Pesquisadores identificam problema que desencadeia câncer de pele agressivo

A descoberta pode ser usada para a criação de um teste que sirva de diagnóstico da doença, feito hoje por análise física

Senadores maranhenses são assediados por Lula para garantir votos

Ele tenta garantir o voto da bancada do Maranhão, que ainda não se decidiu.

Diário do Mearim Cidadania

Diário do Mearim Cidadania

domingo, 20 de novembro de 2016

Crônica:O que comem, onde vivem e como se acasalam os que querem um golpe militar? Leonardo Sakamoto


Uma coisa é o pensamento conservador, que merece ser respeitado e, na minha opinião, questionado – quando for o caso – nas arenas públicas e privadas de discussões.
A outra é gente que acha que a Constituição é papel higiênico e as instituições democráticas – que levamos décadas para reconstruir – são um grande vaso sanitário.
Nesta semana, a ocupação da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados pelo pessoal que acha que a democracia é a titica do cavalo do bandido e vê comunismo na tigela dos Sucrilhos do café da manhã libertou uma quantidade surpreendente de seres mágicos pela internet.
Por exemplo, trolls que pensei estarem adormecidos desde que o tilintar de panelas cessou, orgulhoso de si mesmo, apesar da corrupção seguir galopante.
Seres que defendem uma ''intervenção militar constitucional'' (haha), o bloqueio da conversão do país em uma ''ditadura gayzista'' (hahahaha) e uma ação para evitar a iminente ''implantação do comunismo'' (#morri).
Pessoas que dizem que o mal precisa ser extirpado. E quem é o mal? Daí reside o problema.
Ouvimos cada vez mais que há pessoas ou grupos que representam o mal, cuja natureza é contra os costumes e as tradições dos ''homens e mulheres de bem'', e precisam ser extirpados. Eu mesmo já ouvi isso mais de uma vez: ''você é um câncer que precisa ser extirpado''.
Na superfície dessa afirmação, há ódio. Mas se escavarmos um pouco, chegaremos ao medo e, em seguida, à ignorância sobre o outro. Pincelado por horas de aulas de História cabuladas para ir empinar pipa ou fazer footing no shopping.
Tito de Alencar Lima, o Frei Tito, foi encontrado enforcado no dia 10 de agosto de 1974, durante seu exílio na França, como consequência da tortura que sofreu pelas mãos dos agentes da última ditadura brasileira. Aquela incensada pelo pessoal acima citado. Trouxe a história dele aqui por ocasião do aniversário de sua morte e gostaria de retomar parte de seu testemunho.
Em 1969, ele foi um dos dominicanos presos pelo torturador Sérgio Paranhos Fleury, delegado do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), acusados de apoiar as ações da resistência contra o regime. O calvário de Tito, da prisão ao suicídio, tornou-se um dos símbolos da luta pela liberdade.
Trago trechos do testemunho de Tito à Justiça Militar, em 1969, em que conta como foram as sessões de tortura. O depoimento faz parte de ação movida pelo Ministério Público Federal contra os torturadores. Isso é a consequência da ''intervenção militar'' que esse povo tanto pede:
''Na quarta feira, fui acordado às 8 horas, subi para a sala de interrogatórios, onde a equipe do capitão Homero me esperava.
Repetiram as mesmas perguntas do dia anterior. A cada resposta negativa, ou recebia cuteladas na cabeça, nos braços e no peito.
Neste ritmo prosseguiram até o início da noite, quando me serviram a primeira refeição naquelas 48 horas. (…)
Na quinta- feira, três policiais acordaram-me à mesma hora do dia anterior. De estômago vazio, fui para a sala de interrogatórios. Um capitão, cercado por uma equipe, voltou às mesmas perguntas.
Vai ter que falar, senão, só sai morto daqui”, gritou. Logo depois vi que isto não era apenas uma ameaça: era quase uma certeza.
Sentaram-me na “cadeira de dragão” (com chapas metálicas e fios), descarregaram choques nas mãos e na orelha esquerda. A cada descarga, eu estremecia todo, como se o organismo fosse decompor.
Da sessão de choques, passaram-me ao pau-de-arara. Mais choques, pauladas no peito e nas pernas cada vez que elas se curvavam para aliviar a dor.
Uma hora depois, com o corpo todo sangrando e todo ferido, desmaiei. Fui desamarrado e reanimado. Conduziram-me à outra sala, dizendo que passariam a carga elétrica para 230 volts a fim de que eu falasse “antes de morrer”. Não chegaram a fazê-lo.
Voltaram às perguntas, batiam em minhas mãos com palmatórias. As mãos ficaram roxas e inchadas, a ponto de não ser possível fechá-las. Novas pauladas. Era impossível saber qual parte do corpo doía mais: tudo parecia massacrado.
Mesmo que quisesse, não poderia responder às perguntas: o raciocínio não se ordenava mais. Restava apenas o desejo de perder novamente os sentidos.'' 

Por aqui, lidamos com o passado como se ele tivesse automaticamente feito as pazes com o presente. Não, não fez. E o impacto de não resolvermos o nosso passado se faz sentir no dia a dia das periferias das grandes cidades, em manifestações, nos grotões da zona rural, com o Estado aterrorizando, reprimindo e torturando parte da população (normalmente mais pobre) com a anuência da outra parte (quase sempre mais rica).
Tito é torturado e morto novamente e novamente, todos os dias, no Brasil, sob outros nomes, crenças, gênero ou cor de pele. Normalmente, jovens, negros e pobres.
Diante da atual tentativa de excluir o espírito crítico dos bancos escolares, através de ações reacionárias como o ''Escola Sem Partido'', desejo que a história daquele período continue a ser contada nas escolas até entrarem nos ossos e vísceras de nossas crianças e adolescentes a fim de que nunca esqueçam que a liberdade do qual desfrutam não foi de mão beijada. Mas custou o sangue, a carne e a saudade de muita gente.
Se ficarmos apenas assistindo boquiabertos aos retrocessos sociais, ambientais, econômicos, políticos e civis, o que é um pesadelo do passado voltará a ser nosso cotidiano. Liderado por falsos ''salvadores da pátria'', eleitos no braços de quem está cansado de tudo o que está aí Inclusive da liberdade para procurar soluções de forma coletiva aos problemas da sociedade.
Só dessa forma, os poucos milhares que hoje clamam por um golpe militar ou pela volta da ditadura continuarão a ser vistos pelo restante da sociedade como mal informados, ignorantes ou insanos.
Acho importante esse pessoal mostrar sua cara e dizem quem é. Eu já estava cansado de ser xingado por anônimos na internet ou perfis do Twitter com foto de ovo. Vocês não tinham curiosidade de saber quem eles são? O que comem? Onde vivem? Como se acasalam?
Temos a responsabilidade de, uma vez identificados, despejarmos todo o carinho e paciência possíveis. Pois, talvez um dia, compreendam o que significa a liberdade que está diante de seus olhos, mas que não conseguem enxergar.

sábado, 12 de novembro de 2016

Compositora de Pedreiras consegue que justiça proíba banda de executar música “Ponto de Partida”

Sentença assinada pelo juiz Marco Adriano Ramos Fonsêca, titular da comarca de Pedreiras, proíbe a Banda Asas Livres – Jailton Santos Barbosa – ME e a Gravadora Pato Discos Ltda – Pato Discos Gravadora e Editora Ltda – ME de executar, divulgar, transmitir ou retransmitir em seu repertório a música “Ponto de Partida”, composição de autoria de Dilza de Sousa Siqueira e regravada pela banda sem autorização da autora. A suspensão da execução, divulgação, transmissão ou retransmissão da composição deve ser imediata, ficando a gravadora proibida de reproduzir a música em CD’s, DVD’s e outros formatos de mídias.


Imagem divulgação

As empresas requeridas devem se abster de distribuir novos exemplares de CD’s ou DVD’s ou outros formatos de mídias contendo a música, e devem providenciar a destruição dos exemplares não distribuídos. A título de danos morais, banda e gravadora (cada uma) devem indenizar a autora da composição em R$ 25 mil (vinte e cinco mil reais), além de publicar, em destaque, por três vezes consecutivas, em jornal de grande circulação do domicílio da autora, nota informando a autoria da música e reprodução da mesma em seu repertório sem a autorização da autora. A multa diária para o atraso ou descumprimento das determinações é de R$ 100 (cem reais).
Dilza de Sousa
  Conhecimento notório – A sentença atende à Ação de Indenização por Violação de Direitos Autorais proposta por Dilza de Sousa em desfavor das referidas banda e gravadora. Na ação, a autora sustenta que é compositora da música “Ponto de Partida”, autoria essa “de conhecimento notório de toda a população pedreirense, que é a cidade da autora, assim como de pessoas de vários lugares do Brasil”.

Segundo Dilza, a notoriedade nacional deve-se ao fato da composição ter sido reproduzida e interpretada por vários artistas – entre os quais cita Lairton e Marcia Filipe – todos porém com a devida autorização, frisa. Quanto à banda ré, Dilza afirma que o grupo musical, além de regravar a composição sem autorização, ainda atribui a criação da música aos próprios vocalistas da banda.

A autora da ação relata ainda as tentativas infrutíferas, através de contatos via telefone e email com o produtor e empresário da banda, no sentido de resolver amigavelmente o impasse. Segundo Dilza, “os réus não apresentaram qualquer resposta à tentativa de acordo”.

Autorização – Em suas fundamentações, o juiz cita os incisos XXVII e XXVIII do art. 5º da Constituição Federal, que estabelecem que pertence aos autores o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, bem como a Lei 9.610/98, cujo artigo 29 dispõe que “depende da autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades”. E afirma: “É fato incontroverso nos autos a existência da referida obra musical, de autoria da requerente, bem como se comprovou a utilização da música pelos requeridos”. O magistrado ressalta ainda a inexistência de qualquer documento ou outro tipo de prova de “autorização do autor ou cessão de direitos expressa para uso da obra musical de sua autoria pelos requeridos”.

Nas palavras do juiz, a legislação estabelece que “a cessão de direitos se dê por escrito, presumindo-se sua onerosidade”, o que não ficou demonstrada nos autos pelos requeridos, uma vez que os mesmos não apresentaram qualquer documento comprovando a autorização/cessão de direitos autorais pela requerente.

Para o magistrado, essa não comprovação evidencia “a violação dos direitos autorais da requerente, especialmente ao se observar que teve seu nome deliberadamente omitido pelos requeridos quanto à autoria da música ‘Ponto de Partida’, os quais atribuíram a criação da música aos próprios vocalistas da banda”.

Má-fé – Na visão do juiz, está demonstrada nos autos “a existência de má-fé, haja vista o(s) réu(s) possuírem conhecimento da existência da obra musical e de sua autoria” e inclusive mencionam que a composição é de outros compositores e não da requerente e que, mesmo sem qualquer autorização desta ou sequer avisá-la a respeito, utilizaram a obra para execução pública, havendo, no caso, ofensa deliberada ao direito da autora”.
FONTE: CGJ

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Academia sueca surpreende com notícia Prêmio Nobel de Literatura para Bob Dylan

9a9v662rstg658hxxsevenr9a Reprodução
O cantor e compositor Bob Dylan, 75 anos, levou o prêmio Nobel de Literatura de 2016. A surpreendente conquista foi anunciada na manhã desta quinta-feira (13) pela Academia Sueca. Ele é o primeiro compositor musical a ser contemplado na história do prêmio.
“Dylan criou novas expressões poéticas dentro da grande música tradicional americana”, diz o comunicado oficial.
Em sua carreira o norte-americano lançou 37 álbuns, sendo o último, “Fallen angels”, em maio deste ano. Entre seus principais prêmios estão onze Grammys, um Oscar e um Globo de Ouro.
A secretária permanente da Academia Sueca, Sara Danils, descreveu Dylan como um “grande amostrador. E há 54 anos ele tem se reinventado. A começar por ‘Blonde on blonde’, um exemplo extraordinário de sua maneira brilhante de rimar, juntando refrãos, e de sua maneira brilhante de pensar”.
Canções como “Like a rolling stone” se tornaram hinos de uma geração que começava a se soltar das amarras da moral conservadora. Outros sucesso do cantor são “Mr.Tambourine Man”, “The Times They Are A-changin”, “Knockin on Heaven’s Door” e “Blowin The Wind”.
O cantor já se aventurou realmente na literatura. Seu primeiro livro foi ‘Tarântula”, obra de poesias experimentais que escreveu entre 1965 e 1966 e lançou em 1971. Em 2004, Dylan liderou listas de mais vendidos com “Crônicas – Vol. 1”, a primeira (e até agora única) parte de sua autobiografia. Ele publicou ainda seis livros dedicados a sua arte visual e outros tantos com as letras de músicas que escreveu.
Com Informaçoes da EBC e Jornal Pequeno

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Região do Médio Mearim fortalece cadeias produtivas

 Resultado de imagem para Região do Médio Mearim
Na última sexta-feira (7), gestores das secretarias de Indústria e Comércio (Seinc) e de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), estiveram em Pedreiras, apresentado programas e ações voltados as cadeias da carne e couro, leite e derivados e arroz.
O evento, que contou com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) aconteceu no Centro de Capacitação Tecnológica do Maranhão (Cetecma) e expôs aos técnicos responsáveis pela assistência aos produtores, os trabalhos que estão sendo desenvolvidos nas cadeias produtivas.
A inciativa faz parte do programa ‘Mais Produção’, no âmbito do Sistema Estadual de Produção e Abastecimento (Sepab). A Seinc é responsável pelas iniciativas em prol das cadeias da Carne e Couro no âmbito estadual, Leite e derivados na região do Mearim e Médio Mearim, e tem promovido uma série de medidas em prol do adensamento dessas cadeias no estado.
“A produção e fomento são um dos principais caminhos para o desenvolvimento. Além de gerar emprego e renda. Com esse trabalho, estamos contribuindo para que nossos produtores possam expandir seus negócios, potencializando o setor produtivo do estado”, afirmou o secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo.
O superintende de Desenvolvimento de Políticas Agrícolas da Sagrima, Fernando Trinta, ressalta que a reunião é o Ponta pé inicial na assistência técnica e gerenciamento das cadeias: “O Governo está trabalhando com suas secretarias, cada uma com suas expertises. Todo esse trabalho, contempla outros trabalhos que estão sendo realizados em tornos das cadeias aqui trabalhadas”.

Cadeia produtiva do leite

Com os trabalhos realizados e a retomada da confiança dos produtores, os resultados já começaram a aparecer. No início da gestão, a Região do Médio Mearim registrou a produção de 70 mil litros de leite. Hoje, são produzidos 109 mil litros por dia.
Além da reunião, a equipe da Seinc esteve visitando as futuras instalações da fábrica de queijo Igarapé, que terá suas novas instalações inaugurada em breve. Com capacidade para produzir 1.500 quilos de queijo por dia.

Mais produção

O programa ‘Mais Produção’ define 10 cadeias produtivas prioritárias (feijão, arroz, mandioca, carne e couro, ovinocaprinocultura, leite, avicultura – caipira e industrial, piscicultura, hortifruticultura e mel) que desde o início da gestão têm sido trabalhadas com foco no abastecimento do estado e na busca pela autossuficiência.
Para cada cadeia, está sendo desenvolvido um trabalho particular, que levam em consideração as características das regiões produtoras e as demandas dos envolvidos, como produtores, sindicatos, agroindústrias e instituições públicas e privadas.
Fonte: Governo do Estado 

sábado, 8 de outubro de 2016

Hoje é dia de Poesia


Novas unidades do Viva levam facilidade para Pinheiro e Bacabal


unnamed
Inovações e incremento nos serviços oferecidos são a marca das duas unidades do Viva que vão ser inauguradas nos dias 13 e 15 de outubro em Bacabal e Pinheiro, respectivamente.As duas cidades ganharam estruturas modernas e confortáveis para atender maranhenses das regiões da Baixada e do Médio Mearim e vão oferecer serviços como emissão da 1ª e 2ª vias do RG, inscrição e consulta no CPF, emissão de antecedentes criminais, orientação ao consumidor e registro de denúncias, por meio doProcon/MA, encaminhamento ao mercado de trabalho, com o suporte do SINE (Sistema Nacional de Emprego) e seguro desemprego, serviços online como emissão de boletim de ocorrência, emissão de faturas e boletos, consultas do NIT, PIS/PASEP, bolsa família, inscrições em concursos, informações sobre a Junta Militar e ponto de atendimento da Junta Comercial do Maranhão (Jucema).

Além dos novos serviços e de terem recebido uma nova sede, as unidades do Viva nos dois municípios representam economia ao erário público, pois serão instaladas em prédios do Governo, que não pagam aluguel, e foram totalmente reformados para receber a nova demanda e os cidadão que buscam pelos serviços do oferecidos pelo órgão.

As inaugurações fazem parte do projeto de ampliação, descentralização e reestruturação da oferta de serviços públicos aos maranhenses. O diretor-geral do Viva, Duarte Júnior, explica que as novas unidades têm ganhado estrutura e atendimento diferenciado. “Os investimentos continuarão sendo realizados para garantir o melhor atendimento e gerar desenvolvimento em todas as regiões do Maranhão. Nosso objetivo é garantir a efetivação dos direitos da população maranhense e só se consegue isso por meio das ações de ampliação dos serviços, novas estruturas físicas e a capacitação dos nossos servidores. Estamos conseguindo garantir a expansão, reestruturação do Viva e maior economia dos gastos públicos, fazendo mais com menos”.

Após as inaugurações, a unidade de Bacabal estará pronta para realizar 800 atendimentos diários, com seis postos de serviços e os 11 guichês da unidade realizando atendimentos humanizados e eficientes. Já a unidade de Pinheiro conta com 10 guichês, atendendo as novas metas de reestruturação das unidades.

“Temos a missão institucional de humanizar o atendimento e harmonizar as relações de consumo no estado”, completa o diretor e presidente do Procon Maranhão. A unidade em Pinheiro agora fica localizada na Rua Maria Pinheiro Paiva, no bairro Santa Luzia. Em Bacabal, a nova sede fica situada à Avenida Getúlio Vargas, nº 115A, Centro.
com informações do Governo do Estado 

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Unidades do Procon/MA e do VIVA em Pedreiras e Presidente Dutra recebem melhorias

Foi assinado, na tarde dessa terça-feira (4), em Pedreiras, a ordem de serviço que dará início a reestruturação e reforma do Procon. Além disso, também foi anunciada a inclusão dos serviços da JUCEMA e a mudança da unidade do PROCON para o VIVA. A notícia foi bem recebida pelo coordenador do PROCON em Pedreiras, André Rocha. “Estamos muito animados com essa mudança. Com melhor localização e contando com a praticidade de estar junto a outros serviços do Estado, poderemos oferecer atendimento com mais qualidade. Ganhamos nós, servidores do órgão, e principalmente, o consumidor pedreirense.”, enfatizou.
Na manhã desta quarta-feira (05), foi a vez de Presidente Dutra. A unidade já existe há 10 anos no município e nunca havia passado por melhorias. Por esse motivo, acumulava diversos problemas na estrutura física.
Segundo o coordenador da unidade, Josemir Pereira, a população esperava há muito tempo pela reforma, o que, segundo ele, trará melhorias também para os servidores.

Ampliação e reestruturação

Após inaugurar novas unidades dos dois órgãos em Coroatá, o presidente do Procon apresentou as novas metas e a reestruturação das unidades de Carolina, Açailândia e Balsas, inaugurando uma mega unidade do VIVA no Imperial Shopping, em Imperatriz, e mantendo a unidade da Rua Godofredo Viana. Uma nova unidade do Procon/MA também foi inaugurada em Barra do Corda, e o VIVA da cidade foi reestruturado.
Também já receberam melhorias as unidades de Caxias, Viana e Santa Inês. A cidade de Codó, que já possuía uma unidade do Procon/MA, ganhou, também, um novo VIVA, enquanto Carolina teve sua unidade do VIVA reformada e foi contemplada com um Procon/MA. Também ganharam VIVAs, os municípios de Chapadinha e Pastos Bons. Em outubro, novas unidades serão inauguradas em Codó e São Luís, e reformadas em Bacabal e Pinheiro.
Fonte: Governo do Estado, com edições e informações do Jornal Pequeno

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Crônicas do Dia - Ouças as crianças - Cristovam Buarque


Toda reforma educacional precisa ter dois propósitos: atender ao aluno e ao futuro do Brasil. Ouçam as crianças, os adolescentes e as vozes que vêm do futuro. Os alunos brasileiros estão há anos gritando o horror como eles percebem o ensino médio: gritam ao abandonar a escola e gritam tirando 3,7 no Ideb. E o Brasil de hoje não ouve, nem atenta para as trágicas consequências disto para o futuro. A escala Ideb mede terremotos sociais e econômicos futuros.
Seus últimos resultados mostram a catástrofe que ameaça o futuro do país e de seus futuros adultos. Depois de quase 30 anos de democracia, 13 de governos da esquerda - ao-redor do - PT, o ensino médio brasileiro carrega duas falências: a brutal evasão de alunos e o baixíssimo nível no seu Ideb. A medida provisória que propõe a reforma do ensino médio deve ser bem recebida, por trazer urgência e ser uma resposta à catástrofe nesta fase educacional.


 Resultado de imagem para Ouças as criançasMesmo sabendo que ainda não é suficiente para construir a escola com a mesma elevada qualidade para pobres e ricos em todas as cidades, traz uma primeira evolução ao ouvir o aluno na definição de sua grade de disciplinas. Uma das causas da evasão está na desconsideração da diversidade vocacional dos alunos para escolher as disciplinas que lhe agradam.

Os pioneiros da educação, há 80 anos, e Paulo Freire, há 50, defendiam que a escola precisa respeitar o aluno. Para eles, a escola deve ser libertária, e não uma prisão. A imposição de disciplinas é uma forma de palmatória intelectual. A escola tem que estar ao gosto do aluno. Ele pensa, tem personalidade, alma, deve ter voz. O governo tem de ofertar todas alternativas, mas o aluno deve ter o direito de escolher a sua demanda.
No mundo moderno, com o nível de informação de que os adolescentes dispõem e das possibilidades pedagógicas e gerenciais que as novas tecnologias oferecem à escola, é possível compor um menu conforme a vocação, o talento ou o simples gosto de cada aluno. Os temas gerais, que são importantes para a formação deles, devem ser oferecidos sob a forma de atividades como debates filosóficos semanais sobre temas da realidade; exposições de artes plásticas; participação política; jogos e práticas esportivas; publicação e recitais de poesia e música.
A Lei nº 13006/14, de minha autoria, por exemplo, obriga a oferta de cinema nas escolas, mas não obriga o aluno a assistir aos filmes. Junto com a flexibilidade na formação da grade curricular, a medida provisória determina a oferta de cursos profissionalizantes que, além de fazerem o ensino médio mais atraente para o aluno, lhe dá uma habilidade profissional que hoje ele não recebe.
Contando com a necessária e adequada infraestrutura, o estímulo à adoção do horário integral, formulado há 30 anos por Darcy Ribeiro no Rio de Janeiro, com os Cieps, torna possível um avanço na qualidade do ensino médio. A MP 746 ainda não é suficiente, mas é necessária e positiva. Ainda está longe de iniciarmos uma revolução, mas estamos fazendo uma evolução.

domingo, 2 de outubro de 2016

Noite histórica em Bacabal dois prefeitos eleitos



Para quem acha que já viu tudo na terra da Bacaba eis que a história  brinca com os sentimentos cívicos dos bacabalenses. Numa situação inédita, a comunidades elege dois prefeitos, o que é impossível juridicamente, para o povo não é brecha na lei, é exercício de cidadania. Mesmo sendo qualificado como candidato ficha suja por ter pendencias na justiça, o povo elege Zé Vieira Prefeito de Bacabal com 20.671 votos. No entanto o segundo colocado não é segundo colocado, já que o primeiro mais votado estava apto, mas indeferido, portando temos dois prefeitos eleitos, um por maioria de votos e outro por circunstanciais jurídicas, Roberto Costa (PMDB) , neste caso, é também Prefeito eleito com 18.330 votos.
Ambos os prefeitos despertaram no povo o sentimento de vitória, e apos a apuração as ruas de Bacabal foram tomas por gente que comemora a vitória de seu candidato. A cidade é uma festa só, enquanto nas redes sociais e blog's alguns tentam explicar o que aconteceu.
Um ganhou com mais votos está comemorando Zé Vieira. O Ooutro Roberto Costa segundo lugar está nas ruas comemorando pois o primeiro está com recurso.Caso Zé Vieira seja deferido pela justiça será oficialmente prefeito de Bacabal, afinal foi o mais votado.Se Zé Vieira Perder o recurso Roberto Costa segundo colocado que também está nas ruas comemorando será Prefeito da cidade.Simples assim.
Afinal quem vai assumir a gestão de Bacabal? Passamos a vida toda vendo ser eleito o mais votado, é uma questão de lógica. Mas com a lei da ficha limpa as coisas mudaram, ou será a lei que está a tropeçar nas próprias pernas. Não está enquadrado na Lei de Ficha Limpa não dá atestado de boa conduta a nenhuma cidadão. E agora José? Que fazer? Será que a Justiça respeitará a vontade da maioria da população bacabalense ou dará a gestão do município ao segundo colocado que nestas circunstancia ainda é o p primeiro.Será um duelo de titãs digno de un filme de hollywood.
O fato é que a justiça terá que tirar a venda dos olhos e julgar os recursos que tramitam e que ainda vão aparecer. Uma coisa é certa: cada povo tem o Prefeito que merece, digo, o Prefeito que elegem.
Agora sim, lascou! Quem nós elegemos? Só a Justiça é quem sabe. Bons tempos aqueles que apezar das artimanhas usadas, ganhava -se eleição com a maioria dos votos. Salve a democracia...
Por Zezinho Casanova



domingo, 25 de setembro de 2016

Bacabal realizará Ato de Resistência contra as reformas do Governo Temer


Será realizado em Bacabal m ato contra os ataques e reformas do Governo Temer à classe trabalhadora tais como a reforma do ensino médio, reforma da previdência, fim dos concursos públicos e contra o congelamento dos salários.O evento será realizado no dia 29 de setembro de 2016, quinta-feira, na Praça Silva Neto (Praça do Paraíba) com concentração às 8h30min da manhã.

O evento está sendo organizado por acadêmicos e professores do Campus de Bacabal da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Núcleo Regional de Bacabal do Sinproesemma (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das Redes Públicas Estadual e Municipais do Estado do Maranhão).

Segundo os organizadores do Ato as reformas propostas pelo GOVERNO TEMER são ataques aos direitos da classe trabalhadora conquistados com muita luta ao longo da história do Brasil.
A ideeia é urgentemente chamar atenção dos bacabalenses para lutarem contra os seguintes projetos de lei:

REFORMA DAS LEIS TRABALHISTAS: está em risco nosso direito às férias, com a ampliação das horas de trabalho (12 horas por dia), entre outros.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: a ideia é aumentar os anos de contribuição e a idade para se aposentar (75 Anos).

REFORMA DO ENSINO MÉDIO: querem retirar das escolas as disciplinas de história, geografia, sociologia e filosofia e com essa flexibilização curricular vão eliminar a formação critica de nossa juventude. Além disso, a reforma do ensino pretende dificultar o acesso dos filhos da classe trabalhadora ao ensino superior, para eles apenas a educação técnica e rápida e assim a escola vai apenas atender os interesses do Grande Capital, criar mão de obra barata.
Manifestações como estas estão seendo feitas por todos país, após lutarem pela retida de Dilma do poder, o povo paga um preço muito alto para Temer que aos poucos consolida-se como ante herói nacional. 
Adaptação do Convite para o evento publicado no site Castro Digital

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Trabalhadores fazem protestos contra propostas do governo


dia-nacional

Trabalhadores fazem protestos em diversas cidades do Brasil contra propostas do governo nesta quinta-feira, 22 de setembro. A FENAJ orientou os Sindicatos de Jornalistas a participarem dos protestos contra as medidas do governo Temer que retiram direitos dos trabalhadores. Em diversos estados haverá atividades organizadas pelas centrais sindicais – CUT, CTB, UGT, Força, NCST, CSP-Conlutas e Intersindical – e as entidades que integram as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. A agenda de mobilização inclui paralisações, atrasos na entrada aos locais de trabalho, assembleias nas portas das empresas, passeatas e manifestações que serão preparatórias para a construção de uma greve geral no país.

Para a Federação Nacional dos Jornalistas, a paralisação nacional convocada para esta quinta-feira representa um passo importante para a construção da GREVE GERAL no país, contra as reformas trabalhista e previdenciária do governo Michel Temer. “O Executivo já sinalizou disposição para acabar com direitos sagrados da classe trabalhadora, seguindo a agenda neoliberal dos financiadores do golpe”, diz o texto.

Entre as medidas nocivas aos trabalhadores, a FENAJ apontou projetos que já tramitam no Congresso Nacional propondo a retirada de direitos. Entre eles, o PLC 30, que autoriza a universalização dos contratos precários ao permitir a terceirização das atividades-fim; o PL 4193, que autoriza a prevalência do negociado sobre o legislado; e o PL 427, que institui a negociação individual entre empregado e empregador, fragilizando a negociação coletiva.

A pauta de mobilização proposta pelas centrais sindicais para o ” Dia Nacional de Paralisação Rumo à Greve Geral – Nenhum Direito a Menos” arrola questões como a defesa dos salários, direitos e empregos, combate à Reforma da Previdência Social, ao ajuste fiscal que consta na PEC 241 e no PLP 257, às privatizações e precarização das relações trabalhistas, à entrega do pré-sal e ao PLC 30, das terceirizações sem limite.

Na orientação aos Sindicatos de Jornalistas, a FENAJ resgatou que além da crescente perda de postos de trabalho da categoria, há dificuldades de negociação salarial em decorrência da estratégia nacional do patronato da mídia – capitaneado pela ANJ e Abert – para acabar com direitos conquista
dos em convenções e acordos coletivos. Em diversos Estados, as campanhas salariais não avançam por recusa das empresas em negociar ou por propostas de reajuste que vão de ZERO a, no máximo, metade da inflação (média de 5%). “Por tudo isso, a pauta dos jornalistas deve ser evidenciada no Dia Nacional de Paralisação, como uma forma de pressionar as empresas de comunicação, combatendo a tentativa de arrocho salarial e a retirada de direitos da categoria”, orienta a Federação.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Horário de verão tem início em 16 de outubro


Horário de verão 2016/2017 começa no dia 16 de outubro
À zero hora do dia 16 de outubro, terceiro domingo do mês, tem início o horário de verão 2016/2017 brasileiro. Os relógios deverão ser adiantados em uma hora nas unidades federativas das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Espírito Santo.

Adotado pelo país pela 41ª vez, o horário de verão se estenderá até o dia 19 de fevereiro de 2017, quando os relógios deverão voltar a ser ajustados em uma hora a menos.

Como durante o verão o uso de eletricidade para refrigeração, condicionamento de ar e ventilação aumenta, a estratégia é aproveitar a intensificação da luz natural ao longo do dia durante o verão para reduzir a demanda principalmente no período de pico, entre as 18h e as 21h, ou seja, quando mais pessoas, empresas e indústrias estão utilizando a energia elétrica. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), quando a demanda de energia elétrica diminui, as empresas que operam o sistema conseguem prestar um serviço melhor ao consumidor porque as linhas de transmissão ficam menos sobrecarregadas. Para as hidrelétricas, a água conservada nos reservatórios pode ser importante no caso de uma estiagem futura. Para os consumidores em geral, o combustível ou o carvão mineral que não precisou ser usado nas termelétricas evita ajustes tarifários.

No ano passado a economia gerada pelo adiantar dos ponteiros foi de R$ 162 milhões. Além disso, o ONS também afirmou em nota que, caso não houvesse horário de verão, R$7,7 bilhões teriam que ter sido investidos para suprir o atendimento da demanda elétrica no período. 



Como surgiu o horário de verão?

No Brasil, o primeiro horário de verão foi realizado entre 1931 e 1932, pelo presidente Getúlio Vargas, com duração de 5 meses. A prática vem sendo adotada sem interrupções desde 1985, com algumas diferenças nos estados que aderem à mudança, e também nos períodos de duração.

A única exceção para o decreto 6.558, de 2008, que define as regras do horário de verão atualmente, ocorre quando o terceiro domingo de fevereiro coincidir com o domingo de Carnaval. Nesse caso, o horário de verão termina no quarto domingo de fevereiro. A ideia de adiantar a hora oficial em períodos de verão foi lançada em 1784 por Benjamim Franklin, político e inventor americano. O primeiro país a adotar oficialmente o horário de verão foi a Alemanha, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, para economizar os gastos com carvão.

Crônica do dia:PARALÍMPIADA NA TERRA DA BACABA


Começou o maior jogo cívico da história moderna. Em disputa a vida de milhares de pessoas. Prêmio: Palácio das Bacabas.

Há muito distante das mãos do povo, o troféu desperta interesse de muitos pretendentes. O que seria um novo tempo para nossa pátria, mãe gentil de filhos adotados que aqui caem de paraquedas, deixa –se explorar feito uma prostituta luxo em fase pós balzaquiana. Os Amantes são muitos de todos os gêneros e opções, quase todos pervertidos pela ânsia de poder. Homens e mulheres de palavras fáceis, bonitas e sedutoras. Formulam discursos em desconexo coma própria personalidade. Juram que amam Bacabal, mas a deixam como os nervos à flor da pele parda e esquecida do mearim. Afirmam que tem de ser agora em desespero incontrolável, como se o futuro apagasse o caos do passado tão recente. Já não somos mais a princesa do Mearim, nossos rostos estão cheios de rugas, ruas esburacadas e mal cuidadas, que nem mesmo um operação plástica à moda “lava jato” resolveria nossa estética moral.

Batem no peito fragilizado pelo tempo e orgulhosos gritam que Bacabal merece respeito, enquanto no peito já flácidos pelas “mamadas hostis” betem corações dilacerados pela dor que há de vir. São atletas paraolímpicos morais a querer o Palácio das Bacabas para escreverem mais um capítulo de uma novela que todos sabem o final.

Gurus com a elegância de aves de rapina dão o charme da competição. A democracia em efervescência dá o tom marrom bombom de nossa mídia quase amadora a degustar as migalhas que caem da mesa farta do “Banquete de Signos” do Mearim, essa festa rica que não convidam o povo é a imagem acústica de uma terra portadora de deficiências múltiplas onde a justiça é cega, mas enxerga quando quer, onde a lei abre sempre uma brecha quando se procura com carinho.

Cegos... O povo tateia sem guia a procura de esperança e em seus Senadinhos e Congressinhos de mesa de botequim, são técnicos e guias dos oito atletas paraolímpicos morais que competem para subir a rampa do palácio das Bacabas.

É tempo de acessibilidade, é tempo de amar a cidade, e vermelhos, revolucionários, brancos, pardos, amarelos ou pretos, façamos a revolução no campo das ideias. Digitar é o verbo do momento, a urna a grande arma e o voto o participar. Em que atleta votar? Todos são atletas de autos e baixos rendimentos. Se eu votar em branco, estarei afirmando que qualquer um pode se apossar do palácio das Bacabas, se anular meu voto estarei me omitindo de participar do processo. Terei que digitar alguns números que podem representar o azar da minha sorte. Agora sim, lascou! Terei que tomar uma posição. Estou perdido num labirinto com oito saídas, mas a terra de bacaba desconfia do atleta que verá no pódio, oxalá que mereça a medalha da vida em que nada se compara com bronze, prata ou ouro pois está acima de nossa compreensão... Viva a vida na terra da bacaba...

Zezinho Casanova

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Crônicas do Dia - Não toquem em Machado de Assis


Resultado de imagem para Não toquem em Machado de Assis Chego tarde à discussão sobre a legitimidade de adaptações de obras literárias do passado para facilitar a leitura das novas gerações. Mas não tenho como desviar de um assunto que só se torna relevante porque o Brasil continua a ser o país dos vira-latas (ou do neo-viralatismo) , dos espertalhões e do triunfo da ignorância. As adaptações de livros clássicos não passam de uma camada do aterro sanitário que entulha a cultura do país desde que os portugueses rezaram aPrimeira Missa em Porto Seguro e constataram que a população local se mostrava dócil à evangelização. Dá asco pensar no tema, mas vou tapar o nariz e tentar manter a lucidez.
As políticas do livro e da educação nacionais são infames e parece que não irão melhorar nunca. Dessa forma, o futuro de nossa cultura já está traçado: caímos na tentação da visão antropológica que rebaixa o indivíduo a sua condição primitiva e não permite que ele saia do estágio folclórico e étnico a que está condenado desde o início dos tempos. Bons selvagens,os brasileiros são obrigado a celebrar as “manifestações culturais” mais primárias como se a população estivesse condenada sumariamente à fogueira de São João e ao trio elétrico.
Ora, esse ambiente sulfúrico torna coerente e até elogiável a facilitação da leitura - prefiro chamá-la de vulgarização. Afinal, para que submeter os jovens leitores ao sacrifício de ler Homero, Cervantes, Graciliano Ramos e Machado de Assis quando tudo pode ser resolvido numa narrativa direta e concisa no estilo? A vulgarização poupa trabalho do aluno e rende uma boa grana às editoras e aos autores das adaptações de obras de domínio público – que, do contrário, sairiam de graça para o leitor. A ideia de que rebaixar o ato de ler é um gesto culturalmente correto constitui um dos dois argumentos em confronto hoje na discussão das adaptações. O outro preconiza que os textos clássicos não podem ser alterados, pela própria sacralidade artística que eles contêm.


Obviamente, defendo o segundo argumento – embora não acredite na arte como religião. Se valer um testemunho, perdi muito tempo na minha infância e adolescência lendo Homero, Cervantes, Jack London e outros autores clássicos em adaptações de medalhões brasileiros como Clarice Lispector e Carlos Heitor Cony. Isso porque eu deveria ter lido os textos originais, ou pelo menos as traduções diretas. Acabei lendo bons textos de segunda mão de Cony e Clarice que não substituíram os originais. Antes, desviaram minha atenção.
É claro que não havia naquele tempo (como não há agora) edições didáticas desses textos. A produzir introduções, ensaios e notas sobre obras canônicas em edições críticas, as editoras brasileiras sempre preferiram a lei do menor esforço. Em vez de preparar e orientar o jovem leitor, as editoras lhe entregam edições embonecadas e facinhas. O resultado é o que vemos: cada vez mais jovens lendo baboseiras para jovens leitores – a chamada literatura para jovens adultos, uma literatura-salgadinho. O resultado é que os jovens adultos (e crianças) ignoram com crescente soberba os autores importantes. Afinal, para que enfrentar a dieta pesada de Guimarães Rosa se é possível devorá-lo em versão nacho com queijo?
Os jovens nutridos nessa formação rala e prejudicial ignoram também que ler é difícil. Trata-se de uma atividade que precisa ser elaborada ao longo dos anos. Envolve aprendizado, treinamento e, no caso do texto literário, vivência, intimidade com a natureza humana. Se a maior arte dos professores do ensino fundamental e médio do Brasil gostasse mesmo de ler, os estudantes entenderiam que o esforço vale a pena. Mais, que ler é mais compensador que jogar videogame ou assistir a uma série de televisão.
Tudo isso me faz pensar em postar as hashtags #NãoToqueemMachado, #NãoToqueemHomero e #NãotoqueemCervantes e assim por diante. Só de pensar que alguém possa alterar os textos canônicos me dá calafrios. Que dizer quando um professor apresenta um projeto desses ao governo federal e ganha milhões para executar Machado de Assis em praça pública em nome do consumo fácil das tribos autóctones analfabetas funcionais? É o último círculo do inferno. Não toquem na sutileza de Machado de Assis, na concisão de Graciliano Ramos e na complexidade de Guimarães Rosa. Tirem suas mãos porcas da pouca literatura que nos resta!


LUÍS ANTÔNIO GIRON

Liduina Tavares tem página do Facebook raqueada e recuperada

Na tarde desta sexta-feira (9) os internautas foram surpreendidos com frases obscenas publicadas na linha do tempo do Facebook da professora Liduína Tavares, obviamente que sabedores da boa índole da ex-vereadora e ex-secretária de educação de Bacabal, todos logo perceberam que ela, na verdade, foi mais uma vítima de hackers.


Liduína Tavares é candidata a vereadora pelo Partido Democrático Trabalhista do qual é sua Presidente em Bacabal mas até o momento não se pode precisar se o crime tenha alguma ligação com sua linha política.as 16h Liduina já anunciava por outras Rede social a recuperação de sua conta no Facebook.

Se assim como a professora, você também notar alguma coisa estranha em sua página do Facebook, como a foto trocada ou algumas informações desconexas, pode ser que alguém mal-intencionado tenha invadido sua conta e alterado seu perfil. Resolver este problema é fácil e o processo não leva mais do que alguns minutos, como mostrado no site techtudo.

Passo 1. Acesse o site www.facebook.com/hacked. Assim que a página carregar, uma janela será mostrada e, caso você acredite que alguém hackeou sua conta, será solicitado que você clique na opção "Minha conta está comprometida".

Denunciando ao Facebook que sua conta está comprometida


Passo 2. Na próxima página você deverá informar seu e-mail de acesso. Feito isso, clique em "Procurar" e digite o código de segurança para prosseguir.


Passo 3. Ao identificar sua conta, você deve digitar sua senha no Facebook e clicar em "Continuar". A partir daí, sua conta será bloqueada até que você realize as quatro etapas de verificação de conta.

Verificação de segurança


Passo 4. A primeira etapa será a da modificação da senha do Facebook. Algumas dicas são mostradas para que a nova senha seja mais segura. Nesta página é só criar uma nova senha, repeti-la e confirmar.



Trocando a senha


Passo 5. A segunda etapa será a da troca de senha do e-mail, que pode facilmente ter sido usado para a invasão. Para tanto é necessário acessar seu e-mail, no provedor, através de um link disponível na página da rede social, e, assim que o processo for concluído, é só voltar ao Facebook e confirmar a alteração.

Alterando a senha da conta de e-mail


Passo 6. Agora é o momento de confirmar o nome, a data de nascimento e o e-mail cadastrado. Clique então em "Continuar".


Confirmando dados


Passo 7. A conta estará desbloqueada e pronta para ser usada novamente. Nesta janela há opções que o usuário pode marcar para que as conexões fiquem mais seguras de agora em diante, como por exemplo a de notificação por e-mail, caso alguém se conecte ao Facebook através de algum computador estranho; ou a de entrar na rede social apenas por meio de conexões seguras, como com o uso de “HTTPS” no início do endereço a ser digitado no navegador.
Créditos por essa matéria:
Sérgio Matias