Pular para o conteúdo principal

FÁVIO DINO :Dois anos na Embratur


Ex-juiz federal e ex-deputado federal, Flávio Dino é o líder da oposição ao clã Sarney no Maranhão. Atual presidente da Embratur, convidado pela presidenta Dilma Rousseff, ele faz política no fio da navalha, pois o ex-presidente Sarney também faz parte da base de apoio ao governo federal.

Em 2010, surpreendeu na eleição estadual e chegou em segundo lugar. O Maranhão ficou sem segundo turno por apenas 0,09% dos votos válidos.

Em 2012, outra surpresa. Pela primeira vez, a oposição estadualizou a campanha e agora os três principais partidos que apoiam Flávio estão fincados nos 217 municípios do estado.

Aqui, o leitor acompanha as opiniões de Flávio em publicação, quase, simultânea com o Jornal Pequeno. Boa Leitura.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Dois anos na Embratur


Nosso Maranhão se acende em fogueiras, cores e sons comemorando os dias de São Pedro e São Marçal, que marcam a fase final dos festejos juninos, com as características tão peculiares deste mês em nosso estado. Para mim, a festa de São Pedro, neste sábado, teve um sabor especial. Completei dois anos à frente da Embratur, prestando serviços à Nação na função de promover o turismo brasileiro.

A Embratur é uma instituição de 47 anos que tem uma competência reconhecida dentro e fora do Brasil pela promoção turística que faz do país. Por isso, quando assumi a presidência da autarquia, tive a preocupação de valorizar essa experiência acumulada. Assim, mantive as diretrizes do Plano Aquarela e promovi servidores do quadro efetivo a postos de comando, a exemplo da chefia de gabinete e da diretoria de mercados internacionais.

Por outro lado, também fiz questão de mudar coisas que considerava que tinham de melhorar. Renovei os quadros técnicos da Embratur, com a nomeação de dezenas de concursados, que trazem novos olhares e desafios. E modifiquei ações promocionais, como a nossa participação em feiras internacionais. A Embratur sempre teve como uma das suas principais atividades a participação em feiras de turismo, articulando estados, municípios e empresários do setor, interessados em apresentar seus produtos e destinos. Mantivemos uma grande participação nas principais feiras do mundo, mas consideramos que essa ação era insuficiente para um país que está sediando os principais megaeventos do mundo.

Por isso, em 2012, criei o Goal to Brasil, um evento específico, feito pela Embratur, durante o qual empresários, jornalistas e formadores de opinião passam um dia imersos em informações sobre o Brasil. Levamos representantes das unidades da federação, colocados frente a frente com os operadores de turismo dos principais mercados emissores para o Brasil. Conseguimos, assim, mostrar todos os detalhes dos destinos turísticos brasileiros, sem disputar atenção com países concorrentes. Foram 14 edições do Goal to Brasil, fazendo 3.080 agentes de viagens e operadores de turismo se tornarem “Especialistas em Brasil” e mais de 350 jornalistas conhecerem os preparativos do Brasil para os grandes eventos esportivos.

Esse tipo de ação é importante para que o turista que venha ao Brasil tenha o máximo de informações para conhecer o maior número possível de cidades. Assim, todos os cidadãos brasileiros poderão obter ganhos com o turismo advindo dos megaeventos. Nada mais justo, sabendo-se que todos os contribuintes estão pagando os investimentos que vão permitir a realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos de 2016.

Outra linha de trabalho que priorizamos nesses dois anos foi a referente à competitividade. O turista que vem ao Brasil tem de encontrar bons serviços a preços justos. Por isso, como presidente da Embratur, tenho o dever de agir nos casos de abusos que alguns empresários possam cometer. Durante a Conferência da ONU Rio+20, no ano passado, fui designado pela presidenta Dilma para cumprir esse papel. Na negociação com o setor hoteleiro e com a operadora do evento, conseguimos uma redução média de 20% nos preços das diárias para os participantes. Agora, estamos trabalhando para que na Copa do Mundo todos os empreendedores da vasta cadeia produtiva do turismo não cedam ao impulso de aumentar preços sem razoabilidade.

O resultado desse trabalho sério de toda a equipe da Embratur tem se revelado a cada final de ano: sucessivos recordes na entrada de turistas e no ingresso de dinheiro na nossa economia por conta do turismo. A boa notícia é que os recordes de 2011 e 2012 serão superados em 2013, que – apesar das adversidades internas e externas – será o melhor ano da história do nosso turismo.

Com justa razão, o povo na rua clama por serviços públicos decentes, compatíveis com a sexta maior economia do mundo. O crescimento da economia do turismo ajuda na concretização desse novo ciclo do projeto nacional de desenvolvimento. Por tudo isso, agradeço a Deus a oportunidade de atuar como gestor do turismo brasileiro, nesses dois anos tão desafiadores e repletos de boas realizações.
FONTE:Direto da Al

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÔNICA DO DIA: O mundo é dos espertos!

  No movimento constante de pessoas que chegam e partem do terminal rodoviário da minha cidade natal, vindas de diferentes lugares ou rumando para destinos diversos, encontramos os agentes das empresas de ônibus. Seu trabalho consiste em atrair passageiros para suas respectivas companhias, enquanto fazem comparações entre a eficiência de sua empresa e a suposta lentidão das concorrentes, chegando até mesmo a comparar seus ônibus a aeronaves. O frenesi é palpável quando um passageiro desembarca de seu veículo de origem, seja ele um motociclista, um taxista ou o condutor de um veículo de pequeno porte. Conhecendo essa dinâmica, decidi testar os vendedores de passagens em u ma ocasião em que cheguei à rodoviária e fui abordado por um deles. _ Bom dia meu patrão! – Disse solícito um dos jovens, vestido numa farda surrada da empresa. Estava, como sempre, acompanhado de outros vendedores de outras empresas é claro. Vivi ali o ritual do voo dos urubus sobre a carniça     do lucro. Para

CRÔNICA DO DIA : Anseios de um catador de latinhas

  Nas ruas fervilhantes de Salvador, segundo a sabedoria popular; atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu.   Tão invisível quanto quem já morreu, atrás do Trio elétrico segue Fernando com seu corpo naturalmente malhado, cabelos encaracolados e olhar curioso, o catador de latinhas, busca em meio a multidão fragmentos de uma vida melhor. Enquanto os foliões pulam ao som do axé, ele caminha com seu carrinho, recolhendo latinhas e observando a festa com olhos críticos. Fernando sempre foi um observador atento do Carnaval. Para ele, a festa representa muito mais do que música e dança. É um retrato da sociedade, onde a alegria e o consumo contrastam com a realidade de muitos. A ideia que passa é que na Bahia não há tristeza. Ledo engano. A alegria fantasiosa do carnaval não passa de uma máscara social. Enquanto separa as latinhas, Fernando reflete sobre a origem do trio elétrico, criado por Dodô e Osmar nos anos 50. Ele sabe que por trás da festa há uma complexa cadeia produtiv

CRÔNICA DO DIA - URQUIZA: O Mestre do Origami

No coração da Terra da Bacaba, entre o caos dos carros e o burburinho das pessoas, vive Urquiza, um artesão cujas mãos habilidosas transformam simples folhas de papel em obras de arte impressionantes. Parece que há mágica nas mãos de Urquiza. Esse magnetismo oculto em suas mãos o   tornou conhecido como   Mestre do Origami, Urquiza não apenas dobra e molda o papel, mas também conta histórias através de suas criações. Toda manhã, Urquiza inicia uma verdadeira via sacra visitando pequenas lojas locais em busca do papel perfeito. Cada loja é uma estação que lembra o sofrimento do Cristo no caminho para o calvário. Fazer cultura na Terra da Bacaba é um martírio social. Em sua busca pela matéria prima, ele procura   texturas únicas e cores vibrantes, pois cada papel conta uma história diferente. De volta ao seu modesto estúdio, mergulha em seu mundo de dobras e vincos, transformando o papel em belas formas que ganham vida sob suas mãos habilidosas. Cada peça de Urquiza tem uma história

CRÔNICA DO DIA: Primeiro dia de aula em Alto Alegre

  No pequeno e próspero  município de Alto Alegre do Maranhão, a chegada do novo ano letivo é sempre aguardada com expectativa. O primeiro dia de aula, em especial, é como a abertura de um grande espetáculo, onde cada personagem tem seu papel definido. Os professores, ansiosos e dedicados, prepararam suas salas de aula com carinho e atenção aos mínimos detalhes. No entanto, nem todos agem assim, há aqueles que já chegam na escola catando os feriados no calendário, ou até mesmo numa total falta de empatia com os colegas, mau bate o horário, já querem saber que faltou para subir os horários para irem embora mais cedo. Vale lembrar que cartazes coloridos, murais com boas-vindas e material didático impecavelmente organizado demonstravam o zelo da equipe pedagógica em receber os alunos. Por outro lado, os alunos, em sua maioria, parecem alheios à agitação que toma conta da cidade. Para muitos deles, o retorno às aulas representava não apenas o reencontro com os amigos, mas também o re

CRÔNICA DE DOMINGO: Grisalhas

  No universo dos fios que voam ao sabor do tempo, as grisalhas erguem suas cabeças adornadas por uma cor que é, ao mesmo tempo, a marca da passagem dos anos e o testemunho da resiliência diante das tempestades da vida. Não são apenas fios prateados, são reluzentes crônicas entrelaçadas por experiências, conquistas e aprendizados. Os cabelos sempre foram elemento para identidade feminina. Desde da idade das pedras, as mulheres procuram impressionar os machos com seus cabelos. Quanto mais em desalinho, melhor. A falta de estética era tanto que às vezes se perguntavam para que serviam esses pelos. Na era da pandemia, um fenômeno silencioso e poderoso começou a ganhar destaque: a escolha de muitas mulheres de deixarem seus cabelos desabrocharem em nuances prateadas. Não se tratava apenas de uma questão estética, mas sim de um movimento intrínseco de aceitação, empoderamento e resistência. De repente, atrizes famosas começaram a aparecer em lives com os cabelos grisalhos ,sem as   ma

CRÔNICA DO DIA: O Museu das Lembranças Esquecidas

  No coração de uma cidade anônima, entre becos ocultos e vielas esquecidas, erguia-se um edifício peculiar que escapa à atenção do olhar desatento. Não havia grandes placas indicativas nem sinalizações vibrantes; apenas um portão modesto, quase imperceptível, guardava a entrada para um lugar extraordinário: o Museu das Lembranças Esquecidas. Pensei em encontrar ali lembranças do meu passado apagadas pelo tempo. Quando me veio a ideia de escrever esta crônica, pensei no poeta Cazuza e seu museu de grades novidades.   Em sua clássica letra ele afirmava ver “ o futuro repetir o passado”, o tempo deixa marcas que só ele mesmo nos faz esquecer. Ao cruzar o limiar desse museu singular, os visitantes não eram recepcionados por obras de arte ou artefatos históricos, mas sim por uma atmosfera de silêncio e contemplação. O prédio parecia nos penetrar com seus olhos, cheirar nossa alma, ouvir nossos   batimentos cardíacos, sentir o gosto dos nossos medos, e deixar em nós as marcas de suas di

CRÔNICA DO DIA: Letras que dançam

  Era uma tarde quente em Bacabal do Maranhão, os termômetros marcavam quase quarenta graus na Escola Paulo Freire, onde a professora Ana, uma verdadeira entusiasta da educação inclusiva, mergulhava nas águas desafiadoras da alfabetização de adultos e idosos. Sua sala de aula era um microcosmo de histórias não contadas, de vidas que buscavam desesperadamente o domínio das letras. Naquele dia Professora Ana , escolhera trabalhar em círculo com a Turma, formada por doze alunos, a maioria idosos. No centro da sala, estava Mestre Chico, um respeitável homem negro de 70 anos, depois que começou a estudar, descobrira que tinha o pé na senzala, era neto de escravo vindos da África, tinha linhagem Imperial. Conhecido por ser um vibrante cantador de bumba-meu-boi, no sotaque de zabumba seu Chico brilhava no mês de junho nos terreiros das brincadeiras de São João. No entanto, entre as rimas e batuques, jazia a lacuna de não saber ler ou escrever. A sala de aula estava impregnada com a ansied

CRÔNICA DO DIA - RACISMO: a insistência da ignorância

  No estacionamento movimentado de um supermercado famoso na Terra da Bacaba, onde as cores e os sons dos atabaques africanos da cidade se misturam, um episódio revelador de nossa realidade se desenrola, como um retrato em negativo de nossa sociedade. Uma professora universitária, negra, chamada Núbia Reis, aguarda pacientemente ao lado de seu carro. Seus pensamentos, talvez mergulhados em questões acadêmicas, são interrompidos por uma voz estridente. Uma mulher branca, de aparência distinta, se aproxima. Tem todos os traços físicos de uma cigana, talvez com “olhar obliquo e dissimulado”, imortalizada na obra de Machado de Assis. Seus gestos carregam a certeza de quem nunca foi questionado. Ela insiste que a professora cobre panelas, que poderia cobrar no cartão de crédito. A professora, educada e firme, explica que não poderia comprar no momento, apenas aguardava sair no seu   carro. A mulher branca não aceita a resposta. Sua insistência se transforma em agressão verbal. Ela chama

CRÔNICA DO DIA - Jumento: o herói anônimo

Na vastidão da zona rural de algum recanto do Maranhão, onde o tempo parece escorrer em compasso lento, há um personagem que atravessa os caminhos poeirentos carregando o peso da história e da indiferença humana. Já sabes de quem falo? Ainda não? Tudo bem! Ele é o jumento, um herói anônimo relegado ao esquecimento pelos caprichos da modernidade e pela crueldade dos homens. Com seu passo balançante e carregando consigo a carga pesada de cocos babaçu, acondicionados em cestos de jacá, ele é expulso pelo seu suposto dono, como se sua presença fosse apenas um incômodo a ser descartado. Outros jumentos seguem, cada um com sua carga peculiar, seja ela palhas de coco ou outros afazeres agrícolas, transportados em cambitos improvisados. São cenas corriqueiras, mas profundamente simbólicas, de um animal que foi cantado por Luiz Gonzaga como "nosso irmão". Agora já sabes quem é nosso herói do sertão. Desde tempos imemoriais, o jumento tem sido companheiro humano, suportando n

CRÔNICA DO DIA: Versos de Redenção

No crepúsculo de sua carreira, o poeta aposentado escolheu um caminho de doação. Não optou pelo descanso merecido, mas sim pelo serviço voluntário em uma penitenciária. Corajoso, enfrenta os desafios do sistema prisional para compartilhar palavras de esperança e fé. Dentro do presídio? Sim! É corajoso, já pensou em uma rebelião acontecendo. Ele retruca dizendo: - Não estamos por causa do que fizeram, não queremos saber o que fizeram. Estamos celebrando não para eles e sim com eles. Duas vezes por semana, ele se torna a voz da fé dentro dos muros, colaborando na celebração da Missa e na catequese. Ao ser questionado sobre os riscos, ele responde com serenidade, recusando-se a enxergar os detentos como criminosos, mas sim como filhos amados de Deus em busca de perdão humano. Certo dia, o sol já se punha no horizonte quando o poeta, com sua bíblia desgastada sob o braço, aproximou-se de um detento chamado Miro. Tinha a tatuagem de um palhaço no peito direito. As grades separavam os dois,