Pular para o conteúdo principal

Você sabia disso ? - 130 anos da abolição da escravatura no Brasil

Em 13 de maio de 1888, foi assinada a Lei Áurea, que aboliu a escravidão do Brasil. Passados 130 anos, o racismo permanece como um grave problema na sociedade brasileira.
Por Daniel Neves Silva

Em 2018, completam-se 130 anos da abolição da escravatura no Brasil. Uma data tão importante gera debates e reflexões acerca da inserção do negro na sociedade brasileira naquele período do final do século XIX e também sobre os desafios atuais que a nossa sociedade ainda possui nas questões que envolvem a desigualdade racial que existe em nosso país.

Uma série de dados reforça a existência do racismo no Brasil. Isso é resultado de todo o processo histórico que aconteceu por aqui, que não promoveu políticas públicas efetivas no sentido de inserir os negros na sociedade. Essa situação reflete-se na condição atual do nosso país em índices que evidenciam uma desigualdade racial alarmante.

Sobre essa discussão cabe também algumas reflexões acerca da continuidade do trabalho escravo no nosso país (de maneira ilegal, claro) mesmo após os 130 anos da proibição desse tipo de trabalho no Brasil. A respeito dessa discussão cabe também uma contextualização sobre como aconteceu o processo que causou o fim da escravatura na década de 1880.

Abolição da escravatura no Brasil
A causa abolicionista no Brasil ganhou força a partir da década de 1870, sobretudo após o fim da Guerra do Paraguai. O fortalecimento da causa abolicionista refletiu-se diretamente no Brasil a partir da fundação de organizações que debatiam ações para promover essa causa nos meios políticos brasileiros e foi acompanhado de algumas leis, como a Lei do Ventre Livre.

A transição do Brasil para o fim da escravatura foi, no entanto, lenta e gradual de uma maneira que atendia os interesses dos grandes defensores desse tipo de trabalho no nosso país: os grandes proprietários do Sudeste brasileiro. A postergação de reformas que caminhassem nesse sentido (da emancipação dos negros) era uma prática brasileira desde o Primeiro Reinado.

Podemos começar pelo fato de que o Brasil, após a sua independência, não apenas manteve como reforçou a importância da escravidão, o que, em geral, foi bastante diferente do que aconteceu na América Espanhola, uma vez que grande parte da América Latina aboliu essa modalidade de exploração do trabalho antes da década de 1860.

A própria proibição do tráfico negreiro ocorreu apenas em 1850 (apesar de existir uma lei de 1831 que já proibia esse comércio) e após grande pressão da Inglaterra sobre o nosso país para que isso acontecesse. Essa lei ficou conhecida como Lei Eusébio de Queirós e só foi decretada após a Inglaterra pressionar o nosso país a partir do Bill Aberdeen.

De toda forma, mudanças práticas nesse sentido só aconteceram a partir de 1870, pois, conforme mencionado, a partir dessa década a causa abolicionista ganhou força no Brasil. Além disso, surgiu uma preocupação entre membros do governo monárquico acerca das tensões que o embate entre abolicionistas e escravocratas poderia gerar.

Essa preocupação ocorria, em grande parte, pela tensão que existia nos EUA entre o Norte abolicionista e o Sul escravocrata. Lá essa tensão foi tão grande que foi em parte responsável pela Guerra de Secessão, que se estendeu durante quatro anos, o que gerou muita destruição material e foi responsável pela morte de 600 mil pessoas.

Além da preocupação em evitar um conflito nesse sentido no Brasil, o governo monárquico preocupava-se também com a reputação internacional do Brasil, pois havia grande pressão internacional para que o país acabasse com a escravidão. Essa pressão intensificou-se depois que Rússia e EUA colocaram fim ao trabalho escravo em 1861 e 1863, respectivamente.

A pressão internacional justificava-se também em parte porque a escravidão, além de ser vista de maneira negativa pelos novos padrões civilizacionais que já despontavam, era enxergada em determinadas partes do globo como um entrave para a modernização do capitalismo, que estava em curso nas nações europeias e nos EUA.

De toda forma, o fortalecimento desse debate fez com que, em 1871, fosse aprovada a Lei do Ventre Livre. Essa lei decretava que o fruto do ventre de todas as escravas do Brasil seria considerado livre, desde que exercesse um período de trabalho como forma de compensação ao dono dos escravos. Assim, o dono que libertasse seu escravo aos oito anos de idade teria direito a uma indenização, mas caso optasse por ficar com o escravo até os 21 anos, não seria indenizado.

Essa lei gerou um debate muito grande na época. Até os abolicionistas ficaram com muitas desconfianças. No entanto, as historiadoras Lilian Schwarcz e Heloísa Starling apontam um elemento importante que evidenciava uma mudança de mentalidade no Brasil e que desagradou consideravelmente aos grandes proprietários:

Havia na lei outro detalhe que desgostou os grandes proprietários e os indispôs com a monarquia. A medida reconheceu formalmente a existência de famílias escravas. Organizaram-se, então, listas de matrícula criadas a partir de um fundo de emancipação, que separava famílias de indivíduos escravos. As decorrências da lei de 1871 não foram, nesse sentido, desprezíveis, uma vez que se invertiam antigos procedimentos: se até ali os chamados “homens livres de cor” é que precisavam se fazer socialmente reconhecidos, agora o ônus da prova ficava com o senhor, que era obrigado a apresentar a matrícula do seu escravo. Sem ela, qualquer pessoa “de cor” era considerada juridicamente livre|1|.

Esse debate seguiu dividindo a sociedade brasileira, e a atuação dos grupos abolicionistas durante a década de 1880 intensificou-se, mas não sem uma reação conservadora. Nessa questão da reação conservadora nesse período, podem ser destacadas a Lei Saraiva, de 1881, e a Lei Saraiva-Cotejipe, de 1885, e também conhecida como Lei dos Sexagenários.

A Lei Saraiva de 1881 criou dispositivos que reorganizaram o sistema eleitoral brasileiro, promovendo a redução dos quadros eleitorais do nosso país. Com essa lei, estipulavam-se eleições diretas no país, mas se exigia o dobro para ter direito ao voto (a renda mínima passou a ser de 200 mil réis), bem como a assinatura do votante (uma estratégia para excluir os analfabetos).

Essa lei pode ser entendida como uma estratégia dos conservadores brasileiros para impedir que o perfil do eleitorado brasileiro se alterasse radicalmente com a aceleração do processo emancipatório do nosso país naquele momento. Além disso, estipulava que o eleitor ideal para essa ala política seria um grupo muito restrito, composto pela elite econômica e branca do nosso país. Assim, os grupos conservadores anteciparam-se às mudanças que poderiam acontecer e tomaram medidas que visavam a restringir o acesso do negro ao voto.

A Lei dos Sexagenários ou Saraiva-Cotejipe, de 1885, decretava que os escravos com idade superior a 65 anos seriam libertos de sua condição de escravos desde que trabalhassem por mais um período de três anos como compensação. A lei foi bastante criticada pelos abolicionistas, pois era considerada uma proposta tímida e conservadora e que tinha como objetivo retardar a abolição.

Apesar dessa reação conservadora, a força do abolicionismo cresceu. Diversas organizações abolicionistas começaram a agir e criar ações para promover a causa e garantir a defesa dos escravos no Brasil. Eventos e manifestações públicas tornaram-se comuns após 1885, e o fortalecimento dessa causa refletiu-se diretamente na postura dos escravizados.

Surgiram, principalmente no Sudeste brasileiro (região que concentrava a maioria dos escravos brasileiros), rebeliões e fugas de escravos. Ao redor do Rio de Janeiro, além de regiões no Vale do Paraíba e no litoral paulista, surgiram diversos quilombos, que abrigavam os escravos que haviam fugido de seu cativeiro. O decreto da abolição no Brasil então, segundo Lilian Schwarcz e Heloísa Starling, foi resultado dessas múltiplas lutas travadas no país:

O fato é que conviviam modalidades, muitas vezes concomitantes, de luta abolicionista: a ação dos próprios escravos, a movimentação dos abolicionistas e a batalha política em nível nacional. O abolicionismo se convertia, portanto, em outra grande causa forjando o sentimento e a imaginação dos brasileiros|2|.

Assim, todo esse processo resultou no que ocorreu em 13 de maio de 1888, dia em que a Princesa Isabel realizou a assinatura da Lei Áurea, ratificando a abolição da escravatura no Brasil de maneira imediata e sem indenização para aqueles que possuíam escravos. Estima-se que cerca de 700 mil escravos tenham conquistado sua liberdade com a lei.

Um dado importante a ser destacado é que o Brasil foi o último país de todo o continente americano a abolir o trabalho escravo em seu território (Cuba foi o penúltimo, abolindo em 1886). Isso deixou evidente o alto grau de conservadorismo do nosso país, que postergou o fim da escravidão até quando fosse possível.

Por fim, vale dizer que a abolição da escravatura não foi acompanhada de políticas que promovessem a integração dos negros libertos na sociedade e muito menos para que obtivessem um meio de subsistência. Isso foi o grande responsável pelo abismo social existente entre negros e brancos no nosso país, visto que medidas racistas foram tomadas durante as décadas seguintes e mantiveram esse quadro de desigualdade social.
O que mudou após a abolição?
Na prática, o que mudou foi que a escravidão enquanto prática institucionalizada e legalizada pelo Estado deixou de existir. O racismo e a exclusão do negro da sociedade permaneceram enquanto práticas da nossa sociedade, e isso pode ser percebido ao longo de todo o processo histórico do Brasil a começar pela própria Primeira República.

Primeiramente, uma questão muito importante ao se pensar em abolição é analisar as formas de integração econômica que deveriam ter sido realizadas. Joaquim Nabuco, por exemplo, afirmava que era de vital importância que a abolição fosse acompanhada de uma reforma agrária para garantir ao liberto uma forma de subsistência e para que o ciclo de dependência do negro não se perpetuasse. Isso não aconteceu, e os negros tiveram poucas oportunidades de se desenvolver economicamente.

O que houve foi exatamente a perpetuação desse quadro de exploração, desigualdade e racismo, pois, conforme relata o historiador Boris Fausto, os escravos no Nordeste, em grande parte, continuaram dependendo dos antigos proprietários para sobreviver. No caso de São Paulo e no Rio Grande do Sul, os ex-escravos tiveram pouco acesso a oportunidades de empregos melhores, pois os empregadores preferiam contratar os imigrantes europeus|3|. Por fim, Boris Fausto sentencia:

Apesar das variações de acordo com as diferentes regiões do país, a abolição da escravatura não eliminou o problema do negro. A opção pelo trabalhador imigrante, nas áreas regionais mais dinâmicas da economia, e as escassas oportunidades abertas ao ex-escravo, em outras áreas, resultaram em uma profunda desigualdade social da população negra. Fruto em parte do preconceito, essa desigualdade acabou por reforçar o próprio preconceito contra o negro. Sobretudo nas regiões de forte imigração, ele foi considerado um ser inferior, perigoso, vadio e propenso ao crime; mas útil quando subserviente|4|.

Além disso, podem ser destacados episódios da história brasileira que ressaltam o preconceito e a violência contra o negro no Brasil. No período da Primeira República, podem ser destacados os eventos relacionados com a Revolta da Vacina (1904), que se iniciou por causa da postura arbitrária das autoridades da época, as quais expulsaram os negros que habitavam no centro do Rio de Janeiro e impuseram a campanha de vacinação obrigatória.

Além disso, a Revolta da Chibata (1910) também foi fruto do racismo que existia na sociedade, o que se refletia no violento trato que o negro recebia na Marinha. Os negros, com poucas oportunidades de ascensão na corporação e vítimas de castigos físicos, rebelaram-se e foram duramente reprimidos pelo governo. Outro exemplo de como o racismo gerou violência foi na própria Guerra de Canudos (1896-1897).

Cabe o destaque também ao desenvolvimento do racismo científico no Brasil. Como o próprio nome sugere, o racismo científico apropriava-se de discursos e linguagens científicas para promover o racismo no Brasil. Esse discurso manifestou-se principalmente a partir da defesa do “aprimoramento da raça”, também conhecido como eugenia, que visava evitar a miscigenação e promover o embranquecimento da população a partir de ações organizadas pelo próprio Estado.

Desafios atuais
Atualmente, o racismo ainda é um grave problema da sociedade brasileira, pois, o negro, em grande parte, ainda ocupa uma posição marginalizada. A desigualdade racial existente no Brasil é evidenciada a partir de diversos estudos e estatísticas que comprovam que a violência contra populações negras é maior e que a disparidade salarial entre brancos e negros também é grande. A camada da população negra que tem acesso ao ensino superior também é menor em comparação com a população branca.

Claro que mudanças sensíveis nesses aspectos aconteceram no Brasil, principalmente no século XXI, mas o caminho a ser percorrido é bastante longo. Esse quadro de desigualdade, como mencionado, é uma herança do histórico racista do nosso país e também de décadas de ausência de políticas de inclusão.

Diversas pesquisas divulgadas recentemente mostram que a parcela da população negra com acesso a mais de 12 anos de estudo é de aproximadamente 12%, enquanto a da população branca é de 25,9% em dados de um estudo de 2015 |5|. Além disso, o acesso de lares negros a saneamento básico é de 55,3%, e o de lares brancos é de 71,9% em dados que também são de 2015 |6|.

Pode ser destacada também a questão da violência policial, a qual atinge principalmente os negros. Outro dado de uma pesquisa recente feita no Rio de Janeiro afirma que o medo de ser vítima de violência policial na cidade é maior entre os negros e habitantes de favelas|7|. Isso sem falar nos dados que mostram que a maioria da população carcerária brasileira é composta por negros.

Os exemplos que evidenciam a desigualdade racial no nosso país são muitos. Todos, de uma maneira ou outra, já presenciaram alguma situação que foi fruto desse preconceito racial. Os 130 anos da abolição fazem de 2018 um ano de intenso debate, que, inclusive, pode ser questionado nos vestibulares e Enem.

Pensando nisso, é importante estar por dentro dos principais acontecimentos que envolveram a abolição da escravatura, bem como dos eventos históricos que evidenciam a continuidade do racismo em nosso país. O debate é extenso, e o caminho para promover mais igualdade é longo e difícil.

|1| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 300.
|2| Idem, p. 310.
|3| FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2013, p. 188.
|4| Idem, p. 189.
|5| Brasil mantém históricas desigualdades raciais e de gênero. Para acessar, clique aqui.
|6| O tamanho da desigualdade racial no Brasil em um gráfico. Para acessar, clique aqui.
|7| Medo da violência policial e de acusações injustas é maior entre a população negra do Rio. Para acessar, clique aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÔNICA DO DIA: O mundo é dos espertos!

  No movimento constante de pessoas que chegam e partem do terminal rodoviário da minha cidade natal, vindas de diferentes lugares ou rumando para destinos diversos, encontramos os agentes das empresas de ônibus. Seu trabalho consiste em atrair passageiros para suas respectivas companhias, enquanto fazem comparações entre a eficiência de sua empresa e a suposta lentidão das concorrentes, chegando até mesmo a comparar seus ônibus a aeronaves. O frenesi é palpável quando um passageiro desembarca de seu veículo de origem, seja ele um motociclista, um taxista ou o condutor de um veículo de pequeno porte. Conhecendo essa dinâmica, decidi testar os vendedores de passagens em u ma ocasião em que cheguei à rodoviária e fui abordado por um deles. _ Bom dia meu patrão! – Disse solícito um dos jovens, vestido numa farda surrada da empresa. Estava, como sempre, acompanhado de outros vendedores de outras empresas é claro. Vivi ali o ritual do voo dos urubus sobre a carniça     do lucro. Para

CRÔNICA DO DIA : Anseios de um catador de latinhas

  Nas ruas fervilhantes de Salvador, segundo a sabedoria popular; atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu.   Tão invisível quanto quem já morreu, atrás do Trio elétrico segue Fernando com seu corpo naturalmente malhado, cabelos encaracolados e olhar curioso, o catador de latinhas, busca em meio a multidão fragmentos de uma vida melhor. Enquanto os foliões pulam ao som do axé, ele caminha com seu carrinho, recolhendo latinhas e observando a festa com olhos críticos. Fernando sempre foi um observador atento do Carnaval. Para ele, a festa representa muito mais do que música e dança. É um retrato da sociedade, onde a alegria e o consumo contrastam com a realidade de muitos. A ideia que passa é que na Bahia não há tristeza. Ledo engano. A alegria fantasiosa do carnaval não passa de uma máscara social. Enquanto separa as latinhas, Fernando reflete sobre a origem do trio elétrico, criado por Dodô e Osmar nos anos 50. Ele sabe que por trás da festa há uma complexa cadeia produtiv

CRÔNICA DO DIA - URQUIZA: O Mestre do Origami

No coração da Terra da Bacaba, entre o caos dos carros e o burburinho das pessoas, vive Urquiza, um artesão cujas mãos habilidosas transformam simples folhas de papel em obras de arte impressionantes. Parece que há mágica nas mãos de Urquiza. Esse magnetismo oculto em suas mãos o   tornou conhecido como   Mestre do Origami, Urquiza não apenas dobra e molda o papel, mas também conta histórias através de suas criações. Toda manhã, Urquiza inicia uma verdadeira via sacra visitando pequenas lojas locais em busca do papel perfeito. Cada loja é uma estação que lembra o sofrimento do Cristo no caminho para o calvário. Fazer cultura na Terra da Bacaba é um martírio social. Em sua busca pela matéria prima, ele procura   texturas únicas e cores vibrantes, pois cada papel conta uma história diferente. De volta ao seu modesto estúdio, mergulha em seu mundo de dobras e vincos, transformando o papel em belas formas que ganham vida sob suas mãos habilidosas. Cada peça de Urquiza tem uma história

CRÔNICA DO DIA: Primeiro dia de aula em Alto Alegre

  No pequeno e próspero  município de Alto Alegre do Maranhão, a chegada do novo ano letivo é sempre aguardada com expectativa. O primeiro dia de aula, em especial, é como a abertura de um grande espetáculo, onde cada personagem tem seu papel definido. Os professores, ansiosos e dedicados, prepararam suas salas de aula com carinho e atenção aos mínimos detalhes. No entanto, nem todos agem assim, há aqueles que já chegam na escola catando os feriados no calendário, ou até mesmo numa total falta de empatia com os colegas, mau bate o horário, já querem saber que faltou para subir os horários para irem embora mais cedo. Vale lembrar que cartazes coloridos, murais com boas-vindas e material didático impecavelmente organizado demonstravam o zelo da equipe pedagógica em receber os alunos. Por outro lado, os alunos, em sua maioria, parecem alheios à agitação que toma conta da cidade. Para muitos deles, o retorno às aulas representava não apenas o reencontro com os amigos, mas também o re

CRÔNICA DE DOMINGO: Grisalhas

  No universo dos fios que voam ao sabor do tempo, as grisalhas erguem suas cabeças adornadas por uma cor que é, ao mesmo tempo, a marca da passagem dos anos e o testemunho da resiliência diante das tempestades da vida. Não são apenas fios prateados, são reluzentes crônicas entrelaçadas por experiências, conquistas e aprendizados. Os cabelos sempre foram elemento para identidade feminina. Desde da idade das pedras, as mulheres procuram impressionar os machos com seus cabelos. Quanto mais em desalinho, melhor. A falta de estética era tanto que às vezes se perguntavam para que serviam esses pelos. Na era da pandemia, um fenômeno silencioso e poderoso começou a ganhar destaque: a escolha de muitas mulheres de deixarem seus cabelos desabrocharem em nuances prateadas. Não se tratava apenas de uma questão estética, mas sim de um movimento intrínseco de aceitação, empoderamento e resistência. De repente, atrizes famosas começaram a aparecer em lives com os cabelos grisalhos ,sem as   ma

CRÔNICA DO DIA: O Museu das Lembranças Esquecidas

  No coração de uma cidade anônima, entre becos ocultos e vielas esquecidas, erguia-se um edifício peculiar que escapa à atenção do olhar desatento. Não havia grandes placas indicativas nem sinalizações vibrantes; apenas um portão modesto, quase imperceptível, guardava a entrada para um lugar extraordinário: o Museu das Lembranças Esquecidas. Pensei em encontrar ali lembranças do meu passado apagadas pelo tempo. Quando me veio a ideia de escrever esta crônica, pensei no poeta Cazuza e seu museu de grades novidades.   Em sua clássica letra ele afirmava ver “ o futuro repetir o passado”, o tempo deixa marcas que só ele mesmo nos faz esquecer. Ao cruzar o limiar desse museu singular, os visitantes não eram recepcionados por obras de arte ou artefatos históricos, mas sim por uma atmosfera de silêncio e contemplação. O prédio parecia nos penetrar com seus olhos, cheirar nossa alma, ouvir nossos   batimentos cardíacos, sentir o gosto dos nossos medos, e deixar em nós as marcas de suas di

CRÔNICA DO DIA - RACISMO: a insistência da ignorância

  No estacionamento movimentado de um supermercado famoso na Terra da Bacaba, onde as cores e os sons dos atabaques africanos da cidade se misturam, um episódio revelador de nossa realidade se desenrola, como um retrato em negativo de nossa sociedade. Uma professora universitária, negra, chamada Núbia Reis, aguarda pacientemente ao lado de seu carro. Seus pensamentos, talvez mergulhados em questões acadêmicas, são interrompidos por uma voz estridente. Uma mulher branca, de aparência distinta, se aproxima. Tem todos os traços físicos de uma cigana, talvez com “olhar obliquo e dissimulado”, imortalizada na obra de Machado de Assis. Seus gestos carregam a certeza de quem nunca foi questionado. Ela insiste que a professora cobre panelas, que poderia cobrar no cartão de crédito. A professora, educada e firme, explica que não poderia comprar no momento, apenas aguardava sair no seu   carro. A mulher branca não aceita a resposta. Sua insistência se transforma em agressão verbal. Ela chama

CRÔNICA DO DIA - Jumento: o herói anônimo

Na vastidão da zona rural de algum recanto do Maranhão, onde o tempo parece escorrer em compasso lento, há um personagem que atravessa os caminhos poeirentos carregando o peso da história e da indiferença humana. Já sabes de quem falo? Ainda não? Tudo bem! Ele é o jumento, um herói anônimo relegado ao esquecimento pelos caprichos da modernidade e pela crueldade dos homens. Com seu passo balançante e carregando consigo a carga pesada de cocos babaçu, acondicionados em cestos de jacá, ele é expulso pelo seu suposto dono, como se sua presença fosse apenas um incômodo a ser descartado. Outros jumentos seguem, cada um com sua carga peculiar, seja ela palhas de coco ou outros afazeres agrícolas, transportados em cambitos improvisados. São cenas corriqueiras, mas profundamente simbólicas, de um animal que foi cantado por Luiz Gonzaga como "nosso irmão". Agora já sabes quem é nosso herói do sertão. Desde tempos imemoriais, o jumento tem sido companheiro humano, suportando n

CRÔNICA DO DIA: Entre Cliques e Corações

Estamos a viver em um mundo onde as relações humanas são escritas por linhas digitais, um emaranhado complexo de cliques e corações. Nessa era tecnológica, onde a conexão é medida em megabytes e as palavras são substituídas por emojis, as relações humanas florescem em meio aos algoritmos. A tecnologia que devia diminuir distâncias, nos afastas mesmo estando tão próximos uns dos outros No epicentro desse fenômeno, encontramos Alice, sim, aquela “Alice no país das maravilhas”, agora já crescida; revela-se uma alma inquieta navegando nas águas tumultuadas da rede. Como qualquer adolescente, seus dias são preenchidos por amizades digitais, aquelas que se manifestam em forma de solicitações de amizade e curtidas. No entanto, por trás da tela brilhante, ela sente um não sei o “quê” de desconexão. Num mundo onde a comunicação é instantânea, as nuances do contato humano muitas vezes se perdem. A arte de olhar nos olhos e interpretar as entrelinhas parece estar em extinção. Alice continua a

CRÔNICA DO DIA: Não, é Não!!!!!

Em uma tarde quente de sexta-feira de carnaval, as ruas pulsavam com a energia típica da cidade grande em período carnavalesco. Entre o vaivém de pessoas, carros e sons urbanos, havia uma conversa que vinha de uma esquina próxima, uma conversa que despertava a atenção de todos que passavam por ali. _Não é não!!! -   Dizia uma jovem com firmeza, seus olhos transmitindo uma determinação inabalável. O rapaz que ouvira o Não, olhou perplexo para as pessoas que presenciavam a cena. Nunca se sentiu tão constrangido. Sua masculinidade foi parar na lata do lixo. Perdeu a fantasia viril para brincar o carnaval. Essas três palavras aparentemente simples carregam consigo um peso imenso, uma mensagem que transcende o momento e mergulhava   profundamente na alma de todos os presentes. Ela estava rejeitando um avanço indesejado de um rapaz que insistia em suas investidas, e seu "não" era mais do que uma simples negação; era um manifesto contra a cultura de violência e desrespeito que