortalizada na obra de Machado de Assis. Seus gestos carregam a certeza de quem nunca foi questionado. Ela insiste que a professora cobre panelas, que poderia cobrar no cartão de crédito. A professora, educada e firme, explica que não poderia comprar no momento, apenas aguardava sair no seu   carro. A mulher branca não aceita a resposta. Sua insistência se transforma em agressão verbal. Ela chama

CRÔNICA DO DIA - Jumento: o herói anônimo

Na vastidão da zona rural de algum recanto do Maranhão, onde o tempo parece escorrer em compasso lento, há um personagem que atravessa os caminhos poeirentos carregando o peso da história e da indiferença humana. Já sabes de quem falo? Ainda não? Tudo bem! Ele é o jumento, um herói anônimo relegado ao esquecimento pelos caprichos da modernidade e pela crueldade dos homens. Com seu passo balançante e carregando consigo a carga pesada de cocos babaçu, acondicionados em cestos de jacá, ele é expulso pelo seu suposto dono, como se sua presença fosse apenas um incômodo a ser descartado. Outros jumentos seguem, cada um com sua carga peculiar, seja ela palhas de coco ou outros afazeres agrícolas, transportados em cambitos improvisados. São cenas corriqueiras, mas profundamente simbólicas, de um animal que foi cantado por Luiz Gonzaga como "nosso irmão". Agora já sabes quem é nosso herói do sertão. Desde tempos imemoriais, o jumento tem sido companheiro humano, suportando n

CRÔNICA DO DIA: Entre Cliques e Corações

Estamos a viver em um mundo onde as relações humanas são escritas por linhas digitais, um emaranhado complexo de cliques e corações. Nessa era tecnológica, onde a conexão é medida em megabytes e as palavras são substituídas por emojis, as relações humanas florescem em meio aos algoritmos. A tecnologia que devia diminuir distâncias, nos afastas mesmo estando tão próximos uns dos outros No epicentro desse fenômeno, encontramos Alice, sim, aquela “Alice no país das maravilhas”, agora já crescida; revela-se uma alma inquieta navegando nas águas tumultuadas da rede. Como qualquer adolescente, seus dias são preenchidos por amizades digitais, aquelas que se manifestam em forma de solicitações de amizade e curtidas. No entanto, por trás da tela brilhante, ela sente um não sei o “quê” de desconexão. Num mundo onde a comunicação é instantânea, as nuances do contato humano muitas vezes se perdem. A arte de olhar nos olhos e interpretar as entrelinhas parece estar em extinção. Alice continua a

CRÔNICA DO DIA: Não, é Não!!!!!

Em uma tarde quente de sexta-feira de carnaval, as ruas pulsavam com a energia típica da cidade grande em período carnavalesco. Entre o vaivém de pessoas, carros e sons urbanos, havia uma conversa que vinha de uma esquina próxima, uma conversa que despertava a atenção de todos que passavam por ali. _Não é não!!! -   Dizia uma jovem com firmeza, seus olhos transmitindo uma determinação inabalável. O rapaz que ouvira o Não, olhou perplexo para as pessoas que presenciavam a cena. Nunca se sentiu tão constrangido. Sua masculinidade foi parar na lata do lixo. Perdeu a fantasia viril para brincar o carnaval. Essas três palavras aparentemente simples carregam consigo um peso imenso, uma mensagem que transcende o momento e mergulhava   profundamente na alma de todos os presentes. Ela estava rejeitando um avanço indesejado de um rapaz que insistia em suas investidas, e seu "não" era mais do que uma simples negação; era um manifesto contra a cultura de violência e desrespeito que