Novas regras para entrega da Declaração do imposto de Renda

Prazo vai até 29 de abril

Fifa abre janela para jogadores na Rússia e na Ucrânia

Decisão foi motivada pela guerra que acontece no Velho Continente

Expedito Jr. faz Gol de Placa ao apoiar esporte amador em Bacabal

Desportista declaram apoio ao trabalho de expedito

Norris Cole, Lady Conceição e Norris Cole Jr. fazem Show Internacional em Bacabal

Show deve mobilizar toda massa reggueira de Bacabal e região

Diário do Mearim Cidadania

Diário do Mearim Cidadania

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Edvan Brandão já pode tomar posse para mandato tampão

      
 

Na manhã desta sexta-feira (29) finalmente foi publicado no Diário de Justiça Eletrônico do Tribunal Superior Eleitoral o Acórdão (decisão final proferida sobre um processo por tribunal superior) que trata do julgamento que cassou o mandato do prefeito de Bacabal, Zé Vieira (PP), e do vice Florêncio Neto (PHS).a

Com essa ação da justiça o grupo de oposição ao ex-prefeito Zé Vieira já articula equipe de trabalho para tomar conta da prefeitura, nos bastidores comenta-se da insatisfação de alguns aliados de Edvan Brandão pela indicação de cargos na gestão.

O próximo passo caberá à justiça que informará oficialmente o presidente da câmara municipal sobre a decisão. Com isso, Edvan Brandão (PSC) poderá ser empossado para exercer mandato tampão, de curto período, até que o Tribuna Regional Eleitoral (TRE-MA) anuncie a data da eleição suplementar para a escolha dos novos prefeito e vice-prefeito.

Agora é esperar as cenas dos proxímos capítulos, a novela está apenas começando.

Diário do Mearim com informações do Blog do Sergio Matias
     

Cofres das prefeituras receberam mais de R$ 2 bilhões nesta sexta-feira, 29

            
Os 5.568 Municípios brasileiros receberão o último repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) deste mês na sexta-feira, 29 de junho. Pouco mais de R$ 2 bilhões devem ser partilhados entre as prefeituras, considerando a retenção constitucional do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Ao somar esse porcentual ao montante, o terceiro decêndio do Fundo somará R$ 2,5 bilhões, em valores brutos.

              A estimativa dos valores é da Confederação Nacional de Municípios (CNM), com base nos números divulgados pelos Secretária do Tesouro Nacional (STN). Pelos cálculos da equipe de Estudos Técnicos da Confederação, um Município com coeficiente 0.6 - de Roraima -, por exemplo, deve receber pouco mais de R$ 92 mil, em valor bruto. Do mesmo Estado, uma Prefeitura com coeficiente 0.8 ou 1.0 deve receber R$ 114 e 143 mil, respectivamente, também em valor bruto.

              De acordo com o LEVANTAMENTO da entidade, em comparação com mesmo repasse feito em 2017, o Fundo apresentou crescimento de 10,53%, em termos nominais, sem considerar os efeitos da inflação. Já o acumulado do mês registrou crescimento de 11,12%, uma vez que em junho do ano passado foram repassados R$ 7,7 bilhões e este ano o valor soma R$ 8,5 bilhões. Mas, quando considera a inflação, o levantamento mostra crescimento menos expressivo, de 7,21% no terceiro repasse e de 7,79% na soma total transferida no sexto mês do ano.

Resultado


              Apesar de o segundo decêndio do FPM ter sido menor que o valor repassado ano anterior, o acumulado do mês e do ano tem demostrado resultado positivo. Do início do ano até agora, o fundo apresentou aumento de 9,13%, em termos nominais e em relação ao mesmo período do ano passado. Mesmo quando se considera o impacto inflacionário, o acumulado do FPM em 2018 registra crescimento de 6,09% em relação ao mesmo período do ano anterior. Ainda que o resultado seja favorável, a CNM alerta que a tendência do Fundo é reduzir no início do segundo semestre.
Fonte: CNM

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Alto Alegre tem audiência pública em defesa dos precatórios e valorização dos professores

     
Numa demonstração de força e respeito à democracia, aconteceu na manha desta quinta-feira(28) na Câmara de Vereadores de Alto Alegre do Maranhão , uma  audiência pública  em defesa dos precatórios e valorização dos professores. O evento foi articulado pelo SINDSAAMA - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Alto Alegre, além das lideranças sindicais participam da audiência , professores, alunos, pais de alunos além dos gestores do município.
      Os presentes na audiência afirmam que a mesma foi um momento bom para todos, rico em conhecimentos sobre precatórios do FUNDEF, sendo mais  um passo em busca  da valorização da educação com 60% desses recursos com investimento no professor e 40% em outros setores da educação.
      O próximo passo do Sindicato será  encaminhar o Projeto de lei à Câmara Municipal para aprovação, projeto este que os Vereadores Leo e Dezio se comprometeram  perante todos coma defesa do mesmo.
     
Estiveram presentes fortalecendo a luta dos educadores Givan Freire presidente em exercício da Força Sindical no Maranhão, Frazão Oliveira, presidente licenciado da Força Sindical, Presidente da FETRACSE, Federação dos Sindicatos no Serviço Público e Vereador professor Aldegran de Presidente Dutra
      Na audiência ficou claro que  a escola precisa viver um processo de humanização.O trabalho do professor precisa ser compreendido e valorizado através da lei do Piso.
      Os Precatórios do FUNDEF  não é para dá dinheiro ao professores, mas sim um investimento, uma vez que, o professor valorizado é um profissional motivado  a prestar  um melhor trabalho. Alguns municípios do Brasil ja receberam esses precatórios nos estados da Bahia, Piauí e Ceará.
      No Maranhão a FAMEM quer que o dinheiro seja destinado  não somente para educação, mas sim para outros setores dos municípios. 
     
O FUNDEF foi implantado em 1º  de janeiro de 1998, antes desse fundo ,não existia  a chamada valorização do magistério. Com isso também foi estabelecidas as complementações para os municípios do Norte e Nordeste.O problema é que essas complementações não foram repassadas em sua totalidade, cirando uma dívida com os municípios,  a qual é hoje reconhecida pela união.A lei do FUNDEF garante aos professores o direito a esse dinheiro.
      O valor para o município de Alto Alegre do Maranhão  será de quase 29 milhões de reais.Desses 60% é para professores e os outros 40% devem ser aplicados na educação do município. No Maranhão 12municipios já estão com o dinheiro dos precatórios do FUNDEF em contas judiciais bloqueadas., O presidente do Sindicato em Alto Alegre professor Renato agradeceu  a todos que atenderam ao convite do sindicato e se fizeram presente a audiência.

Simplício Araújo se fortalece com falta de definição política em Bacabal

         
A situação política do município de Bacabal é desprovida de clareza, o afastamento definitivo do Prefeito Zé Vieira criou uma situação no mínimo embaraçosa fortalecendo a briga pelos poderes executivo e legislativo na cidade. Até agora sem serem notificados Edvan Brandão , Presidente da Câmara, e Zé Vieira articulam-se de todas as formas numa demonstração de força política, o fato é que Bacabal caminha para uma nova eleição ainda sem data definida para acontecer. Essa indefinição administrativa favorece o projeto político do pré-candidato a deputado federal, Simplício Araújo.
          Era publico e notório  que mais da metade do secretariado de Zé Vieira tinha forte tendência de votar e apoiar Simplício Araújo, alguns inclusive já fazem isso abertamente. outros com menos independência eram engessados por forças ocultas poderosas na gestão do prefeito afastado.Agora, respirando com mais liberdade ex-secretários e outras lideranças ligadas a Zé Vieira aproximam-se de Araújo com intenções claras de apoiar Araújo.
           No Governo Flávio Dino, enquanto Secretário de Indústria, Comércio e Energia, Simplício contribuiu com "ações e obras importantes para a cidade, de forma direta ou indireta, como a reforma do aeroporto, destinação de sistemas de abastecimento de água para a zona rural, agroindústria de farinha, ambulâncias, estreita e respeitosa relação com o segmento empresarial e do agronegócio, apoio de diversos empresários e vereadores e a avançada tratativa para a implantação de uma grande indústria em Bacabal".
           Além disso, Simplício conseguiu total apoio de Flávio Dino para a indicação do atual secretário de Indústria, Comércio e Energia, Expedito Rodrigues Júnior, filho de Bacabal , irmão do então Secretário de Desenvolvimento, emprego e renda na gestão Zé Vieira, Fabilsom Barros que recentemente teve seu nome cogitado para ser Prefeito de Bacabal.
           Nos últimos dias, sozinho ou ao lado do Governador Flávio Dino, Simplício Araújo deu clara demonstração de prestígio e força política na cidade. No domingo(24), durante um evento agropecuário, foi recebido calorosamente por onde passava e na segunda feira, em visita com o governador, não foi diferente.
           Durante a agenda em Bacabal, além de fechar novas parcerias, Simplício também se reuniu com os vereadores Irmão Leal, Regilda Santos, Dr. Lula e Alberto Sobrinho e outras lideranças que já se sentem a vontade para declarar apoio a Simplício, confirmando que a atual situação pode favorecer o grupo político do líder do Solidariedade.
Diário do Mearim com informações do Açaí informa

Cota para estágio fortalece inserção de negros no mercado de trabalho

    
Um decreto assinado nesta quinta-feira (28) pelo presidente Michel Temer prevê que os estudantes negros terão reservadas 30% das vagas em processos de seleção de estágio e na contratação de jovens aprendizes no serviço público.  A medida busca fortalecer a inserção dos jovens negros no mercado de trabalho.
     De acordo com o Ministério dos Direitos Humanos, a proposta é aplicar a mudança na administração pública, autarquias, fundações públicas e sociedades de economia mista controladas pela União. Na cerimônia de assinatura do decreto, no Palácio do Planalto, dirigentes do Banco do Brasil, da Caixa Econômica, da Petrobras e do Banco do Nordeste assinaram termo de compromisso da reserva de vagas.
     No discurso, o presidente Michel Temer disse que o decreto tem fundamental importância para a inclusão social, um dos pilares de seu governo. “Estamos dando mais oportunidades para segmento da população que enfrenta conhecido histórico de exclusão, que é vítima das mais diferentes formas”, disse. Temer disse ainda que vai continuar seguindo na linha do diálogo permanente e da responsabilidade fiscal acompanhados da responsabilidade social.
     O secretário nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Juvenal Araújo, disse que o decreto é um incentivo para jovens negros iniciarem a vida profissional e contribui também para a redução da desigualdade racial. “Essa ação, que também é afirmativa, representa muito mais que uma oportunidade de primeiro emprego, representa a construção de uma democracia com justiça social”, disse.
    
Secretário Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial,
 Juvenal Araújo José Cruz/Agência Brasil
O ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Gustavo Rocha, lembrou que a cota de 30% estabelecida pelo decreto assinado hoje é superior à reserva de 20% das vagas em concursos públicos federais para negros: “todos sabemos que é muito difícil o início da vida profissional, principalmente para os negros”.
     Poderão concorrer às vagas reservadas, candidatos negros que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição para seleção de estágio, conforme o quesito cor ou raça utilizado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).
     O reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, José Vicente, estima que o decreto pode possibilitar a criação de cerca de 40 mil vagas para jovens negros em estágios e programas de aprendizagem no setor público federal. “Eles terão a oportunidade de ingressar no primeiro emprego, ter um rendimento mínimo que permita que ele mantenha seus custos diários e possa permanecer na escola, além de fazer treinamentos indispensáveis para dar os saltos posteriores”, disse.
     A reserva de 30% das vagas em processos de seleção de estágio e na contratação de jovens aprendizes no serviço público atende a reivindicações do movimento negro nas áreas de educação, saúde e trabalho rumo à superação das desigualdades étnico-raciais, de acordo com o Ministério dos Direitos Humanos.
FONTE: Agencia Brasil

Contagem regressiva para o III Sarau Cultural do C. E. Maria Casimiro Soares

       
Acontece nesta quinta-feira(28) a partira das 19h, o III Sarau Cultural do Centro de Ensino Maria Casimiro Soares de Bacabal. O evento que já se tornou numa tradição educacional e cultural está aos poucos ganhando espaço no calendário de eventos da cidade. Este ano o tem  escolhido pelo corpo administrativo e docente da escola foi "Meu Nordeste, Minha Essência",  ma este que chamou atenção de toda sociedade bacabalense, já que o Nordeste vem sendo motivo de discriminação nas mídias digitais.
       O que as pessoas verão hoje na escola é resultado da pesquisa e talento do corpo discente daquela casa de ensino, os alunos através de diversas linguagens artísticas e culturais farão exposição dos vários aspectos da cultura nordestina.
        Vale ressaltar que os pontos mais esperados por todos são apresentações em palco e exposição sobre grandes nomes da cultura nordestina, como"Gonzaga conta e canta o Nordeste" e a polêmica exposição sobre "São Luis a Jamaica Brasileira" já que setores da cultura maranhense prefere "São Luis a Atenas Brasileira" numa alusão ao grande numero de poetas existentes na ilha. 
        Merece destaque a exposição "Forró: do nordeste para o mundo'. no Palco central do evento acontecerão performances teatrais, todas relacionadas à cultura nordestina, professor Luis Diretor da escola afirma que " nosso compromisso maior é com a educação, os jovens precisam conhecer sua história, sua cultura, somos todos nordestinos, essa é nossa essência, nossa brasilidade" conclui Professor Luis.
       
Veja o que vc pode aprender indo ao III Sarau Cultural do Centro de Ensino Maria Casimiro Soares;  na exposição "Gonzaga conta e canta o Nordeste":
  •  Conhecer aspectos da vida e obra do cantor e compositor Luiz Gonzaga;
  •   Reconhecer o gênero musical (forró);
  •   Expressar ideias e sentimentos após a escuta e interpretação da música “Asa Branca.” " Respeita Januário, Xote das Meninas e A morte do Vaqueiro;
  •   Conhecer alguns elementos que caracterizam o sertão nordestino e a vida do homem do sertão, retratada nas letras das músicas do compositor e cantor Luiz Gonzaga.
  •  Fazer uma releitura da Asa Branca, através das artes visuais.
 EXPOSIÇÃO SÃO LUIS A JAMAICA BRASILEIRA

Você sabia que São Luís, capital do Maranhão, é conhecida como a Jamaica brasileira? O apelido veio por causa da influência que o reggae exerce e pela quantidade de ouvintes do estilo musical. O ritmo, que nasceu na Jamaica, atuou, e ainda hoje atua, fortemente na construção cultural da cidade.  
O reggae chegou por lá na década de 70, e seu balanço foi conquistando adeptos por onde passava. Em pouco tempo já tinha dominado as festas e casas noturnas, que até então tocavam merengue e salsa. Na primeira metade da década de 1980, o reggae chegava às rádios e às ruas. Dessa forma, forma-se paredões de caixas de som pilotadas por DJs em meio às ruas e praças, semelhantes aos Sound Systems jamaicanos, verdadeiros espetáculos ao ar livre.  
Desde então o gênero musical se enraizou de tal forma na terrinha que até hoje é um elemento essencial da cultura contemporânea do estado. A  maneira do maranhense de falar, vestir e, principalmente, dançar foi influenciada.
Não é exagero dizer que São Luís é o maior polo de cultura reggae fora da Jamaica. É possível curtir e dançar em bares e barracas de praia. Os maranhenses em geral, principalmente da capital, não apenas absorveram, mas também diversificaram o gênero musical, inclusive na versão eletrônica.

Sobre o Reggae

De origem jamaicana, o reggae é resultado da mistura de ritmos africanos, indígenas e europeus. A música foi usada pelo povo para exprimir o descontentamento com problemas que os país enfrentava, como o desemprego, a falta de moradia e as condições de trabalho precárias.
Considerado o precursor e rei do reggae, Bob Marley fez conhecido o estilo, e em suas músicas atrelava a filosofia rastafari, manifestando  sentimentos de rebeldia e revolução. Projetou um movimento pelo mundo de luta e denúncia.
O reggae tornou-se então mais do que simplesmente um ritmo para entretenimento, mas também a materialização da força do povo africano. E desperta naqueles que escutam o mesmo sentimento de liberdade no qual foi concebido.

 EXPOSIÇÃO FORRÓ: DO NORDESTE PARA O MUNDO
O que o VOCÊ poderá aprender com esta exposição:
  • Conhecer as origens do forró;
  • Conhecer os principais representantes do gênero;
  • Aprender a dançar forró;
  • Perceber elementos da cultura nordestina nas obras de forró;
  • Conhecer os tipos de forró;
  •  Produzir trabalhos artísticos baseados em canções de forró.
 

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Bomba!Vereador César Brito é eleito Presidente da Câmara de Bacabal


    
A Câmara de Vereadores já em um novo presidente, trata-se do Edil César Brito, mas como César conseguiu tal proesa? Simples, segundo informações veiculda pelo Blog do Sérgio Matias "Desde a manhã desta quarta-feira (27) quando o juiz Marcelo Frazão Pereira, titular da 2ª Vara e respondendo pela 4ª, deferiu liminar pleiteada pelo município e suspendeu a eleição da nova mesa diretora da Câmara Municipal de Bacabal, a população vive a expectativa de saber o rumo que esse imbróglio tomará a partir de agora".
      A decisão de caráter liminar também determina multa no valor de R$ 50 mil em caso de descumprimento, entretanto, como o presidente Edvan Brandão não havia comunicado o fato aos 8 edis que formam a bancada governista que compareceram a sessão convocada por ele, na sua ausência os demais, da bancada de oposição, conduziram normalmente os trabalhos e realizaram a eleição."
     Resultado: César Brito(PPS) na cabeça, a nova mesa diretora, que assume a partir de janeiro, é composta ainda por Alberto Sobrinho, Regilda Santos e Dr. Lula.
    
Quais as consequenciais dessa eleição? Cada cidadão tem sua opinião, o fato é que num sentido figurado a câmara que deveria se unir em torna dos direitos do povo, aparenta ser  um "balio de gatos"ou seria um "ninho de cobras"? Figuras a parte,é hora de acabar com essas briga enfadonha pelo poder que já começou até a colocar vidas humanas em perigo devido à falta de elementos básicos para o funcionamento de diversos serviços públicos como o da saúde por exemplo.
    O Prefeito Zé Vieira, mesmo eleito, é derrubado no tapetão, contas bloqueados, servidores prejudicados e ânimos exaltados.
     A briga pelo "Palácio das Bacabas" tomas proporções desastrosas, decisões são tomadas precipitadas, predomina o orgulho e o egoísmo de nossos representantes, até quando viveremos assim na terra da Bacaba? Que governe quem realmente foi eleito, pois numa contradição ética moral há que abra a boca na tribuna e diga que "todo poder vem de Deus e em seu nome deve ser exercido" estranho, parece que o Deus de parte dos nobre edis não é o mesmo Deus do povo que os elegeu.

Centenas de pessoas participam de caminhada contra as drogas em Bacabal


     Na tarde desta terça-feira (26), o Conselho Municipal de Políticas Sobre Drogas de Bacabal reuniu escolas da rede municipal e estadual para realização da II Caminhada  pela Paz e prevenção as drogas no município de Bacabal.O evento começou às 16:00 no Salão de Juri da Comarca de Bacabal e foi aberto pelo Presidente do COMPOD Fonteneles que fez uma explanação sobre as ações e projetos do Conselho.
     O Meritíssimo Juiz Dr. Jorge  e membro do conselho falou sobre a importância da caminhada e apresentou o site da instituição para todos os presentes e realizou a entrega de Diplomas de Honra ao Mérito para Professores que se destacaram em olimpíada com diversas atividades relacionadas à prevenção ao uso das drogas. A mesa de honra foi composta por lideranças religiosas, da sociedade civil e  autoridades do Ministério Publico, polícia federal e representantes do conselho.

     A ação, coordenada pelo Juiz de justiça  Jorge, titular da 3ª  Vara daCoarca de Bacabal,através do COMPOD,  visa conscientizar a população e os estudantes sobre as drogas. O evento contou com a participação de estudantes da rede municipal e estadual de ensino, além da população em geral.  Durante o percurso  algumas pessoas serviram água aos participantes da caminha Ao final do evento a Companhia de Teatro "Alfa e Ômega"   apresentou em espetáculo sombre o assunto da caminhada.
    
O dia 26 de junho marca a data escolhida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o Dia Internacional de Combate às Drogas. O uso de drogas é um mal social em todo mundo. Segundo dados do Relatório Mundial sobre Drogas da ONU, cerca de 5% da população mundial entre 15 e 64 anos, o que corresponde a uma média de 243 milhões de pessoas, usa drogas ilícitas.
     O relatório aponta também a existência de uma média de 27 milhões de usuários de drogas problemáticos - aqueles que consomem drogas regularmente ou que apresentam distúrbios ou dependência. O número corresponde a 0,6% da população adulta mundial, ou seja, cerca de uma a cada 200 pessoas. 
     A II Caminhada pela paz e Prevenção as drogas foi importante por que trouxe a tona a discussão da prevenção às drogas para a juventude e toda a família.  O foco principal são as crianças, porque a partir do momento que você semeia essas ideias de prevenção às drogas ela vai ser discutida em casa, na mesa do café, almoço e jantar. Eles são multiplicadores dessa ideia.

O que é o COMPOD?
      O Conselho Municipal de Políticas Sobre Drogas de Bacabal – COMPOD é um órgão colegiado permanente, autônomo, deliberativo, consultivo, orientador da política pública de prevenção ao uso indevido de substâncias psicoativas lícitas e ilícitas que causem dependência física ou psíquica, bem como das políticas relacionadas com o tratamento, a recuperação, a redução de danos e reinserção social de dependentes químicos no município de  Bacabal, em consonância com a política nacional de atenção ao álcool e outras drogas.
     Veja abaixo as fotos da caminhada .




segunda-feira, 25 de junho de 2018

Hoje é dia de Poesia: Prisma!


sábado, 23 de junho de 2018

Rogerio Santos emite Nota de pesar pelo falecimento do instrumentista Edinho Leaner

     
                                           NOTA DE PESAR


     Rogério Santos, família e toda comunidade da Cohab lamenta, com pesar, o falecimento do musico Edinho Leaner, que morreu neste sábado, 23, vítima de uma parada cardíaca.
     Edinho era um grande musico que encantava todos com seu talento.
    Venho através desta, agradece ao artista Edinho pelos relevantes serviços prestados à cultura da cidade e presta condolências aos familiares e amigos em nome de todos que integram a valorosa cultura musical  Bacabalense.

Rogério Santos e Família

Prefeito Domingos Dutra declara apoio a Simlício Araújo



         
O prefeito de Paço do Lumiar Domingos Dutra reiterou, nesta última sexta-feira(22, em conversa com o Presidente Estadual do Solidariedade, Simplicio Araújo, total apoio à sua pré candidatura.

          O prefeito Domingos Dutra acompanhou e apoiou o convite de diversos segmentos sociais e partidos à sua esposa, Nubia Dutra, que insistiram com ela para que a mesma entrasse na disputa por uma cadeira na assembleia, camara e até mesmo senado. Após amplo debate interno e também pela grande necessidade da presença firme de Núbia junto à ele na gestão de Paço, Dutra e ela acabaram por decidir pela sua presença no corpo técnico da administração municipal.

          Com essa decisão, Dutra retoma o apoio ao pré candidato Simplicio Araújo, parceiro de câmara dos deputados, da luta pela derrubada da oligarquia no Maranhão e amigo que mais contribuiu para a vitória de Dutra em Paço do Lumiar em 2016.

         Dutra e Simplício tem perfis de luta muito similares e sempre estiveram juntos nos últimos anos, seja em questões nacionais, estaduais, no apoio à construção de partidos como Rede e o Solidariedade ou com o então “partido do Maranhão” que consolidou a vitória de Flavio Dino em 2014.

Morre o músico Edinho Leaner

     
Bacabal perde um dos seus melhores artistas,o instrumentista Edinho Leaner, passou mal e foi para a clínica de Dr. Maurício e de lá encaminhado para o Hospital Laura Vasconcelos. Na hora que foi entubado teve parada cardiorrespiratória onde faleceu na manhã deste sábado (23) as 11h.
      Edinho Bolado, como era carinhosamente chamado no meio artístico, deixa uma lacuna na cultura pelos relevantes trabalhos prestados na musica maranhense, musico criativo, foi responsável por grandes arranjos musicais e conquistava a todos com seu sorriso e educação .
      De acordo com informações, o corpo será velado na VP 16, Quadra 37, Casa 04, bairro Cohab II, em Bacabal. O velorio sera realizado amanha na igreja da Cohab onde havera uma missa de cor
po presente as 7 e meia, o cortejo fúnebre esta marcado para a tarde de domingo(24)
    Edinho era servidor da Secretaria Municipal de Saúde e uma pessoa extremamente bem relacionada no meio artístico onde por muito tempo se apresentou ao lado do cantor Assis Melodia e em muitos outros grupos musicais.
      Ele também era amante e praticante das artes marciais.

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Fabilsom Barros poderá ser próximo prefeito de Bacabal

  
Com o afastamento do prefeito José Vieira pela Justiça  são muitos os rumores de Pré-candidatos para prefeito de Bacabal na próxima eleição complementar, começa a correr nos famosos senadinhos da cidade um nome novo na disputa pelo "Palácio das Bacabas", Fabilsom Barros, empresario e atual Secretario de emprego e renda do município é tido como um dos melhores nomes da nova gerarão política bacabalense.
   Dinâmico, Fabilsom é tido como como o melhor secretário do município  de Bacabal por sua atuação forte e competente para o desenvolvimento do município.
   Além de suas características pessoais que outros motivos levariam a classe política, lideranças e o povo em geral  a apoiar Fabilsom para prefeito de Bacabal? Simples, ele tem um bom relacionamento com todos os segmentos da sociedade bacabalense,  além de ter acesso direto ao governo do estado.
   Fabilsom não caiu de para quedas na cidade, Filho de Bacabal e também do empresário Expedito Rodrigues das lojas Sucesso Magazine, é irmão do atual Secretário de Estado da Industria e Comercio Expedito Junior e esposo da Conceituada Dentista Dra. Georgianni.
 
Simplício Araújo, Flávio Dino e Fabilsom
Presidente do Partido SOLIDARIEDADE (77)  em Bacabal, é ligado ao pré-candidato a Deputado Federal Simplício Araújo outra grande liderança que nasce para o Maranhão.
   Nesse momento de mudança quando o povo está desacreditado dos políticos de carreira surge um novo líder, Fabilsom Barros é o nome ovacionado em todos os bairros da cidade.
   O povo busca um novo nome sem os vícios da velha política praticada em Bacabal, Fabilsom ético e honesto,  luta pelos anseios da população,  está presente na sociedade , e quer dá respostas a todos de seu trabalho,  não quer  abandonar suas bases e quer  justificar o salário e benesses que por ventura venha a conquistar sendo funcionário do povo.
É esperar pra ver!

Juninas de Açailândia realizam apresentação em agradecimento ao apoio recebido de Simplício Araújo

    

 Diversas quadrilhas juninas de Açailandia realizaram apresentações  na noite de quarta feira (20)20.06.2018 na residência do vice-prefeito Aluísio Sousa, onde os grupos juninos puderam externar seus agradecimentos aos mesmos pelo apoio.
      Com a ajuda  recebida, além de ajudar na realização do espetáculo em si ainda foi viabilizada a logística de viagens das juninas pra representar Açailândia e o Maranhão no Estado e na Região Nordeste. 
     Simplício Araújo articulador das ajudas ficou surpreso com as apresentações, agradeceu a iniciativa das juninas e se comprometeu com as lutas e reivindicações do movimento cultural maranhense. 


 

Seleção Brasileira sofre, mas vence a Costa Rica por 2 x 0

A primeira vitória do Brasil na Copa do Mundo veio no fim do jogo. De forma dramática. E carregada de muito sofrimento. Depois de passar 90 minutos tentando furar a defesa da Costa Rica, a seleção só chegou aos gols nos acréscimos. Philippe Coutinho fez seu segundo gol na Copa e Neymar fechou o placar: 2 x 0 para o Brasil.
O alívio após a pressão do empate no primeiro jogo (1x1 com a Suíça) e uma partida muito difícil contra a seleção caribenha levaram Neymar às lágrimas após o apito final. O Brasil mostrou mais volume de jogo, mas, pouca precisão nas finalizações. “A vitória foi justa. Premiou quem quis jogar”, disse o zagueiro Thiago Silva após a partida.
O VAR – o árbitro de vídeo – entrou em ação na partida de hoje. O árbitro holandês Bjorn Kuipers marcou pênalti em Neymar no segundo tempo, mas anulou após consultar o replay da jogada. A decisão de Kuipers foi correta.

Como foi o jogo

O Brasil encontrou um adversário muito bem fechado na defesa. A Costa Rica marcou a saída de bola do Brasil e se fechava com eficiência. Coutinho e Gabriel Jesus pouco fizeram durante o primeiro tempo. Neymar, jogando pela esquerda, era sempre cercado por dois ou mais adversários quando pegava na bola.
A Costa Rica explorava os contra-ataques, sempre com Ureña isolado no ataque. E, aos 12 minutos, a primeira chance real de jogo foi da Costa Rica. Numa chegada pela direita do ataque, Borges bateu para o gol, à direita do goleiro Alisson.
O Brasil teve uma posse de bola muito superior, mas não ameaçou o gol de Navas. As esperadas jogadas de habilidade do ataque brasileiro para furar a defesa não aconteceram.

Segundo tempo

Na etapa final, com Douglas Costa no lugar de Willian, o Brasil começou melhor. Aos 2 minutos, a Seleção Brasileira conseguiu entrar na área com perigo, mas Navas se antecipou a Neymar.
Na sequência, o Brasil quase chegou ao gol duas vezes. Gabriel Jesus cabeceou na trave e, na sobra, Philippe Coutinho chutou e a bola só não entrou porque o zagueiro salvou com o pé. Aos 10 minutos, Neymar recebeu bola cruzada na área e bateu para gol, mas Navas mandou para escanteio.
Depois da série de oportunidades, o jogo esfriou e a Costa Rica voltou a controlar o ataque brasileiro. Só 26 minutos o Brasil teve nova chance de abrir o placar. Neymar recebeu e bateu para o gol na entrada da área, mas a bola saiu à direita.
Aos 32 minutos, o Brasil chegou com velocidade e Neymar caiu na área e o juiz marcou pênalti. Ele, no entanto, consultou o árbitro de vídeo e anulou a marcação. O jogo continuava 0 x 0 e deixava os jogadores brasileiros cada vez mais nervosos. Neymar e Coutinho foram punidos com cartão amarelo por reclamação.
O Brasil finalmente marcou aos 45 minutos. Firmino cabeceou para o meio, Gabriel Jesus escorou e Coutinho completou para o gol; 1x0. Festa em São Petersburgo, na Rússia, e em todo o Brasil. A angústia, enfim, terminava.
Faltando 4 minutos para o fim da partida, a seleção ficou tocando bola, gastando o tempo. E teve tempo para o segundo gol, com Neymar. Em contra-ataque rápido, Casemiro tocou para Douglas Costa, que centrou para o camisa 10 do Brasil ampliar o placar. Com o apito final, veio o alívio da primeira vitória do Brasil na Copa.
Na próxima rodada, o Brasil enfrenta a Sérvia. O jogo será na próxima quarta-feira (27) às 15h (horário de Brasília). O Brasil lidera o grupo E com 4 pontos em dois jogos. Hoje, às 15h, Sérvia e Suíça fecham a segunda rodada do grupo.
Edição: Zezinho Casanova
FONTE Agencia Brasil 
 

Diocese de Bacabal completa hoje 50 anos de fundação

     
A Diocese de Bacabal completa 50 anos de criação nesta sexta-feira (22). Para comemorar a data, uma missa será celebrada na Igreja Matriz Sant’Ana e São Joaquim. A celebração ocorrerá às 19:00h e será presidida pelo bispo diocesano Dom Armando Martín Gutiérrez e concelebrada pelos padres da diocese. São esperados representantes de todas as pastorais e movimentos da cidade.
      A Diocese de Bacabal faz parte do Regional Nordeste V da CNBB, está localizada no estado do Maranhão e foi criada em 22 de junho de 1968 através da Bula “Visibilis Natura”, do Papa Paulo VI, desmembrada da Arquidiocese de São Luís e da então Prelazia de São José de Grajaú (hoje Diocese de Grajaú), sendo instalada em 01 de novembro de 1968. Em 26 de novembro de 1993, por ocasião dos 25 anos de Diocese, Dom Henrique Johannpötter proclamou solenemente Nossa Senhora da Conceição como padroeira da Igreja Particular de Bacabal. Santa Terezinha do Menino Jesus continuo sendo a titular da Catedral e Padroeira da cidade.
     
Dom Armando Martin Gutierrez atual Bispo de Bacabal
Nestes 50 anos, a Diocese teve como bispos; Dom Frei Pascásio Rettler, OFM (1968-1989), Dom Frei Henrique Johannpötter, OFM (1989-1997), Dom Frei José Belisário da Silva, OFM (1999-2005) e Dom Armando Martín Gutiérrez, F.A.M (2007-atual). Contou com a colaboração dos Administradores Diocesanos, Frei Frederico Zillner, OFM (1997 a 2000) e Frei Heriberto Rembecki, OFM (2005 a 2007) que administrou a Diocese até a chegada de Dom Armando.
      Atualmente, a Diocese de Bacabal conta com 20 paróquias e 3 quase-paróquias distribuídas em 27 municípios. São mais de 40 padres e cerca de 12 diáconos permanentes.
Fonte

Pascom Santana

Ricardo Duailibe defende que eleitor de Bacabal escolha novo prefeito no segundo turno da eleição regular


         
Segundo informações veiculadas pelo Blog do Clodoaldo, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA), Ricardo Duailibe, falou ao titulad ao mesmo sobre a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que cassou o mandato do prefeito de Bacabal, Zé Vieira, e determinou nova eleição no município.

          Duailibe explicou que, pela legislação, o último prazo para realizar eleição suplementar em ano de eleição regular presidencial é dia 24 de junho, o que seria impossível. Assim, a eleição ficaria apenas para o ano que vem. Porém, se com justificativa plausível, o TSE pode autorizar eleição neste ano. Caso isso ocorra, Duailibe defende que a eleição seja realizada ainda este ano junto com o segundo turno das eleições (28 de outubro). Ele faz a ressalva de que ainda pode haver recurso de Vieira ao STF. Mas, logicamente, será muito difícil reverter a decisão unânime do plenário do TSE.

        
pode haver recurso de Vieira
  “Essa decisão é de anteontem à noite e ainda há uma expectativa. Mas posso adiantar aspectos legais. Pela lei, só poderíamos fazer estas eleições até 24 de junho, bem aí. Isto porque estamos em ano de eleição presidencial. Há esta vedação, mas dá uma brecha. Excepcionalmente, desde que haja justificativa, o TSE pode autorizar fazer. Agora, minha opinião é que se tivermos que fazer, claro que é uma decisão coletiva, mas até por uma questão prática e de economia, o orçamento do tribunal foi reduzido, aproveitar as eleições de outubro e fazer no segundo turno. Devemos ter e faríamos nesta data. É uma ideia. Mas pela lei, só ano que vem. Mas já pensou esta despesa? E ainda temos que aguardar que pode ter eventual recurso para o Supremo Tribunal Federal. Em Tocantins, foram até os embargos”.

          Ricardo Duailibe também falou da preparação da eleição regular com a capacitação de todos os juízes eleitorais do Maranhão, em virtude das mudanças da legislação eleitoral.

          “Nos estamos fazendo um seminário para capacitar mais ainda nossos 105 juízes eleitores, com a participação dos promotores e advogados que militam na área. Uma parceria com a Universidade Ceuma. Essa preparação é importante porque a justiça eleitoral muda muito e estamos fazendo nosso dever de casa. Com certeza faremos uma eleição com tranquilidade, transparência e lisura”. 
Com informações do Blog do Clodoaldo

quinta-feira, 21 de junho de 2018

A importância do Maranhense Graça Aranha para Semana de Arte Moderna



     Apesar de existir uma ampla e variada fortuna crítica sobre o modernismo em São Paulo – revistas, autores, grupos etc. -, que procura dar conta da pluralidade do legado modernista –, alguns nomes parecem relativamente esquecidos pelas historiografias do movimento entre nós. Isso tem levado à concentração das análises em certo número de autores, projetos e obras, eleitos como representantes emblemáticos do período. José Pereira da Graça Aranha (1868-1931) é um deles.Reconhecido como um dos personagens centrais pelo grupo de intelectuais e artistas ligados à Semana de Arte Moderna de 1922, é, contudo, com raras exceções, deixado de lado pelos estudiosos em geral e, em geral, só está presentes nas análises de bastidores e/ou em referências de terceiros.
     Ao ocupar uma posição fora do "centro", Graça Aranha fornece um acesso privilegiado a uma cena ambígua, complicada e repleta de fios soltos, aos quais ele mesmo se encontram emaranhados. Este artigo pretende observar mais atentamente suas redes de sociabilidade e inserção, que revelam, entre outras coisas, as ambivalências do engate do autor em um projeto "moderno", assim como certas ambivalências presentes no interior do próprio movimento modernista brasileiro.

Graça Aranha: o "protomártir da nova era"


      A importância de Graça Aranha para o movimento modernista de 1922 tem sido muitas vezes minimizada, apesar da repercussão de suas obras e de ter sido seu o discurso de abertura da Semana de Arte Moderna. Definido por Oswald de Andrade, em fevereiro de 1922, como o "protomártir da nova era" (apud Boaventura, 2000: 108), descrito por Mário de Andrade, na mesma época, como "a antemão da Semana" (Ibidem: 61), Graça Aranha, aos poucos, passa a ter sua presença sistematicamente desprezada nas avaliações do movimento. Ao que parece, isso se deve à incorporação de um discurso formulado pelos próprios participantes do movimento, que, no decorrer do tempo, elegem e cristalizam as imagens de Mário de Andrade (1893–1945) e Oswald de Andrade (1890-1954) como seus líderes legítimos, o que acaba por ofuscar a pluralidade do grupo modernista.2

      Além de diplomata, Graça Aranha fora um os fundadores da Academia Brasileira de Letras e se consagrara nacionalmente com a publicação do romance Canaã (1902). Nas palavras de Di Cavalcanti, era "um nome sonoro de antologia escolar" (Di Cavalcanti, 1955: 112). Mário de Andrade, em artigo publicado por ocasião da Semana, explica que Graça Aranha emprestou para um projeto até então "inválido" o prestígio de seu renome e o apoio de sua atividade (apud Boaventura, 2000: 61). Desse modo, completa Di Cavalcanti, ele teria dado um ar de "seriedade" ao evento, pois "sua habilidade de diplomata, seu savoir faire de mundano, sua autoridade de mais velho, agiam como música sedutora" (Di Cavalcanti, 1955: 114).

      Secretário de Joaquim Nabuco (1849-1910), Graça Aranha havia passado um longo período na Europa, com estadas intermitentes no Brasil. Esteve em Paris, Londres e Roma, entre 1899 e 1903, época na qual frequentava o apartamento parisiense de Eduardo Prado (1860-1901), por meio de quem conhece Paulo Prado, seu sobrinho. De volta ao Brasil, entre 1904 a 1911, inicia um romance com Nazareth Prado (1875-1949), irmã de Paulo, mas logo regressa à Europa como diplomata, regressando definitivamente ao Brasil somente em 1921, meses antes da concretização da Semana. Seu retorno definitivo ao país e, mais especificamente, sua longa estada em São Paulo, quando sua esposa o esperava no Rio de Janeiro, estavam diretamente relacionados não apenas a um desejo de renovação estética e/ou a vontade de reencontrar Nazareth: Aranha tinha também importantes negócios comerciais a serem resolvidos na capital paulista.

      Desde o início do século XX, Graça Aranha vinha estreitando relações com a família Prado, sobretudo com Antônio Prado (1840-1929) e seus filhos, Paulo e Nazareth. Este mesmo círculo - junto a Oduvaldo Pacheco e Silva, marido de Nazareth, e Afonso Arinos de Melo Franco (1868-1916), também casado com uma irmã de Paulo Prado – havia organizado, em 1915, a vinda de Graça Aranha a São Paulo, para uma conferência oficialmente promovida pela Sociedade de Cultura Artística da cidade. Durante a conferência, realizada no recém-inaugurado Teatro Municipal – cuja construção, autorizada pelo governo de Antônio Prado, em 1903, fora concluída em 1911 –, Graça Aranha discursou sobre "A mocidade heroica de Joaquim Nabuco", tema provavelmente escolhido por ele mesmo.

      Por ocasião da conferência, Graça Aranha já estava envolvido com os negócios da família Prado, que não eram poucos. Dois meses antes, em fevereiro de 1915, Antônio Prado – que, na época, presidia um grande número de empresas, como o Banco do Comércio e da Indústria, a Companhia Paulista de Estradas de Ferro, o Curtume Água Branca, o Frigorífico Barretos, a Vidraria Santa Marina, além de negócios imobiliários no Guarujá e o Automóvel Clube – lhe havia enviado uma carta a respeito de uma remessa de café para a Rússia, via Estocolmo, e sobre as exportações de carnes congeladas que a família começara a fazer para a Itália e Inglaterra (apud Azevedo, 2002).3 Graça Aranha lhe responde oferecendo sua ajuda para intermediar os negócios da família Prado na Europa (Ibidem).4
      Nesse período, a Companhia Prado Chaves – primeira exportadora brasileira de café, fundada em 1887 e então sob direção de Paulo Prado –,5 já era a maior exportadora de café da Primeira República, mas no setor de carnes congeladas a situação era bem diferente e o auxílio de Graça Aranha era de grande valia. Tratava-se de um novo ramo, com um mercado tradicional já ocupado, sobretudo pelos argentinos, mas com novos e gigantescos mercados abrindo-se rapidamente, envolvendo grande concorrência. Assim, para investir na venda de carnes congeladas, a família Prado fundara, em 1913, a Companhia Frigorífica e Pastoril de Barretos.
      Antigo funcionário da Companhia Prado Chaves, Pedro Luiz Pereira de Sousa, explica que foi Paulo Prado quem trouxe o know-how e os materiais da Europa e a mão de obra especializada da Argentina e dos Estados Unidos. Além disso, Paulo Prado teria se associado à poderosa Companhia Mecânica e Importadora, do conde Alexandre Siciliano (1860-1923), que também contava com a família Prado entre os acionistas herdeiros (Sousa, 1950).
      Aparentemente, pelo que se pode depreender das correspondências trocadas entre Antônio Prado e Graça Aranha, o autor de Canãa passa a intermediar, a partir de 1915, os interesses da Companhia Frigorífica e Pastoril de Barretos e os da Companhia Mecânica e Importadora de São Paulo junto ao governo inglês. Para isso, começa a receber mensalmente, de ambas as companhias, mil e quinhentos réis (Azevedo, 2002). Não por acaso, será descrito por Lima Barreto, em 1917, como o "caixeiro-viajante" dos Prados (apud Barbosa, 1952: 250).
      Figura prestigiada e com bom trânsito no circuito político-intelectual que governava as nações capitaneadas pela França e pela Inglaterra, Graça Aranha há de ter visto, com a ajuda da família Prado, as possibilidades de ganho que a guerra abria a esse novo tipo de investimento. Para justificar suas ações, irá defender os negócios realizados junto à família Prado como parte de uma guerra econômica contra a Alemanha, pelo abastecimento das nações aliadas. Já em carta à esposa, a justificativa será outra: "já é tempo de ser formiga – e deixar o canto de cigarra – farei tudo para ganhar a nossa vida e nos libertar de tanta pobreza" (apud Azevedo, 2002: 206).6  
      Ao retornar definitivamente ao Brasil, em novembro de 1921, além de tratar dos empreendimentos da família Prado, Graça Aranha visita a primeira exposição de quadros e desenhos de Emiliano Di Cavalcanti (1897-1976), intitulada "Fantoches da meia-noite", na livraria O Livro, de Jacinto Silva. Anos depois, Di Cavalcanti explica como se deu tal visita:
     O velho Jacinto Silva chamou-me misteriosamente a um canto e anunciou-me a presença de Graça Aranha em São Paulo, pedindo-me que eu fizesse o possível para reunir gente nova no recinto de minha exposição, porque o glorioso acadêmico desejava contatos com a mocidade literária e artística de São Paulo. (...) [mas] mal havia terminado de me pedir a convocação dos moços paulistas, eis que chega Graça Aranha" (Di Cavalcanti, 1955: 112).
      Ainda que, segundo Di Cavalcanti, Graça Aranha tenha observado suas obras com "gloriosa distância", criticando o "atormentado" de seus desenhos e quadros, é nessa exposição que ele inicia uma aproximação com os futuros participantes da Semana de 1922, sendo apresentado pessoalmente a Mário e Oswald de Andrade, Menotti del Picchia (1892-1988) e Guilherme de Almeida (1890-1969) ((Di Cavalcanti, 1955: 112-113). Ao se aproximar dos modernistas de São Paulo, Aranha logo pensa em Paulo Prado – com quem, aliás, já havia conversado sobre "os jovens muito modernos" que conhecera em São Paulo – e lhes sugere que o procurem, pois acreditava que ele seria simpático ao movimento, por achar positiva a "renovação" (apud Azevedo, 2002: 268). Di Cavalcanti esclarece um pouco mais essa relação:

      Graça Aranha tinha uma ligação de amizade com Paulo Prado, personalidade que nenhum de nós conhecia e muito menos sabíamos ser um erudito da história do Brasil e um escritor excelente. Graça Aranha explicou quem era Paulo Prado e suas disposições em relação ao nosso movimento. Partindo para o Rio, Graça deu-me um cartão de apresentação a Prado e fui eu, do grupo modernista, o primeiro a conhecer aquela figura nobre e elegante de civilizado paulista, educado pelo tio Eduardo Prado, por Eça de Queirós, amigo de Claudel, homem que conheceu Oscar Wilde, dançarinas do tempo de Degas e o próprio Degas (Di Cavalcanti, 1955: 114-115).

      Após a virada do ano, no entanto, Graça Aranha escreve a sua esposa e afirma ter encontrado entre os paulistas um clima de "desânimo", pois faltava apoio material à Semana (Azevedo, 2002: 271).7 Paulo Prado, potencial financiador do evento, parecia estar mais envolvido com os negócios e com a política do que com a literatura e as artes. Segundo as próprias palavras do próprio Prado, "outros cuidados fala[va]m mais alto do que as mais atraentes polêmicas artístico-literárias" (Prado, 1926). Mas "agora tudo sai!", afirma Aranha, "estou organizando um comitê, com Paulo Prado à frente" (Azevedo, 2002). Assim, "a muito custo (...) começaram os preparativos das festas..." (Di Cavalcanti, 1955: 114). Além de incentivar a atuação de Prado, Aranha foi também responsável por acertar algumas participações cariocas no programa do evento, como as de Ronald de Carvalho (1893-1935) e Heitor Villa-Lobos (1887-1959), com os quais mantinha laços de amizade (Azevedo, 2002).

      Como reconhecimento de seu prestígio enquanto viabilizador da arte moderna, Graça Aranha é quem irá proferir a conferência inaugural da Semana de 1922, intitulada "A Emoção Estética na Arte Moderna". Retomando aí as ideias centrais de seu livro recém-lançado, A estética da vida (1921), Aranha lança as bases do evento modernista: "o que hoje fixamos não é a renascença de uma arte que não existe. É o próprio comovente nascimento da arte no Brasil, e como não temos felizmente a pérfida sombra do passado para matar a germinação, tudo promete uma admirável florada artística" (Aranha, 1968: 744).

      Deixando de lado o significado filosófico de sua concepção de arte (Jardim, 1978), podemos observar uma recusa em ver na imitação da natureza uma finalidade artística. Opondo-se a uma natureza "fixa" e "eterna", Graça Aranha explica que "tudo passa" e que o artista moderno deve estar em "íntima correlação com a vida moderna na sua expressão mais real e desabusada" (Aranha, 1968: 742). Nesse sentido, suas formulações parecem se afinar ao projeto modernista de renovação, que ele, não por acaso, anuncia ritualmente com o pronunciamento de abertura.

Parece claro, portanto, que a centralidade de Graça Aranha na Semana de 1922 diz respeito não apenas ao prestígio e ao apoio que ele oferece ao grupo, mas também às suas ideias, que irão dialogar com as propostas modernistas em curso. Meses antes do evento, quando da elaboração de A estética da vida, Aranha parece evidenciar também aquilo que será central no "segundo tempo modernista", ou seja, que sem a afirmação da nacionalidade a integração brasileira ao universal não estaria assegurada (Jardim, 1978).8 A "estética" por ele proposta reside justamente na integração do "eu" - a nacionalidade - à "realidade cósmica", e à sua "tradução estética" (Aranha, 1968: 734). Nesse sentido, não parece exagerado afirmar que o modernismo brasileiro é profundamente marcado por suas reflexões.9

Todavia, a literatura e as artes expandem-se em direção à política e vice-versa. Menos de 15 dias após a realização da Semana de Arte Moderna, as eleições presidenciais consagraram a vitória do candidato situacionista, Artur Bernardes (1875-1955), o que levou algumas unidades militares do Rio de Janeiro e do Mato Grosso a se insurgirem contra o governo. Entre elas estava a unidade do Forte de Copacabana, que iniciou sua revolta em 5 de julho, no mesmo dia em que Graça Aranha telegrafou a seguinte mensagem a Paulo Prado, em uma provável tentativa de articular a adesão paulista: "tumor arrebenta hoje" (apud Anjos, 1975: 152).


Muitos dos suspeitos de conspirar contra o governo são presos no dia seguinte ao levante de Copacabana, entre eles Graça Aranha, que ficará detido durante quase um mês. Nessa ocasião, Oswald de Andrade teria endereçado ao governo um manifesto de intelectuais paulistas, por ele redigido, pedindo a soltura do amigo. Logo após ser liberado, Aranha é convocado novamente para se apresentar à Polícia para uma acareação, mas prefere se afastar do Rio de Janeiro e da perseguição policial, fugindo para o interior de São Paulo, onde se estabelece em uma das fazendas de Antônio Prado, a São Martinho (Azevedo, 2002).


De acordo com as anotações do diário de Tristão de Athayde, Graça Aranha é mais uma vez detido em 1924. Embora não acredite no seu envolvimento com o movimento político paulista, Tristão ressalta que Aranha era sempre visto ao lado de Antônio Prado, "que seguramente anda[va] com o dedo em todas essas tramas revolucionárias" (Ibidem: 385). Inclusive, no "Manifesto Revolucionário de 1924", publicado em diversos jornais da época, os "chefes do movimento revolucionário" chegam a convidar publicamente Antônio Prado para assumir o governo de São Paulo (apud Silva, 1964: 531).


Talvez como uma forma de manifestar apoio ao escritor perseguido e à sua postura antigovernista, a redação da Klaxon - Mensário de Arte Moderna,10 a primeira revista modernista do Brasil, resolve lançar o último número de 1922 inteiramente dedicado a Graça Aranha. Como a Klaxon não possuía diretor ou redator-chefe –funcionando como um órgão colegiado no qual todos participavam das diferentes etapas de sua realização, e Paulo Prado era integrante do grupo da revista –, é bem possível que tal ideia tenha surgido no círculo da família Prado. De qualquer maneira, a homenagem é acatada pela Klaxon, ainda que as colaborações mostrem ser o personagem um tanto controverso. Os ensaios publicados são de amigos do homenageado, como os cariocas Ronald de Carvalho e Renato de Almeida. Mário de Andrade, presença frequente nos números anteriores, aqui comparece só com um poema, assim como Guilherme de Almeida e Sérgio Milliet (1898-1966). De Tarsila do Amaral (1886-1973), é publicado um retrato de Graça Aranha. De Oswald, nem uma só palavra.


Dois anos depois, as controvérsias em torno de Graça Aranha aumentam. Ao proferir a conferência "O Espírito Moderno", na Academia Brasileira de Letras, em junho de 1924, Aranha não somente propõe seu famoso desafio à instituição – "se a Academia não se renova, morra a Academia" –, como ressalta que "o primitivismo dos intelectuais é um ato de vontade, como o arcadismo dos acadêmicos" (Aranha, 1968: 53-54). Oswald de Andrade, que havia publicado no início do mesmo ano seu "Manifesto da Poesia Pau-Brasil", não fica nada satisfeito com o comentário daquele que tinha sido por ele caracterizado, ao lado de Paulo Prado, como "à frente" do movimento modernista (apud Boaventura, 2000: 53). Poucos dias depois, Oswald publica no jornal A Manhã um ataque direto ao conferencista:


Graça Aranha é um dos mais perigosos fenômenos de cultura que uma nação analfabeta pode desejar. Leu mais duas linhas do que os outros, apanhou três ideias além das de uso corrente e, faquirizado por uma hipnose interior, crédulo e ingênuo, quer impor à outrance os seus últimos conhecimentos, quase sempre confusos e caóticos" (apud Batista et al., 1972: 216).


Ao longo de todo o artigo, Oswald de Andrade procura desmoralizar a figura de Graça Aranha. Revela, ainda, que o contato de Aranha com o cubismo, um dos temas da conferência na Academia, teria ocorrido "apenas há três semanas, tomando chá comigo e Paulo Prado no ateliê na pintora Tarsila do Amaral" (Ibidem: 217). Em carta ao poeta Manuel Bandeira, Mário de Andrade afirma que Graça Aranha teria confessado a Paulo Prado que aquela era mesmo uma crítica dirigida a Oswald e ao seu interesse pelas propostas primitivistas europeias, o que, para Mário, criou uma situação muito "desagradável" (apud Moraes, 2000: 135).11 Esses indícios sugerem que, de fato, não havia grupos definidos durante a Semana de Arte Moderna; as divergências e coletivos mais definidos parecem surgir posteriormente.12


O impacto positivo deixado por Graça Aranha em Oswald de Andrade, e em outros participantes da Semana, por ocasião da realização do evento, parece ter aos poucos se alterado, ao mesmo tempo em que os próprios modernistas redefiniam seus agrupamentos e disputavam a liderança do movimento. Mário de Andrade, por exemplo, ao enviar uma carta de solidariedade a Aranha pelo seu desligamento definitivo da Academia, confessa a Manuel Bandeira ter subtraído uma "ironia" na carta ao "camarada": "a ironia vinha do sacrifício que ele fazia da Academia para ganhar a grande Glória de ser condutor de gentes" (apud Moraes, 2000: 154).13 No ano seguinte, em carta a Paulo Prado, Mário conclui que Graça Aranha só deu seu apoio à Semana de 1922 por ser um "interesseiro", "interessado" e "interessista" (apud Calil, 2004: 224).14

      As acusações de que Graça Aranha queria tomar para si a liderança do movimento atingem tais dimensões que a redação do jornal A Noite, após publicar, em 1925, uma entrevista na qual Mário de Andrade o chama de "papa do futurismo", publica também uma nota ressaltando que "não é verdade que o escritor Graça Aranha tenha vindo a esta casa protestar por termos dado ao Sr. Mário de Andrade e não a ele o papado do futurismo" (apud Batista et al., 1972: 279). No mesmo ano, em artigo publicado na Estética, revista carioca modernista dirigida por Sérgio Buarque de Holanda (1902-1987) e Prudente de Morais Neto (1895-1961), Mário faz questão de enfatizar que o modernismo não veio ao Brasil "dentro da mala de Graça Aranha" (Andrade, M., 1925: 338).
 
      Pelo que se sabe, Paulo Prado, apesar de ser o autor do prefácio da Poesia Pau Brasil (1925), de Oswald de Andrade, não se manifestou a respeito dessas acusações, mantendo-se diplomaticamente afastado de tais polêmicas. Graça Aranha não só continuará participando dos empreendimentos da família Prado, como irá romper de vez – embora não publicamente – seu casamento oficial para ficar com Nazareth (Azevedo, 2002). Inclusive, em 1928, Prado será um dos colaboradores da revista carioca Movimento Brasileiro, dirigida por Aranha e Ronald de Carvalho. Tal publicação, em seu primeiro número, adianta aos seus leitores trechos do ainda inédito Retrato do Brasil, de Paulo Prado, e elogia o autor do livro.15 Assim, em meio a tantas controvérsias, Prado parece ter preservado sua amizade com Graça Aranha.
Clique AQUI  e veja Biografia do escritor Graça Aranha.




Holiday , o Capitão do Mato - Vanessa Oliveira Professora do ABC


         
Está circulando um vídeo na internet de um jovem negro Fernando Holiday criticando as cotas, ele é um dos participantes do pró-impeachment que atuam de forma assídua a favor do sistema capitalista. É incrível a falta de conhecimento histórico e legislativo dele. Com falas bem rasas e com muitas ofensas, e até incitações machistas, ele alega que negro não precisa de cota, pois tem que conseguir as vagas na faculdade por mérito.
           Vamos lá, será que ele sabe que as ações afirmativas são estabelecidas não só no Brasil, mas em muitos países para reparação histórica?
          Um dos primeiros países que oficializou essa politica pública foi os Estados Unidos na década de 60 do século XX, para combater as diferenças entre brancos e negros. Elas são instituídas depois de uma análise e leitura do contexto histórico e social vivido do país, e assim que comprovada tais desigualdades e suas consequências na sociedade , devem gerar ações para sua reparação, essas politicas possuem prazo de validade e podem ser reavaliadas , ou seja, assim que a desigualdade não existir mais, as ações também perdem validade.
           Sabemos que dentro desse sistema capitalista, tais reparações ainda são mínimas e precisam ser de fato acompanhadas para que realmente aconteçam, não é de forma alguma esse presente apresentado pelo Holiday, aliais o vestibular como sabemos parte dos critérios meritocratas onde a vaga na universidade é daquele que consegue a maior pontuação nas provas.
           Como competir em situações desiguais? A pobreza aqui no Brasil tem cor, e mora em sua maioria em zonas periféricas onde o acesso à escola existe, porém as condições de estudos são precárias, faltam professores, materiais didáticos, acompanhamento pedagógico, o aluno muitas vezes precisa estudar no período noturno, pois trabalhar durante o dia. Enquanto a burguesia, maioria branca, tem escola privada de qualidade, estuda em tempo integral, não passa pelos apertos econômicos e sociais. Será que apenas o esforço individual é suficiente? Será que a pontuação que a ação afirmativa de cotas atribuiu ao negro, consegue equiparar todo o despreparo que os negros carregam desde seu inicio de vida escolar?
           É óbvio que não, o número de negros nas universidades ainda é bem pequeno comparado aos número de brancos. Após a Abolição dos escravos, os negros ditos “livres” foram esmagados pelo processo Imigratório, e encurralados a se entregarem aos piores postos de trabalho. O estudo nessas condições muitas vezes não era priorizado, pois era necessário trabalhar para sobreviver.   E esse jugo pesa sobre muitas famílias até hoje.
           Ao falar que o negro não precisa de cotas para entrar na universidade, por que isso o inferioriza, expressam a falta de compreensão do contexto histórico do período colonial do Brasil, onde os brancos tiveram oportunidades privilegiadas para conseguir ascensão social, e o negro não teve os mesmos privilégios.
           Holiday é o tipo de cara ideal para reforçar as ideologias da direita, onde o mérito está acima de todas as coisas, suas competências só dependem do seu esforço individual, práticas bem neoliberais, onde vence quem é o melhor.
          É nítido que ele reproduz um texto pronto, e que estamos cansados de ouvir, e infelizmente muitos negros ainda concordam por estarem inseridos nesse sistema, que coloca o problema em nível individual, e não como um problema social gerado pelas desigualdades que o capitalismo produz.
          Eu como mulher negra repudio, Holiday e essa posição pró-impeachment , pois seu discurso favorece apenas a Casa Grande, e ele como bom Capitão do Mato está defendendo os interesses do seu patrão. O impeachment de forma alguma irá favorecer as mulheres, estudantes, trabalhadores negros, ao contrário a burguesia com seu discurso saudosista quer mesmo voltar aos tempos da escravidão, vejamos a enorme quantidade de projetos de leis na Câmara e no Senado que estão sendo votados e que desfavorecem os direitos dos trabalhadores .
           Nós como esquerda negra devemos nos posicionar a frente nesta luta, seguindo sim exemplos de resistência como do Zumbi dos Palmares, pois práticas racistas só terão fim quando o capitalismo for abaixo. Essa falácia de democracia racial só existe para quem ainda não percebeu sua cor, e as desigualdades que a cercam. Devemos construir cada vez mais um pensamento crítico e libertador para nos livrar desses grilhões que ainda nos perturbam diariamente, é Holiday é um desses grilhões.

Simplício Araújo fala sobre desenvolvimento e política durante Assembleia Nacional de Produtores de Soja

          
O pré-candidato a deputado federal Simplício Araújo participou nesta terça-feira (19) da Assembleia Nacional de Produtores de Soja onde falou sobre política e desenvolvimento a empresários produtores de soja, que fazem parte da Aprosoja, entidade que representa o setor.O evento correu no antigo hotel  4 rosas em São Luís(Hotel Blue tree). Na ocasião, Araújo também  falou sobre sua experiência como político e os feitos realizados enquanto conduziu com maestria,. a Secretaria Estadual de Indústria, Comércio e Energia do Estado do Maranhão.

           Araújo também citou sua trajetória profissional e política, destacando as diversas ações realizadas por ele enquanto esteve no grupo, já que conseguiu imprimir sua marca na geração de emprego, renda e prospecção de novos investimentos.
         “Nós precisamos debater sobre os fatos da política nacional. Sobre a política séria. Tentar sanar os gargalos e fazer o Brasil voltar a crescer”, enfatizou Simplício.
          Durante o evento, foram debatidos diversos temas pertinentes ao agronegócio, como Lei do Alimento Mais Seguro, Cade, Lei de Cultivares, Licenciamento Ambiental, Tabelamento do Frete, Código Florestal. O presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz, destacou que “o Simplício conhece o sistema de produção e tem interesse em ajudar nas nossas ações”.
Fonte: Da Assessoria de Simplício