Novas regras para entrega da Declaração do imposto de Renda

Prazo vai até 29 de abril

Fifa abre janela para jogadores na Rússia e na Ucrânia

Decisão foi motivada pela guerra que acontece no Velho Continente

Expedito Jr. faz Gol de Placa ao apoiar esporte amador em Bacabal

Desportista declaram apoio ao trabalho de expedito

Norris Cole, Lady Conceição e Norris Cole Jr. fazem Show Internacional em Bacabal

Show deve mobilizar toda massa reggueira de Bacabal e região

Diário do Mearim Cidadania

Diário do Mearim Cidadania

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Santa Inês a caminho de ser um grande produtor de abacaxi


É bem verdade que as primeiras sementes estão apenas germinando quando o assunto é plantio de abacaxi em larga escala em Santa Inês, mas é a partir desse pontapé inicial que a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Piscicultura da Prefeitura de Santa Inês planeja colocar em prática um projeto pioneiro que poderá tornar o município autossuficiente em consumo e ainda produzir para exportar o abacaxi para outras cidades da região e até mesmo industrializar o fruto nos próximos anos.

Para colocar em prática essa ideia, a equipe da Secretaria de Agricultura de Santa Inês já caiu em campo e desenvolve um projeto onde mantém um viveiro para produção de mudas de abacaxi. De acordo com o secretário de Agricultura da Prefeitura de Santa Inês, Fabrício Morais Filho, essas primeiras mudas serão distribuídas para produtores da agricultura familiar do município. "A intenção é tornar o município de Santa Inês um grande produtor de abacaxi", destaca o secretário.

Fabrício explica que o viveiro fica em uma área do Bairro Ceplac e já possui 10 mil pés de abacaxis plantados. No mesmo terreno, mais 10 mil mudas foram plantadas. A perspectiva é que 160 mil mudas sejam tiradas desses 20 mil pés de abacaxis. "A variedade que estamos implantando em Santa Inês é da região de Turiaçú (cidade que produz o abacaxi mais doce do Brasil). A Universidade Estadual do Maranhão fez um estudo e concluiu que esta variedade é compatível com o solo do nosso município. Teremos uma vasta produção!", prevê Osvaldo Luís Feitosa Costa, técnico agrícola da Secretaria de Agricultura de Santa Inês.

Segundo Fabrício Morais, os rendimentos em torno do abacaxi são bons e a expectativa de crescimento econômico no município por meio da comercialização da fruta é grande. "Atualmente, um abacaxi custa em média R$ 2,50. Como a variedade que estamos implantando é de ótima qualidade, a comercialização é certa!", conclui o secretário de Agricultura.

FONTE: O Imparcial

Prefeitura de Bacabal é obrigada a adequar folha de pagamento aos novos valores das transferências constitucionais

As constantes alterações e variações que provocam reduções e cortes nos valores do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb) e Sistema Único de Saúde (SUS) repassados pelo Governo Federal para a Prefeitura de Bacabal obrigaram a administração do município a realizar manobra orçamentária para enquadrar a folha de pagamento dos seus servidores às exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal. A adequação consiste na redução de rendimentos, em um primeiro momento, e extinção de cargos e funções, em um segundo momento.

A Lei de Responsabilidade Fiscal impõe a estados e municípios limites de gastos mínimos e máximos com educação, saúde e pessoal, estabelecendo com o teto para gasto com pessoal, na esfera municipal, o limite de 54 por cento. Os rigores dessa Lei e as variações, em sua grande maioria para baixo, das transferências constitucionais destinadas aos municípios tem levado rotineiramente milhares de prefeitos à capital federal num ato que ficou conhecido como Marcha Sobre Brasília, onde os gestores municipais tentam junto ao governo federal pelo menos recuperar parte das constantes perdas. No último ato a Presidente da República Dilma Rousseff chegou a ser vaiada pelos prefeitos presentes por não acenar com a reposição das perdas.

Em todo o país prefeitos dos mais diversos estados têm lançado mão de manobras parecidas para se adequarem aos rigores da Lei de Responsabilidade Fiscal. O mesmo fato vem se repetindo no Maranhão onde diversos municípios, entre eles Pindaré-Mirim, também buscaram essa correção orçamentária.

Em Bacabal adequação ocorrerá de forma escalonada. Em um primeiro momento está acontecendo à adaptação da folha de pagamento à lei com um reescalonamento de rendimentos nos mais diversos cargos e funções. Para que nenhum servidor seja duramente prejudicado foi adotado também o parcelamento do pagamento dos funcionários, a exemplo do Hospital Materno Infantil, cujos funcionários já tiveram a primeira parcela dos seus proventos depositada e receberão a segunda parcela no próximo dia 15 de agosto.

Com a medida o prefeito José Alberto Veloso mantém com o funcionalismo um compromisso assumido ainda em sua campanha, quando garantiu que o pagamento do servidor público municipal não sofreria solução de continuidade e seria depositado rigorosamente em dia.

Para a aplicação em um segundo momento os técnicos da prefeitura especializados em orçamento e gestão estão estudando a redução de cargos e funções dentro da estrutura administrativa do município. O estudo tem como base não prejudicar o andamento dos serviços básicos prestados pela prefeitura permitindo assim que o seu munícipe continue a ter garantia de qualidade na prestação de serviços essenciais como saúde e educação.


Da assessoria

João do Vale tem imagem trocada em homenagem do governo do Estado


Mural do Parque Folclórico da Vila Palmeira: homenagem a João do Vale com a imagem de outro compositor maranhense
Mural do Parque Folclórico da Vila Palmeira: homenagem a João do Vale com a imagem de outro compositor maranhense
O descaso com a cultura maranhense é tanto, que até mesmo o mais famoso e consagrado cantor e compositor maranhense, João do Vale, teve a sua imagem trocada no mural do Parque Folclórico da Vila Palmeira, e assim permanece sem o menor pudor.
Em seu lugar colocaram a pintura do também cantor e compositor maranhense, Tião Carvalho, como atesta o blog do jornalista Henrique Bóis.
Veja: 
Um mural com pinturas de manifestações folclórica e personalidades da cultura maranhense no Parque Folclórico da Vila Palmeira desinforma o público sobre a figura do cantor e compositor João do Vale. No lugar do pedreirense, a figura identificada na pintura como tal é o também cantor e compositor Tião Carvalho, cidadão paulistano nascido em Cururupu.
O João do Vale, aí na verdade, é Tião Carvalho
O João do Vale, aí na verdade, é Tião Carvalho
As pinturas estão no lado do muro que margeia a avenida dos Franceses onde estão os portões de entrada desde o ano passado por ocasião das comemorações de 400 anos de fundação da cidade de São Luís. Ao lado de Tião (do Vale?) estão outras figuras da galeria de notáveis ludovicenses como a médica prestista Maria Aragão, o escritor Gonçalves Dias entre outros.
O verdadeiro João do Vale e Chico Buarque
O verdadeiro João do Vale e Chico Buarque
O espaço é administrado pela Federação das Entidades Folclóricas e Culturais do Estado do Maranhão há décadas. O parque pertence ao Governo do Estado do Maranhão. Apesar de dirigido por Paulo de Aruanda o público e associados têm conhecimento de que este não passa de preposto do vereador Astro de Ogum (declaramente sem partido, denotadamente em cima do muro), vice-presidente da Câmara Municipal de São Luís.
fone: Blog do Raimundo Garrone

Inscrições para o Festival Literatura em Vídeo 2013 vão até 27 de outubro


"O crime do Padre Amaro", vídeo de alunos da ETEC Coronel Fernando F. da Costa, vencedor do prêmio de Melhor Fotografia (2012)
Realizado pelas editoras Ática e Scipione, com apoio da MTV, da produtora Buriti Filmes e do portal Tela Brasil, o Festival Literatura em Vídeo 2013 é voltado para educadores e alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio das redes pública e privada de todo o país. O concurso tem como objetivo incentivar o hábito da leitura e estimular a criatividade.

Para participar, os estudantes devem produzir um vídeo de até cinco minutos relacionado a uma das obras de ficção dos catálogos das Editoras Ática e Scipione

As categorias contempladas pelo festival, que premia alunos, professores e instituições de ensino, são as seguintes: Júri Técnico, Júri Popular, Destaques Regionais, Melhor Direção de Arte, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia e Melhor Som. Os trabalhos serão julgados segundo critérios de criatividade, qualidade da produção e adaptação do roteiro. 

Até o momento, a edição 2013 recebeu mais que o dobro das inscrições realizadas no ano passado. Para a edição deste ano, foi criada uma página do festival no Facebook (www.facebook.com/literaturaemvideo) que, desde janeiro, vem trazendo dicas e informações sobre o concurso. Além disso, o site oficial do evento apresenta uma série de vídeo-aulas que oferecem apoio técnico para professores e alunos produzirem suas adaptações. Esses vídeos, que trazem como protagonistas nomes como Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi e Walter Carvalho, fazem parte do acervo do Tela Brasil - projeto da Buriti Filmes que estimula produção de curtas metragens - e agora estão à disposição também no site do festival.
FONTE: Língua

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Bacabal é destaque na I Mostra Estadual de Literatura


O Município de Bacabal participou de 24 a 27 de julho da I Mostras Estadual de Literatura promovida pelo Centro de Criatividade Odylo Costa, filho em  São Luís. O stand da Academia Bacabalense de Letras, expôs vários livros para conhecimento de todos que circularam no evento e realizou lançamento de autores bacabalense ou ligados à Academia.
Segundo Informações da Coordenadora do evento, escritora Ceres Fernandes, esta Mostra Nasceu da aspiração de uma maior interação entre as culturas literárias dos vários municípios maranhenses, na intenção de mostrar a riqueza dos escritores das diversas regiões, por vezes somete divulgados nos seus próprios rincões.
A Mostra apresentou o conjunto  da produção dos nossos poetas, romancistas, cronistas, contistas e historiadores de municípios como Arari, Vitória, Caxias, Imperatriz, Viana, Pinheiro, Pedreiras, Brejo, Barra do Corda, Lago da Pedra, BACABAL, Itapecuru, Anajatuba, Grajaú e Barreirinhas.
Escritores bacabalense realizaram lançamentos de livros como “os dois paralelos e outros tortos Girassóis” de Antônio Ailton. “Vivências” de Maria Raimunda, “Sombras da Lei” de Douglas Ribeiro, “O Som de Muitas Verdades” de Cláudio Araújo. Participaram ainda com atividades no Stand de Bacabal os escritores Zezinho Casanova, Raimundo Morais Pessoa, Raimundo Laércio e Joaquim KIcil.

A Academia Bacabalense de Letras faz uma avalição positiva do evento pois conseguiu inserir seus escritores no mercado editorial do estados, tendo inclusive realizado parceria para facilitar a edição de livros dos escritores bacabalenses.

GUARDA MUNICIPAL DE BACABAL PARALISA AÇÕES E PLANEJA BUZINAÇO


Segundo informações do blog do Sergio Matias ,na amanhã de hoje (29) os Guardas Municipais decidiram cruzar os braços e se recusam a ir às ruas. Após se reunir no prédio do Departamento Municipal de Trânsito, local que deveria, por determinação da prefeitura, ser desocupado para que a Secretaria Municipal de Obras dê início a reforma, pois a principio, será naquele prédio que o agrupamento do Corpo de Bombeiros funcionará, representantes dos Guardas Municipais tentaram, sem sucesso, uma audiência com o prefeito de Bacabal. Por essa razão os mesmos continuarão parados, e na terça-feira (30) retornarão ao DMT para em seguida saírem às ruas realizando um buzinaço que finalizará em frente a sede do poder executivo municipal.

Mesmo sendo totalmente a favor da iniciativa da implantação do Corpo de Bombeiros, a categoria, que se sente desprestigiada, quer com a iniciativa obter melhores condições de trabalho e principalmente a  aprovação da Lei de Criação da Guarda Municipal.

O que também deixou os Guardas Municipais revoltados, segundo seus integrantes, foi o fato do município ter decidido tira-los do local onde hoje funciona o DMT e transferi-los para o o prédio onde deveria está a Força Tática da Polícia Militar, no Bairro Trizidela, sem antes ouvir a categoria.

REIVINDICAÇÕES DA GUARDA MUNICIPAL DE BACABAL

Ø Aprovação da Lei de Criação da Guarda Municipal;
Ø Implantação do Plano de Cargo, Carreira e Vencimento;
Ø Aprovação do Estatuto da Guarda Municipal;
Ø Renovação do Fardamento;
Ø Aparelhagem da Guarda Municipal;
Ø Permanência da Corporação no atual prédio;
Ø Adequação do Prédio à Guarda Municipal;
Ø Manutenção e aquisição de Viaturas e Moto Viaturas;
Ø Convênio com SENASP.
FONTE: Blog do Sérgio Matias

Obra do PAC abrigava trabalhadores em condições análogas à escravidão em Bacabal

Uma inspeção realizada pela Procuradoria do Trabalho em Bacabal, em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e apoio da Polícia Federal, resultou no resgate de 12 trabalhadores em condições análogas às de escravo. Eles foram contratados para escavar valas para rede de esgoto na Vila São João e dormiam em alojamentos precários. A obra de saneamento básico faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC II) em Bacabal.
A ação aconteceu no mês passado. Uma audiência pública deve ser realizada ainda esta semana com as empreiteiras envolvidas no caso para resolver a situação extrajudicialmente, com a assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC).
Dentre as irregularidades identificadas estão a falta de assinatura das carteiras de trabalho; ausência de EPI’s (equipamentos de proteção individual) e materiais para primeiros socorros; não fornecimento de água potável para consumo humano; inexistência de banheiros na frente de trabalho; pagamento com atraso; não realização de exames médicos, entre outras.
A fiscalização descobriu que muitos trabalhadores vieram de outras cidades do Maranhão e Pará. Os alojamentos oferecidos a eles apresentavam problemas graves de infraestrutura e higiene. “Os funcionários bebiam e utilizavam água sem qualquer tratamento ou filtragem e tomavam banho em banheiro devassado”, lamentou o procurador do Trabalho, Ítalo Ígo Ferreira Rodrigues, responsável pela fiscalização, juntamente com o auditor fiscal do Trabalho, Carlos Henrique da Silveira Oliveira e o técnico administrativo, Ednardo Mariz Montenegro.
A licitação para as obras de escavação foi vencida pela construtora Consulplan Consultoria e Planejamento que, por sua vez, subcontratou duas empresas para a prestação dos serviços (Acapu e Comprecol), além de um empreiteiro (Valber Costa) – responsável por arregimentar os trabalhadores.
Todos os alojamentos mantidos pelas empresas foram visitados pelo Ministério Público do Trabalho no Maranhão (MPT-MA). Segundo o relatório, o local disponibilizado pela Acapu estava em péssimas condições de higiene, sem armários individuais para a guarda de pertences e com instalações elétricas expostas. O alojamento possuía apenas dois copos para seis pessoas e a água fornecida não era filtrada. A alimentação oferecida era precária (pela manhã, apenas café, e pouca carne no almoço).
No alojamento da Comprecol a situação não era muito diferente. Apesar da água fornecida ser mineral, as irregularidades iam desde a ausência de registro dos trabalhadores à alimentação deficiente.
O alojamento dos trabalhadores arregimentados pelo empreiteiro Valber Costa era um casebre em péssimas condições de conservação e higiene. “Constatamos condições degradantes”, ressaltou o procurador. Não havia armários individuais, a água era consumida diretamente na torneira, havia muito lixo e pior: a alimentação era descontada do salário dos empregados.
“Uma folha de caderno com a relação das dívidas de cada trabalhador foi fornecida à equipe de fiscalização. Não tinha papel higiênico, nem local adequado para o preparo das refeições”, lamentou Ítalo Ígo.
Diante das constatações, foi feito o resgate de 12 trabalhadores que estavam submetidos à condições degradantes. A empresa Consulplan efetuou o pagamento das verbas rescisórias dos resgatados, totalizando mais de 30 mil reais.
Perfil das vítimas
Ao todo, 23 trabalhadores foram alcançados pela ação. O fiscal do Trabalho lavrou dez autos de infração. Segundo relatório do MTE, dos 23 funcionários, apenas dois eram brancos. Os demais eram pardos ou negros. Dois deles eram analfabetos. 11 viviam em Bacabal e 12 vieram de outras regiões do Maranhão e Pará.

sábado, 27 de julho de 2013

Roupas da Le Lis Blanc são fabricadas com escravidão






Oficina em que eram costuradas peças da Le Lis Blanc. Fotos: Anali Dupré/Repórter Brasil

A parede é de tijolos aparentes, com reboco improvisado e tábuas tapando as janelas. O piso é de cimento, coberto de retalhos, linhas e sujeira. Há fios de eletricidade puxados de maneira improvisada por todos os lados, alguns perigosamente próximos de pilhas de tecido, e, em um canto da improvisada oficina de costura, uma caixa d´água. Para ficarem mais próximos das máquinas, os lustres pendem do teto amarrados por cordões em que é possível ler “Le Lis Blanc”, nome de uma das grifes mais caras do país. Espalhadas nas mesas estão etiquetas da marca, peças finalizadas e guias com orientações sobre tamanho e corte. Em cômodos próximos, ficam os trabalhadores bolivianos, vivendo em beliches em quartos apertados, alguns com divisórias improvisadas, recebendo por produção e cumprindo jornadas exaustivas.

Lustres amarrados com cordões da Le Lis Blan

A descrição é de uma das três oficinas em que costureiros que produziam peças da marca Le Lis Blanc foram resgatados durante fiscalização realizada em junho, acompanhada pela Repórter Brasil. Com algumas variações, o cenário de degradação humana foi o mesmo encontrado em outras duas unidades de produção de peças da marca. Todas as três oficinas com problemas eram “quarteirizadas”. Duas empresas intermediárias encomendavam as peças e as repassavam para a grife de luxo. Mesmo assim, de acordo com o auditor fiscal Luís Alexandre Faria, que participou da ação, não há dúvidas sobre a culpa da Restoque S.A, empresa dona da marca Le Lis Blanc, em relação às condições em que os trabalhadores foram resgatados. Ele ressalta que não só foi caracterizada terceirização da atividade fim, o que por si só já configuraria a responsabilidade do grupo, como também nesse caso ficou evidente a ligação direta da empresa com a organização da linha de produção.

Segundo ele, toda cadeia produtiva estava baseada em encomendas da Le Lis Blanc. Ele estima que 90% das encomendas das intermediárias eram da grife e que 100% da produção das oficinas era de peças da marca. Quando a fiscalização foi feita, as oficinas estavam paradas, devido a um cancelamento repentino de encomendas. “Isso só agravou a situação, pois tirou a única possibilidade de subsistência dos trabalhadores que costuravam para a empresa”, explica o auditor. “O principal problema que encontramos foi o fato de trabalhadores morarem e viverem no mesmo local”, completa. Ao todo, 28 pessoas foram libertadas, incluindo uma adolescente de 16 anos. Também foi caracterizado tráfico de pessoas para fins de exploração de trabalho em condição análoga à de escravo, conforme previsto no Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, e na Instrução Normativa n. 91 da Secretaria de Inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.

Além de submetidos a condições degradantes e jornada exaustiva, muitos dos resgatados estavam presos a dívidas, o que também configura escravidão contemporânea. Todos resgatados são bolivianos.

Registro de dívida por passagem em caderno encontrado na oficina.

A ação foi coordenada pelo auditor fiscal Renato Bignami, e, além de Luís Alexandre Faria, contou também com a participação de Letícia Emanuelle Bill, os três vinculados à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE/SP). Também participaram Christiane Vieira Nogueira e Tiago Muniz Cavalcanti, procuradores do Ministério Público do Trabalho; Jairo Diniz Dantas, auditor da Receita Federal; Fabiana Galera Severo, da Defensoria Pública da União; Adriana Aparecida Mazagão, do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do governo de São Paulo; e os policiais Eduardo Xavier dos Santos, Gilberto Paula de Moura e Samuel de Freitas, da 1ª. Delegacia de Polícia de Proteção à Pessoa da Polícia Civil de São Paulo. O trabalho foi acompanhado pela juíza Patrícia Terezinha de Toledo, da Vara Itinerante de Combate ao Trabalho Escravo.

Segundo a SRTE/SP, a diretoria da Le Lis Blanc assumiu a responsabilidade pelo caso, fazendo o registro e regularizando o pagamento de encargos de todos os trabalhadores, incluindo direitos retroativos referentes ao período em que ficou comprovado que os costureiros trabalharam para o grupo. As indenizações pagas diretamente aos resgatados chegaram a cerca de R$ 600 mil, ainda segundo as autoridades.

Procurada, a empresa, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou o seguinte: ”Recebemos em 22 de julho de 2013 autuação do Ministério do Trabalho e Emprego envolvendo empresas que não conhecemos e com as quais não temos relacionamento. Tal autuação envolve valores estimados entre R$ 50 mil e R$ 150 mil. Cumprimos integralmente a legislação trabalhista nas relações com nossos colaboradores e tomamos os mesmos cuidados com nossos fornecedores. Analisaremos as bases de tais autuações e apresentaremos defesa oportunamente”.

Contrastes - Os costureiros ganhavam por produção e cumpriam jornadas de pelo menos dez horas diárias. Os entrevistados afirmaram trabalhar das 7h ou 8h às 17h, 18h ou 19h de segunda-feira à sexta-feira, e das 7h ao meio-dia de sábado. Alguns dizem ter cumprido regularmente jornadas de até 12 horas e trabalhado sem descanso semanal, preocupados em juntar dinheiro ou em conseguir pagar dívidas contraídas com os empregadores. Segundo os depoimentos, em média o valor pago por peça variava de R$ 2,50 a R$ 7.

Algumas das peças à venda no site da empresa. Reprodução: Le Lis Blanc



Nos shoppings, as roupas com a marca Le Lis Blanc são vendidas por até 100 vezes mais. Conforme informações disponíveis no site da empresa, uma calça da grife pode chegar a custar R$ 1.999,50, uma saia R$ 1.350,00, um vestido R$ 999,50, blusas e camisas R$ 599,50, e uma regata R$ 359,50. Em casos excepcionais, para peças delicadas e de difícil corte, costureiros experientes afirmam ganhar até R$ 30. A peça mais cara no catálogo virtual da grife é a jaqueta Aspen, vendida por R$ 2.290,00.

Na nota fiscal, valor que os costureiros receberam por unidade. Na imagem em destaque, valor que a calça “Ana Luiza” é vendida no site da Le Lis Blanc. Foto: Anali Dupré e Reprodução/Le Lis Blanc

“É um absurdo essa diferença entre o que a gente ganha e o preço que eles cobram pela peça, a gente sabe, mas a gente não pode fazer nada. Se eu costurar a mesma peça e tirar a etiqueta, ninguém paga esse valor”, afirma um dos costureiros resgatados. “Para o dono de uma fábrica, é fácil falar: ‘essa peça é fácil de costurar’. Mas não é um trabalho qualquer. Eu tenho orgulho do que eu faço, cada pessoa nasce com um talento e deveria ser valorizada por isso”.

No caso da Le Lis Blanc, o contraste entre as condições em que as peças são produzidas e os locais em que elas são vendidas também chama atenção. Em shoppings, as lojas da grife são luxuosas, com vendedoras produzidas conduzindo clientes entre tapetes delicados, poltronas e ricos objetos de decoração. Todas as unidades da rede têm o mesmo perfume e é possível comprar a essência. Um potinho de 100 ml custa R$ 79,50.

É o mesmo valor que alguns dos costureiros resgatados afirmaram receber para fazer costurar cerca de 11 peças da grife.

FONTE: Blog do Sakomoto

Oligarquia Sarney define candidatura de Luis Fernando ao governo


Luis Fernando: candidato da oligarquia Sarney
Luis Fernando: candidato da oligarquia Sarney
Uma escolha com a cara do autoritarismo que marca a trajetória da oligarquia liderada pelo senador José Sarney (PMDB-AP). Numa reunião na área nobre da cidade, da qual participaram apenas dez “iluminados” foi imposto o nome de Luis Fernando Silva como candidato da oligarquia para disputar o governo do Estado em 2014.
Ao ministro Edison Lobão (Minas e Energia), que também postulava a candidatura, restou o sorriso amarelo e o insosso discurso da unidade.
A foto que ilustra o post feita pela repórter fotográfica Flora Dolores do Jornal O Estado do Maranhão, de propriedade da família Sarney, é simbólica. Fala mais que tudo que se possa escrever. é o retrato fiel e acabado de um grupo que impõe ao povo maranhense suas vontades. O povo? Ah, esse como sempre fica à margem do processo.
De nada adiantou a juventude ir às ruas protestar e pedir o fim da corrupção no mês de junho. Centrais sindicais, trabalhadores da Caema, da educação e até empresários todos foram solenemente ignorados pela governadora Roseana Sarney.
De lá para cá, o cartão de visitas é a presença da polícia postada atrás de um poderoso esquema de segurança, que inclui grades de ferro nas cercanias do Palácio dos Leões.
E assim, ungido candidato ao governo pela oligarquia Sarney, o secretário de Infraestrutura, Luis Fernando, chegará à disputa envelhecido como representante das práticas mais arcaicas, que levaram o Maranhão a ostentar os piores indicadores sociais entre os estados brasileiros.
Um fato, contudo, salta aos olhos: a presença entre os dez “iluminados” sarneysistas daquele que personifica o coronelismo que tanto atrasa o Estado. Sim, é com o aval de José Sarney que Luis Fernando agora apresenta-se como candidato.
Uma coisa é certa os campos políticos agora estão bem definidos: de um lado os de sempre. Do outro o povo do Maranhão e aqueles que pregam o diálogo como uma das alternativas para retirar o estado das mãos de um grupo, que empobreceu o Estado ao longo de décadas e que insiste em manter-se no poder para completar as bodas de ouro.
A bola agora está com o povo e a pergunta é inevitável: é essa gente que você quer que continue a governar o Maranhão?
FONTE: Blog do Raimundo Garrone

Aprovada cotas para negros na Pós-graduação da Sociologia da UnB, Mestrado e Doutorado

Dez anos depois de iniciativa histórica e pioneira da Universidade de Brasília, aprovado dia, 24 de julho, no Departamento de Sociologia da UnB , por unanimidade, uma política de ação afirmativa na pós-graduação.
Adotamos a estratégia de aprovar o princípio da política: reserva mínima de 20% das das vagas do mestrado e do doutorado para alunos/as negros/as. Após a aprovação, foi formada uma comissão composta por professores/as e discentes que deverá regulamentar a política nos próximos 60 dias.
Uma vez que o edital de seleção de mestrado e doutorado da próxima turma (2014) já foi publicado, o primeiro edital com ações afirmativas será elaborado para a turma de 2015.

'A Menina que Roubava Livros' é obra mais lida por presos federais


A Menina que Roubava Livros (Foto: Reprodução)
O livro "A Menina que Roubava Livros", de Markus Zusak, foi a obra mais lida pelos detentos dos quatro presídios federais em 2012, de acordo com levantamento feito pelo Departamento Penitenciário Nacional, órgão do Ministério da Justiça. O best-seller conta a história de uma ladra de livros que é perseguida pela Morte, mas sempre consegue escapar.

“O Menino do Pijama Listrado”, de John Boyne, e “O Caçador de Pipas”, de Khaled Hosseini, ficaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente, entre os detentos dos presídos federais de Campo Grande (MS), Catanduvas (PR), Porto Velho (RO) e Mossoró (RN).

Pelo projeto Remição pela Leitura, o preso tem de 21 a 30 dias para ler uma obra literária e apresentar, ao final deste período, uma resenha. A cada livro, o interno pode diminuir quatro dias de pena. Ao final de até doze obras lidas e avaliadas, pode remir, no máximo, 48 dias por ano. Cada penitenciária tem 124 livros comprados exclusivamente pelo projeto e também recebe doações

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça, as obras disponíveis são literárias, clássicas, científicas e filosóficas.

Confira a lista dos dez livros mais lidos pelos presos, segundo o Departamento Penitenciário Nacional:

"A Menina que Roubava Livros"
"O Menino do Pijama Listrado"
"O Caçador de Pipas"
"Nunca Desista Dos Seus Sonhos"
"Apanhador no campo de centeio"
"O Futuro da Humanidade"
"A Cabana"
"O Vendedor de Sonhos"
"Os Espiões"
"O Pequeno Príncipe"

FONTE: G1

ATENÇÃO! Novo método para o diagnóstico do câncer de mama no Maranhão


Nunca se falou tanto sobre o câncer de mama no cenário nacional e internacional. Recentemente, a atriz norte-americana Angelina Jolie surpreendeu o mundo ao divulgar a retirada das duas mamas como forma de prevenção. O câncer de mama assusta pela alta frequência com que ocorre no mundo inteiro. Todos os anos, a doença atinge 22% das mulheres.

Além das dores e do sofrimento psicológico, quem tem essa enfermidade também enfrenta métodos desconfortáveis para que o diagnóstico seja possível, como as biópsias. Mas isso deve mudar em breve, graças a um novo exame que promete revolucionar a detecção do câncer de mama, chamado Haio Mamo Cito Test, que aspira eventuais secreções dos seios, identificando as chances da mulher desenvolver tumores. 

A Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Maranhão (Sogima), promoveu nesta sexta-feira(26), às 19 horas no Hotel Luzeiros, uma palestra gratuita para a classe médica, sobre este novo teste revolucionário, para diagnosticar o câncer de mama. Na ocasião, o biomédico Prof. Dr. Marco Antonio Zonta irá proferir a palestra, "Estudo do Fluido Papilar Aspirado por Sistema Automatizado Halo".

O teste é simples e indolor, feito em apenas cinco minutos. Dois cones descartáveis, revestidos com silicone, são colocados 
sobre as mamas, podendo ou não aspirar secreções dos seios. As mulheres que não têm secreções apresentam menor risco de desenvolver câncer. As que possuem secreções com células normais têm um risco aumentado de desenvolver a doença.

"O aparelho não substitui a mamografia, veio como um método de prevenção rotineira que detecta células anormais precocemente", resume o biomédico. A mamografia identifica lesões nas mamas, que são pequenos tumores ainda imperceptíveis ao toque. Mas com a identificação das células nas secreções dos seios, é possível apontar o risco de câncer antes da lesão. O teste é recomendado anualmente para mulheres a partir dos 21 anos de idade ou menos. "E não precisa ser uma paciente de risco, com histórico familiar. Pelo contrário, o exame ajuda a identificar o risco da doença em paciente que nem imaginavam estar sujeito ao problema", esclarece Marco Antonio Zonta. 

O Halo foi testado em 120 pacientes tratadas no Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP, e mostrou ser mais 

eficiente que os métodos anteriormente empregados. Ele é usado nos Estados Unidos há dois anos. No Brasil, as pesquisas do Hospital das Clínicas começaram em outubro de 2008. O equipamento está sendo testado também em alguns laboratórios particulares.

As grandes vantagens do método é a obtenção preservada do material celular para diagnóstico e a avaliação precoce em caso de possíveis alterações do tecido mamário. Essa inovação diagnóstica vem com uma das principais armas para auxiliar o 

diagnóstico precoce de possíveis alterações microscópicas do tecido mamário auxiliando o médico na prevenção e acompanhamento de lesões potencialmente malignas.

Novidades como essa para detecção e combate ao câncer de mama são muito bem-vindos no Brasil, já que, de acordo com o 

Instituto Nacional de Câncer (Inca), estima que mais de 49 mil casos de câncer de mama são diagnosticados por ano. Isso gera um risco estimado de 51 casos a cada 100 mil mulheres.

No Brasil o câncer de mama é a maior causa de óbitos por câncer na população feminina, principalmente na faixa etária entre 40 e 69 anos. Um dos fatores que dificulta o tratamento é o estádio avançado em que a doença é descoberta. A maioria dos casos de câncer de mama no Brasil é diagnosticada em estádios avançados (III e IV)diminuindo as chances de sobrevida das pacientes e comprometendo os resultados do tratamento. O trabalho com Halo será para minimizar a ocorrência de tão grave doença!Fique atenta.

FONTE: O Imparcial

Adesão à lista de espera do ProUni deve ser feita até segunda-feira



O candidato que tenha ficado fora das duas convocações já realizadas peloPrograma Universidade para Todos (ProUni) do Ministério da Educação pode ainda integrar a lista de espera. A adesão, on-line, deve ser feita a partir desta sexta-feira, 26, até segunda-feira, 29.

A lista estará disponível para consulta pelas instituições de educação superior integrantes do programa em 1º de agosto. No dia seguinte, será feita a primeira convocação. O candidato selecionado terá até o dia 7 do mesmo mês para a comprovação dos documentos e matrícula. Em 12 de agosto, será feita a segunda convocação. O prazo para aferição dos documentos e matrícula vai até o dia 15.

No processo seletivo deste segundo semestre, o ProUni registrou o total de 436.941 candidatos a bolsas. O número de inscrições chegou a 844.864 — cada estudante pôde fazer até duas opções de curso.

Foram ofertadas 90.045 bolsas — 55.693 integrais — em instituições particulares de educação superior. Puderam concorrer a bolsas os estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obtiveram no mínimo 450 pontos de média e nota na redação que não tenha sido zero.

Criado em 2005, o ProUni oferece bolsas de estudos em instituições particulares a estudantes egressos do ensino médio da rede pública. Também são atendidos bolsistas integrais oriundos da rede particular. Para a bolsa integral, o candidato precisa comprovar renda bruta familiar, por pessoa, de até 1,5 salário mínimo. Para a bolsa parcial, de até três salários mínimos.

O resultado da seleção e o cronograma a ser acompanhado pelos candidatos estão na página do ProUni na internet. A lista de espera estará aberta a consultas pelas instituições de ensino em 1º de agosto, no Sistema Informatizado do ProUni (Sisprouni).
FONTE: O Imparcial

Flávio Dino pede orações pelo Maranhão em encontro com Papa



Em encontro com o Papa Francisco na manhã desta sexta (26), Flávio Dino, presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), pediu que o sumo-pontífice da Igreja Católica rezasse pelo Maranhão. A informação foi dada por Flávio Dino através das redes sociais , minutos depois do encontro com o Papa durante a Jornada Mundial da Juventude, que acontece no Rio de Janeiro.

“Muita emoção ao encontrar o Papa Francisco. Ele falou sobre a parábola do Bom Semeador. E me disse: “reze por mim”. Claro que respondi: “Reze por mim”. Pedi também que ele reze pelo Maranhão e mostrei a nossa bandeira,” disse Flávio Dino pelas redes sociais.

Flávio Dino falou ainda da saúde do Brasil e pediu que as orações fossem direcionadas também a todos os que sofrem nos hospitais, em especial jovens e crianças. “Pedi também que o Papa reze pela saúde do Brasil, especialmente pelas crianças e jovens que sofrem e morrem em hospitais,” completou.

No encontro, Flávio Dino levou ao papa uma imagem de São Francisco de Assis esculpida por Hélio Petrus, pesquisador e artista brasileiro com formação seminarista. as plásticos brasileiros de estilo barroco. Com inspiração nas obras de Aleijadinho e outros artistas do século XVIII, o escultor mineiro de 70 anos tem obras espalhadas pela Europa, Estados Unidos e Ásia.

O encontro aconteceu no Palácio São Joaquim, na Glória (Rio de Janeiro), e faz parte de uma série de ações da Embratur que têm por objetivo fortalecer o turismo internacional brasileiro. Como a Jornada Mundial da Juventude movimenta os jovens da Igreja Católica de todo o mundo, a Embratur realizou uma série de ações com o intuito de divulgar o evento que este ano acontece no Brasil.

Em Buenos Aires, capital da Argentina, país natal do Papa Francisco, a Embratur promove até o final do evento um palco para transmissão ao vivo da primeira viagem internacional do Papa Francisco desde que assumiu o posto de líder da Igreja Católica. Após a finalização dos eventos católicos, diversos artistas brasileiros fecham a noite com shows que divulgam a cultura de nosso país nas terras argentinas. Na noite desta sexta, foi a vez de Zeca Baleiro.

No Cristo Redentor, um dos pontos turísticos mais conhecidos do país localizado no Rio de Janeiro, a Embratur instalou telões para transmissão em tempo real das ações da JMJ para que os turistas não percam nenhum momento do evento.




fonte: Blog Neto Ferreira

Novas cédulas de R$ 2 e de R$ 5 começam a circular na segunda-feira



O Banco Central (BC) anunciou que a partir da próxima segunda-feira (29) as cédulas de R$ 2 e R$ 5 começam a circular pelo País. A chamada Segunda Família de cédulas foi lançada em fevereiro de 2010 com o objetivo de evitar falsificações.
Notas entram em circulação da próxima segunda-feira. (Foto: Divulgação)

As novas notas têm tamanhos diferentes das antigas, sendo que a de R$ 2 é a menor delas, com 12,1 centímetros de largura por 6,5 centímetros de altura. Já a de R$ 5 tem 12,8 centímetros de largura por 6,5 centímetros de altura. Todas as cédulas da Primeira Família do real tinham 14 centímetros de largura por 6,5 centímetros de altura. Segundo o BC, além dos tamanhos diferenciados, as novas cédulas possuem elementos de segurança mais modernos e mais fáceis de verificar.

Segundo o BC, os principais dispositivos de segurança das cédulas são a marca d’água, quebra-cabeça – no qual aparece o valor da nota quando ela é colocada contra a luz -, marca tátil, impressão em alto relevo e elementos fluorescentes.

As notas de R$ 50 e R$ 100 foram lançadas ainda em 2010, porque, segundo o governo, as antigas eram mais suscetíveis à falsificação. A previsão inicial era de que todas as novas cédulas estivessem em circulação em um período de dois anos, prazo que não foi cumprido. De acordo com o BC, as cédulas já existentes continuarão valendo até a substituição integral.

O BC lançou, em junho deste ano, o site http://www.dinheirobrasileiro.bcb.gov.br/segunda-familia-cedulas.html, para que os brasileiros pudessem tirar dúvidas sobre as novas cédulas.
FONTE:Terra

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Empresa vai pagar indenização por trabalho análogo à escravidão



A empresa Consulplan Consultoria e Planejamento vai pagar indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 1,2 milhão, por ter mantido 12 trabalhadores em condições análogas às de escravidão em uma obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em Bacabal. A decisão é fruto de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado nesta quarta-feira (24) com o Ministério Público do Trabalho no Maranhão (MPT-MA), que conta com 47 cláusulas (obrigações de fazer e não fazer).

Local onde era conservada a água ingerida pelos trabalhadores (Foto: Divulgação/Ascom)

Entre as obrigações assumidas pela Consulplan estão: fornecer equipamentos de proteção individual, materiais de primeiros socorros, vestimenta e água potável, filtrada e fresca aos trabalhadores; assinar a carteira de trabalho no prazo de 48 horas e assegurar a realização de exames médicos periódicos aos empregados.

A construtora deverá abster-se de intermediar, arregimentar ou aliciar trabalhadores para outra localidade do território nacional e não poderá utilizar “empreiteiros” e “gatos” no recrutamento de funcionários. A utilização de mão de obra terceirizada para a prestação de serviços ou qualquer outra função relacionada à atividade-fim da empresa também está proibida.

Segundo o procurador responsável pelo caso, Ítalo Ígo Ferreira Rodrigues, se houver descumprimento total ou parcial das 47 cláusulas do TAC, a empresa pagará multa de R$ 8 mil por item desobedecido, acrescido de R$ 2 mil por trabalhador prejudicado pela infração.

Segundo o procurador, o dinheiro será destinado à Superintendência da Polícia Rodoviária Federal no Maranhão para aquisição de veículos (caminhões guincho plataforma).

Nesta quinta-feira (25) acontecerá uma audiência com os outros envolvidos no caso (empresas Acapu e Comprecol e empreiteiro Valber Costa), na Procuradoria do Trabalho em Bacabal.
FONTE: G1 MA

Artistas maranhenses participam de espetáculo em prol da luta contra o câncer


Dia 31 de julho, a partir das 20:00h, no palco do Teatro Arthur Azevedo, a Fundação Antonio Jorge Dino, beneficiária no Maranhão da campanha McDia Feliz, coordenada nacionalmente pelo Instituto Ronald Mc Donald, prepara uma grande festa para o público da capital com a realização do V Talentos Maranhenses.

Na ocasião estarão presentes artistas do cenário local, como o elenco da peça “Pão com Ovo”, sucesso teatral e recordista de público, composto pelos atores César Boaes, Adeilson Santos e Charles Jr., contando ainda com as apresentações de Roberto Brandão, Teresa Canto, Gabriel Melônio, Fernando de Carvalho, Djalma Chaves, Roberto Rafa, Luís Júnior, Grupo Lamparina, entre outras personalidades do cenário musical local, que marcarão presença nesse show de solidariedade em São Luís.

Os artistas todo ano dão sua contribuição para angariar verba para a Casa de Apoio Criança Feliz e para o evento McDia Feliz, que é uma campanha de mobilização nacional pela causa do câncer infantojuvenil, e que para 2014 tem como objetivo a construção de uma nova Casa de Apoio. 

Os ingressos poderão se adquiridos na data do evento, na bilheteria do teatro ou na Fundação Antonio Jorge Dino, no Monte Castelo, no valor de R$15,00. O espetáculo, com duração de 90 minutos, tem censura livre e conta com a participação do público maranhense para integrar essa corrente do bem, pois o McDia Feliz é mais do que uma campanha de arrecadação, é uma causa nobre em nome dos que precisam. 

Casas de apoio
São lares que abrigam pacientes carentes, provenientes do interior do estado em tratamento de câncer. Localizadas nas imediações do Instituto de Oncologia Maranhense Aldenora Bello (IMOAB) e da Fundação Antonio Jorge Dino (FAJD), o que facilita o atendimento e a continuidade do tratamento. Além da acolhida eles também recebem alimentação, transporte, medicamentos, roupas, brinquedos, cestas básicas e toda uma ajuda psicológica, pedagógica, espiritual e várias atividades desempenhadas por profissionais e voluntários incansáveis. A Casa não dispõe de recursos públicos, é sustentada pela comunidade através de doações, projetos e campanhas. O V Show Talentos Maranhenses é um projeto sem ônus para a Instituição e toda a renda arrecadada na venda de ingresso se destinará para a construção da nova Casa de Apoio.

Serviço
O QUÊ: V SHOW DE TALENTOS MARANHENSES 
QUANDO: Dia 31 no Teatro Arthur Azevedo / HORA: 20:00h
INGRESSO: R$15,00, na bilheteria do teatro no dia do show ou na Fundação Antonio Jorge Dino / CONTATOS: Arícia Dino: 8134 - 3434/ Janice Lima Milú: 8472-6028.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Explicando a fibromialgia para os outros

Você já tentou explicar a sua doença para amigos e familiares? Qual foi a sua explicação? Alguma explicação funcionou para você?

Você entende o que causa a sua fibromialgia e pode facilmente explicar isso para os outros? De acordo com um estudo realizado por Robert Ferrari, essas duas questões são a fonte de frustração da maioria das pessoas diagnosticadas com a doença. 

Segundo o pesquisador, os pacientes com fibromialgia têm sido descritos como tendo uma dor “sem explicação médica”, fato que é motivo de preocupação para os pacientes, por ser ofensivo. Como não ficar nervoso quando sua condição é classificada como "medicamente inexplicável"?. Isso implica que a sua doença não é bem definida, apesar de contarmos com diversos medicamentos aprovados para o tratamento da fibromialgia e mais de 20 anos de pesquisa sobre esta condição.

Os pacientes com fibromialgia têm relatado exatamente este sentimento: enquanto o diagnóstico pode conferir alguma legitimidade à sua condição, o mesmo não melhora a sua compreensão sobre a própria doença, nem os ajuda a explicá-la para os outros. Com base nessa percepção, Ferrari comparou um grupo de 104 pacientes com fibromialgia a um grupo de 272 pacientes com outras condições de dor crônica, abrangendo artrite reumatoide, osteoartrite, bursite, tendinite e dor nas costas.

O pesquisador descobriu que pessoas com fibromialgia são quatro vezes mais propensas a ter problemas para compreender e explicar a sua dor para os outros do que as pessoas diagnosticadas com outras dores crônicas. Como o diagnóstico de fibromialgia tem sido controverso e pode levar muito tempo, os pacientes são estigmatizados por apresentarem um vasto leque de sintomas.

Segundo o estudo, os pacientes com artrite reumatoide precisam apenas das palavras “autoimune” e “inflamação” para invocar uma explicação. E apesar da complexidade desses termos, pacientes com artrite reumatoide se sentem confiantes para explicar sua dor aos outros. O pesquisador descobriu que pacientes com bursite, tendinite e dor nas costas, muitas vezes, alegam para os outros que sua dor é “uma forma de artrite”. Embora essa crença seja incorreta, ela torna a vida social mais fácil.

Não é a precisão e a explicação adequada que importam para o senso de compreensão sobre uma doença. Mas como as pessoas com fibromialgia têm muitos sintomas e muita informação sobre as suas causas prováveis de sua doença, isto torna mais difícil explicar a doença em poucas palavras, como “artrite” e “inflamação”, que as pessoas tendem a entender automaticamente como dor grave.

As tentativas de explicar a fibromialgia em termos de tudo o que está acontecendo de errado no sistema nervoso e nos músculos pode ser esmagadora. Afinal, os cientistas ainda estão tentando detalhar o que causa a fibromialgia e seus sintomas. Mesmo que a descrição da fibromialgia, em termos de resultados de pesquisas atuais, seja mais exata, ela também pode ser um fardo adicional que o paciente não precisa. Talvez se o paciente dissesse apenas que tem artrite generalizada (mesmo sabendo que este não é o caso), a vida seria mais fácil.

“O conhecimento sobre a doença é fundamental para ajudar o paciente a se adaptar e a entender por que certos tratamentos podem reduzir os sintomas da fibromialgia. Mas quando se trata de explicar isto para os outros, menos informação pode tornar mais fácil o entendimento para a maioria das pessoas”, explica o reumatologista Sergio Bontempi Lanzotti, diretor do Iredo, Instituto de Reumatologia e Doenças Osteoarticulares, (CRM-SP 60.377).

Afinal, o que exatamente é a fibromialgia?

A fibromialgia é classificada como uma síndrome porque se caracteriza por um conjunto de sintomas. “O que está presente em todos os quadros é a dor difusa pelo corpo inteiro, presente na maior parte do dia”, diz Sergio Lanzotti. 

Em geral, a dor vem acompanhada de algumas outras manifestações como formigamento, irritabilidade, enxaqueca, cólon irritável, pernas inquietas e distúrbios do sono. “Os pacientes que apresentam fibromialgia geralmente dormem mal, têm sono leve, entrecortado, não reparador. Ao despertar, a pessoa fica com a sensação que não descansou”, explica o especialista em Reumatologia.

A fibromialgia é uma doença ou uma síndrome?

A doença é uma condição médica com causas definidas e um conjunto claro de sintomas. A fibromialgia é classificada como uma síndrome, o que significa que se trata de um conjunto de sinais, sintomas e problemas médicos. 

“Há tantos sintomas relacionados com a fibromialgia, e eles variam muito de pessoa para pessoa, que é difícil listar um conjunto claro de sintomas”, diz o diretor do Iredo.

Por que é difícil explicar o que é a fibromialgia?

“Como a fibromialgia apresenta tantos sintomas simultâneos, não há uma resposta única e correta para dar aos outros ou a si mesmo. Pode ser frustrante, mas até que os pesquisadores tenham respostas definitivas para o tema, estamos sempre tentando formular a explicação mais fácil para que os pacientes expliquem a seus familiares e amigos o que acontece em seu organismo”, afirma o reumatologista.

CONTATO:
Site: http://www.iredo.com.br/site/
E-mail: cont...@iredo.com.br
Blog: http://blogdoreumato.zip.net/
Facebook: https://www.facebook.com/sergiolanzotti

MORRE CANDEEIRO, ÚLTIMO CANGACEIRO DE LAMPIÃO



Morreu nesta quarta-feira o último cangaceiro do bando de Lampião, Manoel Dantas Loiola, de 97 anos, mais conhecido como Candeeiro. Ele faleceu na madrugada de hoje no Hospital Memorial de Arcoverde onde estava internado desde a semana passada, após sofrer um derrame. O sepultamento está marcado para as 16h, no cemitério da cidade de Buíque.

Pernambucano de Buíque (a 258 quilômetros do Recife), Manoel ingressou no bando de Lampião em 1937, mas afirmava que foi por acidente. Trabalhava em uma fazenda em Alagoas quando um grupo de homens ligados ao famoso bandido chegou ao local. Pouco tempo depois, a propriedade ficou cercada por uma volante e ele preferiu seguir com os bandidos para não ser morto.

No final da vida, atuava como comerciante aposentado na vila São Domingos, distrito de sua cidade natal. Atendia pelo nome de batismo, Manoel Dantas Loyola, ou por outro apelido: seu Né. No primeiro combate com os “macacos”, quando era chamado de Candeeiro, foi ferido na coxa. O buraco de bala foi fechado com farinha peneirada e pimenta.

Teve o primeiro encontro com o chefe na beira do Rio São Francisco, no lado sergipano. “Lampião não gostava de estar no meio dos cangaceiros, ficava isolado. E ele já sabia que estava baleado. Quando soube que eu era de Buíque, comentou, em entrevista concedida ao Diario: ‘sua cidade me deu um homem valente, Jararaca’”.

Candeeiro dizia que, nos quase dois anos que ficou no bando, tinha a função de entregar as cartas escritas por Lampião exigindo dinheiro de grandes fazendeiros e comerciantes. Sempre retornava com o pedido atendido. Ele destacou que teve acesso direto ao chefe, chegando a despertar ciúme de Maria Bonita. Em Angicos, comentou que o local não era seguro. Lampião, segundo ele, reuniria os grupos para comunicar que deixaria o cangaço. Estava cansado e preocupado com o fato de que as volantes se deslocavam mais rápido, por causa das estradas, e tinham armamento pesado.

No dia do ataque, já estava acordado e se preparava para urinar quando começou o tiroteio. “Desci atirando, foi bala como o diabo”. Mesmo ferido no braço direito, conseguiu escapar do cerco. Dias depois, com a promessa de ser não ser morto, entregou-se em Jeremoabo, na Bahia, com o braço na tipóia. Com ele, mais 16 cangaceiros. Cumprindo dois anos na prisão, o Candeeiro dava novamente lugar ao cidadão Manoel Dantas Loyola. Sobre a época do cangaço, costumava dizer que foi “história de sofrimento”.

Fonte: Diário de Pernambuco

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Uma jornada para o Brasil - artigo de Flávio Dino






Flávio Dino e Dom Orani Tempesta, na parceria feita entre Embratur e Igreja Católica no ano passado
Esta semana estarei no Rio de Janeiro para acompanhar de perto um capítulo essencial para o ciclo virtuoso que o turismo brasileiro está vivendo. A visita do Papa Francisco ao nosso país, durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), integra com destaque a rota de megaeventos realizados no país – que teve início durante a Conferencia da ONU Rio+20 em junho do ano passado e culminará com os Jogos Olímpicos e ParaOlímpicos de 2016.

Nosso país vai recepcionar uma quantidade enorme de turistas, contribuindo para que superemos a meta estipulada para este ano de 6 milhões de estrangeiros. Parte deles já está no Brasil desde a semana passada, conhecendo as belezas de nosso país e a cultura do nosso povo, antes de rumar ao Rio de Janeiro, onde ocorre a JMJ.

Nos 5 dias de evento, os turistas nacionais e estrangeiros irão gerar mais de R$ 658 milhões de impactos econômicos diretos. Com os efeitos indiretos na economia brasileira, haverá um impacto total de R$ 1,2 bilhão, muito superior aos investimentos públicos e privados realizados para sediar o evento.

Mas o principal ponto positivo é que parte significativa desse dinheiro vai direto para o bolso do microempreendedor do turismo, de comerciantes e de vendedores ambulantes, que fazem parte da extensa cadeia produtiva do setor. Repete-se, assim, o sucesso obtido na Copa das Confederações, quando o turismo movimentou mais de R$ 740 milhões na economia do país.

Muito além desse significativo impacto imediato, há um efeito positivo de longo prazo, que é o mais importante. A imagem de nosso país será projetada para centenas de milhões de pessoas no mundo todo. Mais de 5 mil jornalistas estão credenciados para cobrir a Jornada Mundial da Juventude – um recorde em relação às outras edições do evento.

As imagens do Cristo Redentor, no Rio, e da Basílica de Aparecida, no estado de São Paulo, serão reproduzidas para pessoas em todo o mundo. As milhares de reportagens sobre o Brasil, que serão reproduzidas em todo o planeta, representam um ganho espetacular, que apenas seria possível ultrapassar se fizéssemos um investimento massivo em publicidade no mundo inteiro, com custos incalculáveis e inviáveis.

Ha que se considerar, ainda, que os jovens participantes de hoje serão pais e mães de família amanhã, e terão o Brasil como uma referencia para novas viagens de lazer ou para participarem de outros eventos.

Da parte da Embratur, colaboraremos com essa megaexposição instalando um telão na Plaza del Vaticano em Buenos Aires. A cidade do Papa Francisco poderá assistir à JMJ ao ar livre, com vídeos retratando nossos principais destinos turísticos e com espetáculos de vários artistas brasileiros, como o maranhense Zeca Baleiro. Além disso, a Embratur patrocina a Central Digital do Cristo Redentor, com imagens e informações sobre todos os estados brasileiros, de modo a que os milhares de visitantes possam desenvolver interesse por novas viagens pelo Brasil.

Esses impactos, obviamente, não são importantes apenas para o Rio de Janeiro, que sedia o evento. O Rio é o principal cartão-postal do Brasil no exterior. Quanto maior sua exposição no mundo, mais turistas podemos trazer para o país. E quanto mais turistas, mais empregos e oportunidades de negócios para milhões de brasileiros.

Flávio Dino, 45 anos, é presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), foi deputado federal e juiz federal

OI Futuro lança edital para apoio a projetos esportivos de organizações da sociedade civil


Oi_futuro_logo_ltp_c_jpg
Oi Futuro, programa de responsabilidade social da empresa de telecomunicações Oi, lançou novo edital para apoio a projetos esportivos dentro do previsto na Lei Federal de Incentivo ao Esporte. O apoio será de até 400 mil reais.
O foco deste edital são projetos que promovam a inclusão social por meio do esporte, com a premissa de que o acesso ao desporto e ao paradesporto é um direito e bem cultural. Os projetos devem atender, prioritariamente, a populações em situações de vulnerabilidade, com foco em jovens, adolescentes e crianças, sendo capazes de mobilizar e integrar comunidades e segmentos sociais, e deverão ser iniciados em 2014 e ter duração de até 12 meses.
Podem participar do Edital do Oi Futuro organizações de natureza esportiva, sem finalidade econômica, que estejam regularmente constituídas e legalizadas há pelo menos um ano e que tenham projetos esportivos e paradesportivos já cadastrados no Ministério dos Esportes nos termos da Lei Federalde Incentivo ao Esporte.
Podem enviar projetos organizações de todo o país, e o prazo limite para o envio é dia 30 de agosto, às 17 horas, no horário de Brasília. Para ler o edital e demais informações, clique aqui.
via ABCR