Pular para o conteúdo principal

NÓS MATAMOS DÉCIO SÁ

Ainda estou em transe! Como sou muito passional a todo o momento me pego chorando. Não consegui dormir ontem, não almocei e só consegui comer um pouco no jantar. Meu estômago dá voltas, tenho náuseas e depois de tudo o que aconteceu, só tenho duas certezas:
1ª) eles não vão NUNCA me fazer ter medo.
2ª) eles não vão conseguir nos calar. NUNCA!!
Eu não vou ficar aqui tentando ensinar a polícia a fazer seu trabalho e dizer o que fazer para que peguem os assassinos do meu amigo, jornalista Décio Sá. Eles têm lá suas técnicas e, quando querem, chegam aos culpados. Também a mim não cabe fazer elucubrações para desvendar os motivos do assassinato do “detonador” – como ele gostava de ser chamado. Para mim ele está muito claro: seu trabalho profícuo, corajoso, determinado e leal aos princípios do verdadeiro jornalismo investigativo.
Décio trabalhava muito. Suas fontes eram preciosíssimas. E se engana quem pensa que elas vinham apenas de dentro do grupo político no qual gravitava tanto como amigo da governadora Roseana Sarney, do irmão dela, Fernando e do cunhado, Ricardo Murad, quanto pelo fato de ser empregado nas empresas da família Sarney. As fontes de Décio também vinham dos adversários na política da mesma família. No período em que atuei nos bastidores para combater o esbulho político que foi a eleição de Jackson Lago, montado no esquema de um bilhão de reais de José Reinaldo, não raro vi Décio atender na sala em que eu trabalhava, na Assembleia Legislativa, ligações de desafetos de seus patrões, como Roberto Rocha, Rodrigo Lago, etc. A agenda de contatos – e de fontes potenciais – de Décio era talvez mais completa do que a do Cerimonial do Palácio dos Leões.
Décio tinha lado e era fiel a esse seu grupo. E ai de quem disser para mim que jornalista deve ser imparcial. O extraordinário jornalista Ricardo Kostcho, que foi porta-voz do ex-presidente Lula, ensinou certa feita que “Jornalista, ao contrário do que a hipocrisia de muitos quer negar, também tem lado, time, partido, igreja, amigos, alma e coração. Não somos robôs da notícia. Nunca escondi o que penso e sinto. O leitor tem o direito de saber com quem está falando”. Se era fiel ao grupo Sarney, também o era no subgrupo que se digladia para suceder Roseana: estava com o ministro Edson Lobão e contra Luís Fernando Silva, que tem a simpatia de Jorge Murad, marido de sua patroa, Roseana. Nesse grupo Décio era visto com profunda antipatia, principalmente quando publicava informações sempre verdadeiras sobre a visão caolha de Luís Fernando fazer política. Nesse grupo, o porta-voz era seu colega de redação no EMA e desafeto pessoal Marcos D’Eça. Ambos trocavam acusações e, muitas vezes, ofensas, em seus respectivos blogs.
O brutal, covarde, insano e estúpido assassinato de Décio Sá, me deixou atônito, estupefato, chocado e revoltado. Mas não com medo. Eu não tenho medo de covardes. Eu tenho medo é de ser silente, conivente, cúmplice dessa escória que procura fazer fortuna roubando, corrompendo, matando pais de família e deixando órfã uma sociedade impotente e perplexa. Eu tenho medo é que continue vingando a posição daqueles que, detentores de deformidades de caráter permanente, se locupletam no poder econômico, crescem no submundo político e, comprando consciências e condescendências no Judiciário, sentem-se semideuses, capazes de dispor da vida de seres humanos que, com certeza, não são seus semelhantes.
Tenho certeza em que neste momento em que choro a perda de um amigo e o sério golpe na liberdade de Imprensa que há três gerações move e é tão cara à minha família, alguns dos que estão na agenda de Décio abrem garrafas de champanhe. São bandidos morais e, muitos, de fato.
Mas quem matou Décio não foram os dois bandidos de aluguel que o fuzilaram no dia do Santo Guerreiro, São Jorge. Não foram só eles e os mandantes. Há muita gente que ajudou a apertar o gatilho daquela pistola .40 e ceifou a vida de Décio.
O Governo do Estado ajudou a matar um cidadão. Embora palco de vários assassinatos, assaltos e acidentes violentos, a Avenida Litorânea não tem um policiamento ostensivo. O secretário de Segurança, que agora aciona sua tropa de elite para procurar os assassinos, não tem uma política séria e atuante de prevenção de crimes. São coisas do passado até as barreiras policiais que existiam nos retornos e nas áreas mais violentas da cidade.
Também apertou aquele gatilho a Prefeitura de São Luís, hoje entregue a um dinossauro político que não se deu conta que seu tempo é pretérito e que a instituição que herdou num golpe de estupidez política da população não é cabide de emprego para mimar sua filha e nem um cofre sem fundo onde o princípio básico é limpá-lo até onde puder.
Tivesse nosso alcaide acordado de sua iniquidade e mandado instalar câmeras de vigilância na Litorânea, a principal via turística de São Luís não teria se transformado na sucursal do inferno.
Também ajudou a detonar a espoleta daquela pistola a negligência e omissão de seus patrões: apesar de já ter sido vítima de uma ação balaia tresloucada e irresponsável comandada pelo ex-chefe da espoliada Coliseu Renato Dionísio, que apedrejou as instalações do Sistema Mirante, na Avenida Ana Jansen e, também, apesar da recente agressão a um de seus técnicos por um grupo de celerados filhinhos-de-papai, fato ocorrido na porta da empresa, a direção da Mirante jamais mandou instalar câmaras na área externa do prédio. É bem verdade que isso não impediria sua morte, mas poderia tornar mais rápida e mais fácil a identificação dos matadores de aluguel.
Por fim, ajudamos, também, todos nós que, entrando na máquina de fazer doido, essa disputa incessante por projeção social e financeira, incentivamos, estimulamos e abastecemos a corrida rumo ao topo sabe-se lá que quê. Décio, um menino negro e pobre “sem parentes importantes e vindo do interior” – como constava na sua página na internet -, tinha ambições inerentes à sua idade: queria ganhar dinheiro. Muito dinheiro. Queria ajudar a família e dar conforto e tranquilidade para sua mulher e dois filhos. Uma com 8 anos e outro ainda em gestação. Por isso foi usado por políticos, empresários e toda sorte de gente sem escrúpulos que massageavam seu ego enquanto o empurravam para o precipício, fazendo inimigos covardes que planejaram sua morte.
Décio morreu. Ainda tenho náuseas e nojo. Mas, permanece a certeza que os facínoras que pagaram pela sua morte – porque eram covardes para cometer eles mesmos o crime -, jamais calarão a nossa voz. Nem nos incutirão medo.
Que Deus o receba!
 O texto acima foi escrito pelo jornalista Régis Marques. Ele publicou o texto antes no facebook. Abaixo o relato de Régis. com dados do Blog do Itevaldo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÔNICA DO DIA: O mundo é dos espertos!

  No movimento constante de pessoas que chegam e partem do terminal rodoviário da minha cidade natal, vindas de diferentes lugares ou rumando para destinos diversos, encontramos os agentes das empresas de ônibus. Seu trabalho consiste em atrair passageiros para suas respectivas companhias, enquanto fazem comparações entre a eficiência de sua empresa e a suposta lentidão das concorrentes, chegando até mesmo a comparar seus ônibus a aeronaves. O frenesi é palpável quando um passageiro desembarca de seu veículo de origem, seja ele um motociclista, um taxista ou o condutor de um veículo de pequeno porte. Conhecendo essa dinâmica, decidi testar os vendedores de passagens em u ma ocasião em que cheguei à rodoviária e fui abordado por um deles. _ Bom dia meu patrão! – Disse solícito um dos jovens, vestido numa farda surrada da empresa. Estava, como sempre, acompanhado de outros vendedores de outras empresas é claro. Vivi ali o ritual do voo dos urubus sobre a carniça     do lucro. Para

CRÔNICA DO DIA : Anseios de um catador de latinhas

  Nas ruas fervilhantes de Salvador, segundo a sabedoria popular; atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu.   Tão invisível quanto quem já morreu, atrás do Trio elétrico segue Fernando com seu corpo naturalmente malhado, cabelos encaracolados e olhar curioso, o catador de latinhas, busca em meio a multidão fragmentos de uma vida melhor. Enquanto os foliões pulam ao som do axé, ele caminha com seu carrinho, recolhendo latinhas e observando a festa com olhos críticos. Fernando sempre foi um observador atento do Carnaval. Para ele, a festa representa muito mais do que música e dança. É um retrato da sociedade, onde a alegria e o consumo contrastam com a realidade de muitos. A ideia que passa é que na Bahia não há tristeza. Ledo engano. A alegria fantasiosa do carnaval não passa de uma máscara social. Enquanto separa as latinhas, Fernando reflete sobre a origem do trio elétrico, criado por Dodô e Osmar nos anos 50. Ele sabe que por trás da festa há uma complexa cadeia produtiv

CRÔNICA DO DIA - URQUIZA: O Mestre do Origami

No coração da Terra da Bacaba, entre o caos dos carros e o burburinho das pessoas, vive Urquiza, um artesão cujas mãos habilidosas transformam simples folhas de papel em obras de arte impressionantes. Parece que há mágica nas mãos de Urquiza. Esse magnetismo oculto em suas mãos o   tornou conhecido como   Mestre do Origami, Urquiza não apenas dobra e molda o papel, mas também conta histórias através de suas criações. Toda manhã, Urquiza inicia uma verdadeira via sacra visitando pequenas lojas locais em busca do papel perfeito. Cada loja é uma estação que lembra o sofrimento do Cristo no caminho para o calvário. Fazer cultura na Terra da Bacaba é um martírio social. Em sua busca pela matéria prima, ele procura   texturas únicas e cores vibrantes, pois cada papel conta uma história diferente. De volta ao seu modesto estúdio, mergulha em seu mundo de dobras e vincos, transformando o papel em belas formas que ganham vida sob suas mãos habilidosas. Cada peça de Urquiza tem uma história

CRÔNICA DO DIA: Primeiro dia de aula em Alto Alegre

  No pequeno e próspero  município de Alto Alegre do Maranhão, a chegada do novo ano letivo é sempre aguardada com expectativa. O primeiro dia de aula, em especial, é como a abertura de um grande espetáculo, onde cada personagem tem seu papel definido. Os professores, ansiosos e dedicados, prepararam suas salas de aula com carinho e atenção aos mínimos detalhes. No entanto, nem todos agem assim, há aqueles que já chegam na escola catando os feriados no calendário, ou até mesmo numa total falta de empatia com os colegas, mau bate o horário, já querem saber que faltou para subir os horários para irem embora mais cedo. Vale lembrar que cartazes coloridos, murais com boas-vindas e material didático impecavelmente organizado demonstravam o zelo da equipe pedagógica em receber os alunos. Por outro lado, os alunos, em sua maioria, parecem alheios à agitação que toma conta da cidade. Para muitos deles, o retorno às aulas representava não apenas o reencontro com os amigos, mas também o re

CRÔNICA DE DOMINGO: Grisalhas

  No universo dos fios que voam ao sabor do tempo, as grisalhas erguem suas cabeças adornadas por uma cor que é, ao mesmo tempo, a marca da passagem dos anos e o testemunho da resiliência diante das tempestades da vida. Não são apenas fios prateados, são reluzentes crônicas entrelaçadas por experiências, conquistas e aprendizados. Os cabelos sempre foram elemento para identidade feminina. Desde da idade das pedras, as mulheres procuram impressionar os machos com seus cabelos. Quanto mais em desalinho, melhor. A falta de estética era tanto que às vezes se perguntavam para que serviam esses pelos. Na era da pandemia, um fenômeno silencioso e poderoso começou a ganhar destaque: a escolha de muitas mulheres de deixarem seus cabelos desabrocharem em nuances prateadas. Não se tratava apenas de uma questão estética, mas sim de um movimento intrínseco de aceitação, empoderamento e resistência. De repente, atrizes famosas começaram a aparecer em lives com os cabelos grisalhos ,sem as   ma

CRÔNICA DO DIA: O Museu das Lembranças Esquecidas

  No coração de uma cidade anônima, entre becos ocultos e vielas esquecidas, erguia-se um edifício peculiar que escapa à atenção do olhar desatento. Não havia grandes placas indicativas nem sinalizações vibrantes; apenas um portão modesto, quase imperceptível, guardava a entrada para um lugar extraordinário: o Museu das Lembranças Esquecidas. Pensei em encontrar ali lembranças do meu passado apagadas pelo tempo. Quando me veio a ideia de escrever esta crônica, pensei no poeta Cazuza e seu museu de grades novidades.   Em sua clássica letra ele afirmava ver “ o futuro repetir o passado”, o tempo deixa marcas que só ele mesmo nos faz esquecer. Ao cruzar o limiar desse museu singular, os visitantes não eram recepcionados por obras de arte ou artefatos históricos, mas sim por uma atmosfera de silêncio e contemplação. O prédio parecia nos penetrar com seus olhos, cheirar nossa alma, ouvir nossos   batimentos cardíacos, sentir o gosto dos nossos medos, e deixar em nós as marcas de suas di

CRÔNICA DO DIA - RACISMO: a insistência da ignorância

  No estacionamento movimentado de um supermercado famoso na Terra da Bacaba, onde as cores e os sons dos atabaques africanos da cidade se misturam, um episódio revelador de nossa realidade se desenrola, como um retrato em negativo de nossa sociedade. Uma professora universitária, negra, chamada Núbia Reis, aguarda pacientemente ao lado de seu carro. Seus pensamentos, talvez mergulhados em questões acadêmicas, são interrompidos por uma voz estridente. Uma mulher branca, de aparência distinta, se aproxima. Tem todos os traços físicos de uma cigana, talvez com “olhar obliquo e dissimulado”, imortalizada na obra de Machado de Assis. Seus gestos carregam a certeza de quem nunca foi questionado. Ela insiste que a professora cobre panelas, que poderia cobrar no cartão de crédito. A professora, educada e firme, explica que não poderia comprar no momento, apenas aguardava sair no seu   carro. A mulher branca não aceita a resposta. Sua insistência se transforma em agressão verbal. Ela chama

CRÔNICA DO DIA - Jumento: o herói anônimo

Na vastidão da zona rural de algum recanto do Maranhão, onde o tempo parece escorrer em compasso lento, há um personagem que atravessa os caminhos poeirentos carregando o peso da história e da indiferença humana. Já sabes de quem falo? Ainda não? Tudo bem! Ele é o jumento, um herói anônimo relegado ao esquecimento pelos caprichos da modernidade e pela crueldade dos homens. Com seu passo balançante e carregando consigo a carga pesada de cocos babaçu, acondicionados em cestos de jacá, ele é expulso pelo seu suposto dono, como se sua presença fosse apenas um incômodo a ser descartado. Outros jumentos seguem, cada um com sua carga peculiar, seja ela palhas de coco ou outros afazeres agrícolas, transportados em cambitos improvisados. São cenas corriqueiras, mas profundamente simbólicas, de um animal que foi cantado por Luiz Gonzaga como "nosso irmão". Agora já sabes quem é nosso herói do sertão. Desde tempos imemoriais, o jumento tem sido companheiro humano, suportando n

CRÔNICA DO DIA: Entre Cliques e Corações

Estamos a viver em um mundo onde as relações humanas são escritas por linhas digitais, um emaranhado complexo de cliques e corações. Nessa era tecnológica, onde a conexão é medida em megabytes e as palavras são substituídas por emojis, as relações humanas florescem em meio aos algoritmos. A tecnologia que devia diminuir distâncias, nos afastas mesmo estando tão próximos uns dos outros No epicentro desse fenômeno, encontramos Alice, sim, aquela “Alice no país das maravilhas”, agora já crescida; revela-se uma alma inquieta navegando nas águas tumultuadas da rede. Como qualquer adolescente, seus dias são preenchidos por amizades digitais, aquelas que se manifestam em forma de solicitações de amizade e curtidas. No entanto, por trás da tela brilhante, ela sente um não sei o “quê” de desconexão. Num mundo onde a comunicação é instantânea, as nuances do contato humano muitas vezes se perdem. A arte de olhar nos olhos e interpretar as entrelinhas parece estar em extinção. Alice continua a

CRÔNICA DO DIA: Não, é Não!!!!!

Em uma tarde quente de sexta-feira de carnaval, as ruas pulsavam com a energia típica da cidade grande em período carnavalesco. Entre o vaivém de pessoas, carros e sons urbanos, havia uma conversa que vinha de uma esquina próxima, uma conversa que despertava a atenção de todos que passavam por ali. _Não é não!!! -   Dizia uma jovem com firmeza, seus olhos transmitindo uma determinação inabalável. O rapaz que ouvira o Não, olhou perplexo para as pessoas que presenciavam a cena. Nunca se sentiu tão constrangido. Sua masculinidade foi parar na lata do lixo. Perdeu a fantasia viril para brincar o carnaval. Essas três palavras aparentemente simples carregam consigo um peso imenso, uma mensagem que transcende o momento e mergulhava   profundamente na alma de todos os presentes. Ela estava rejeitando um avanço indesejado de um rapaz que insistia em suas investidas, e seu "não" era mais do que uma simples negação; era um manifesto contra a cultura de violência e desrespeito que