Pular para o conteúdo principal

Claudia Werneck - a escritora que se tornou a voz dos direitos dos jovens deficientes



A escritora Claudia Werneck, há mais de 20 anos, dedica a vida à luta pela inclusão
Foto: Daniela Dacorso / Agência O GloboEra para ser uma visita de cortesia qualquer: Diego, filho da jornalista Claudia Werneck, insistia para que ela fosse visitar o irmãozinho recém-nascido de um amigo dele. Ela adiou um pouco o compromisso, afinal, nem conhecia direito a família. Mas, como pedido de filho quase nunca se nega, acabou indo. Quando a mãe do bebezinho descobriu que Claudia trabalhava na revista “Pais & Filhos” —, uma espécie de Bíblia para pais aflitos na era pré-internet —, contou que o menino tinha síndrome de Down e a agarrou, implorando ajuda. Sem o hoje onipresente Google ou livros sobre o tema para leigos, ela queria saber se o filho ia se casar, chamá-la de mãe, viver muito. Claudia saiu de lá impressionada e propôs à revista uma reportagem sobre o assunto. Surgiu ali a semente para uma mudança radical na vida de Claudia, que, depois da imersão de quatro meses no universo Down, escreveu 70 páginas. A reportagem tinha apenas cinco e Cláudia logo descobriu o que fazer com o que ficou de fora: nasciam ali o seu primeiro livro, “Muito prazer, eu existo”, e uma militante da inclusão, que se tornou uma das mais importantes vozes dos direitos dos deficientes no Brasil.


— Quando eu escrevi o livro, recebi três mil cartas. Entendi que algo acontecia e ninguém sabia. Eu não era a jornalista maravilhosa que pensava. Não trabalhava com o repertório de rostos da humanidade. Se eu fazia uma matéria sobre amamentação, eram dicas para as mães com dois braços. E as que não têm os dois? Percebi que eu não estava pensando em todo mundo. E também me dei conta de que precisava documentar histórias silenciosas, não conhecidas — diz Claudia, que mudou por dentro e por fora. — Quando entendi o que era inclusão, minha providência foi mudar o cabelo. Abandonei o corte Chanel e usei moicano, raspado de um lado e pintado de vermelho. Uma vez uma moça no aeroporto disse que era o cabelo mais doido que ela já tinha visto. Era uma das filhas da Baby Consuelo — diverte-se Claudia.
A mudança foi em 1990 e, de lá para cá, Claudia, de 56 anos, já escreveu 14 livros sobre inclusão, direitos humanos, discriminação e diversidade, e vendeu mais de 220 mil exemplares em português, inglês e espanhol. E nunca deixou que a máxima “Casa de ferreiro, espeto de pau” se aplicasse à sua vida: com dificuldade para contar suas histórias em diferentes plataformas, que atendessem quem não enxerga ou não ouve, fundou com o marido, Alberto, a WVA Editora. O seu último título, “Sonhos do dia", tem exemplares acompanhados de DVDs com audiodescrição para quem não enxerga, em braile, linguagem de sinais e mais quatro formatos. O reconhecimento foi rápido: em 2000, Claudia tornou-se a primeira escritora brasileira a ter livros recomendados simultaneamente pela Unesco e Unicef.
Em 2002, ela deu um outro passo importante: fundou a Escola de Gente, uma organização preocupada com a comunicação para a acessibilidade. Um dos projetos é o grupo de teatro Os Inclusos e os Sisos, responsável pela primeira peça de teatro infantojuvenil completamente acessível do país. Durante a apresentação de “Um amigo diferente”, já vista por mais de 60 mil pessoas, há intérprete de linguagem de sinais e legendas para as pessoas surdas, programas em braile para os cegos, que sobem ao palco para pegar no cenário todo e recebem um fone de ouvido para escutar tudo o que se passa ou saber quando os atores fazem caretas ou dançam. As peças têm um tom bem-humorado, não fosse Claudia a mãe da atriz e humorista Tatá Werneck, a espevitada Valdirene, da novela “Amor à vida”.
— Eu trabalhava muito e tinha aquela culpa típica de mãe, mas meus filhos deram certo — diz, aliviada com o sucesso de Tatá e de Diego, professor da Fundação Getulio Vargas.
Claudia continua ralando muito e conta nos dedos as vezes em que dorme no seu colorido refúgio na Barra da Tijuca, decorado com lembranças de suas inúmeras viagens. Teve ano em que ela só passou quatro dias úteis em casa. O filho, ela estava quase há um mês sem ver.
— Eu gosto de música, mas não ouço, gosto de praia, mas não vou. Outro dia, fiquei em casa num domingo. Comi camarão e mergulhei na piscina. Foram as minhas férias — diz Claudia, que, quando diminui o ritmo, é para valer. Em 2011, foi meditar na África e, em 2007, fez um retiro espiritual na Índia.
O ano de 2014 já começará na Áustria, onde Claudia receberá um prêmio por Os Inclusos e os Sisos, eleito este mês, entre 245 trabalhos de 58 países, um dos maiores inovadores do mundo pelo programa Zero Project Innovative Practices, da organização austríaca Essl Foundation. Em parceria com o World Future Council e o Bank Austria, a instituição escolhe as melhores experiências voltadas para a garantia de direitos de pessoas com deficiência.
— A Claudia não fica quieta. Onde tiver uma discussão sobre inclusão, ela está presente. Ela luta o tempo todo por políticas públicas para esses jovens. Se não fosse ela, o programa ProJovem Urbano, do governo federal, que oferece a conclusão do ensino fundamental com treinamento profissionalizante, não estaria contemplando jovens com deficiência — diz Fábio Meireles, coordenador-geral de Direitos Humanos do Ministério da Educação, que admira principalmente a firmeza de Claudia em suas posições. — Ela é considerada radical por muita gente. Fez inimizades porque, com ela, é tudo ou nada.
Esse tudo ou nada se reflete principalmente na questão de acessibilidade nas escolas: para Claudia, não há nenhuma dúvida de que um jovem com deficiência deve estar sempre integrados em colégios, e não em escolas ou turmas especiais. A posição encontra ainda resistência:
— Eu tenho um filho com Down e concordo com muitas posturas da Claudia. Minha divergência é sobre a forma de incluir. Acho que os pais devem botar os filhos numa escola especial se quiserem. Isso não é ser segregacionista, é defender a inclusão com dignidade — diz Tânia Athayde, diretora da Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (Apae-Rio).
Mas Claudia aposta na formação de pessoas com uma visão diferente. Ela fechou parcerias para treinar novos agentes de acessibilidade no Alemão e na Cidade de Deus. Quase 50 jovens terão aula de língua brasileira de sinais (Libras).
— Quando eu boto no currículo que sei Libras, é um diferencial. Quem ia imaginar que uma menina do Jacarezinho saberia a linguagem? — diz Mayara Gonçalves, aluna da primeira leva do curso.
Claudia Werneck imaginou.
FONTE:Agência O Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÔNICA DO DIA: O mundo é dos espertos!

  No movimento constante de pessoas que chegam e partem do terminal rodoviário da minha cidade natal, vindas de diferentes lugares ou rumando para destinos diversos, encontramos os agentes das empresas de ônibus. Seu trabalho consiste em atrair passageiros para suas respectivas companhias, enquanto fazem comparações entre a eficiência de sua empresa e a suposta lentidão das concorrentes, chegando até mesmo a comparar seus ônibus a aeronaves. O frenesi é palpável quando um passageiro desembarca de seu veículo de origem, seja ele um motociclista, um taxista ou o condutor de um veículo de pequeno porte. Conhecendo essa dinâmica, decidi testar os vendedores de passagens em u ma ocasião em que cheguei à rodoviária e fui abordado por um deles. _ Bom dia meu patrão! – Disse solícito um dos jovens, vestido numa farda surrada da empresa. Estava, como sempre, acompanhado de outros vendedores de outras empresas é claro. Vivi ali o ritual do voo dos urubus sobre a carniça     do lucro. Para

CRÔNICA DO DIA : Anseios de um catador de latinhas

  Nas ruas fervilhantes de Salvador, segundo a sabedoria popular; atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu.   Tão invisível quanto quem já morreu, atrás do Trio elétrico segue Fernando com seu corpo naturalmente malhado, cabelos encaracolados e olhar curioso, o catador de latinhas, busca em meio a multidão fragmentos de uma vida melhor. Enquanto os foliões pulam ao som do axé, ele caminha com seu carrinho, recolhendo latinhas e observando a festa com olhos críticos. Fernando sempre foi um observador atento do Carnaval. Para ele, a festa representa muito mais do que música e dança. É um retrato da sociedade, onde a alegria e o consumo contrastam com a realidade de muitos. A ideia que passa é que na Bahia não há tristeza. Ledo engano. A alegria fantasiosa do carnaval não passa de uma máscara social. Enquanto separa as latinhas, Fernando reflete sobre a origem do trio elétrico, criado por Dodô e Osmar nos anos 50. Ele sabe que por trás da festa há uma complexa cadeia produtiv

CRÔNICA DO DIA - URQUIZA: O Mestre do Origami

No coração da Terra da Bacaba, entre o caos dos carros e o burburinho das pessoas, vive Urquiza, um artesão cujas mãos habilidosas transformam simples folhas de papel em obras de arte impressionantes. Parece que há mágica nas mãos de Urquiza. Esse magnetismo oculto em suas mãos o   tornou conhecido como   Mestre do Origami, Urquiza não apenas dobra e molda o papel, mas também conta histórias através de suas criações. Toda manhã, Urquiza inicia uma verdadeira via sacra visitando pequenas lojas locais em busca do papel perfeito. Cada loja é uma estação que lembra o sofrimento do Cristo no caminho para o calvário. Fazer cultura na Terra da Bacaba é um martírio social. Em sua busca pela matéria prima, ele procura   texturas únicas e cores vibrantes, pois cada papel conta uma história diferente. De volta ao seu modesto estúdio, mergulha em seu mundo de dobras e vincos, transformando o papel em belas formas que ganham vida sob suas mãos habilidosas. Cada peça de Urquiza tem uma história

CRÔNICA DO DIA: Primeiro dia de aula em Alto Alegre

  No pequeno e próspero  município de Alto Alegre do Maranhão, a chegada do novo ano letivo é sempre aguardada com expectativa. O primeiro dia de aula, em especial, é como a abertura de um grande espetáculo, onde cada personagem tem seu papel definido. Os professores, ansiosos e dedicados, prepararam suas salas de aula com carinho e atenção aos mínimos detalhes. No entanto, nem todos agem assim, há aqueles que já chegam na escola catando os feriados no calendário, ou até mesmo numa total falta de empatia com os colegas, mau bate o horário, já querem saber que faltou para subir os horários para irem embora mais cedo. Vale lembrar que cartazes coloridos, murais com boas-vindas e material didático impecavelmente organizado demonstravam o zelo da equipe pedagógica em receber os alunos. Por outro lado, os alunos, em sua maioria, parecem alheios à agitação que toma conta da cidade. Para muitos deles, o retorno às aulas representava não apenas o reencontro com os amigos, mas também o re

CRÔNICA DE DOMINGO: Grisalhas

  No universo dos fios que voam ao sabor do tempo, as grisalhas erguem suas cabeças adornadas por uma cor que é, ao mesmo tempo, a marca da passagem dos anos e o testemunho da resiliência diante das tempestades da vida. Não são apenas fios prateados, são reluzentes crônicas entrelaçadas por experiências, conquistas e aprendizados. Os cabelos sempre foram elemento para identidade feminina. Desde da idade das pedras, as mulheres procuram impressionar os machos com seus cabelos. Quanto mais em desalinho, melhor. A falta de estética era tanto que às vezes se perguntavam para que serviam esses pelos. Na era da pandemia, um fenômeno silencioso e poderoso começou a ganhar destaque: a escolha de muitas mulheres de deixarem seus cabelos desabrocharem em nuances prateadas. Não se tratava apenas de uma questão estética, mas sim de um movimento intrínseco de aceitação, empoderamento e resistência. De repente, atrizes famosas começaram a aparecer em lives com os cabelos grisalhos ,sem as   ma

CRÔNICA DO DIA: O Museu das Lembranças Esquecidas

  No coração de uma cidade anônima, entre becos ocultos e vielas esquecidas, erguia-se um edifício peculiar que escapa à atenção do olhar desatento. Não havia grandes placas indicativas nem sinalizações vibrantes; apenas um portão modesto, quase imperceptível, guardava a entrada para um lugar extraordinário: o Museu das Lembranças Esquecidas. Pensei em encontrar ali lembranças do meu passado apagadas pelo tempo. Quando me veio a ideia de escrever esta crônica, pensei no poeta Cazuza e seu museu de grades novidades.   Em sua clássica letra ele afirmava ver “ o futuro repetir o passado”, o tempo deixa marcas que só ele mesmo nos faz esquecer. Ao cruzar o limiar desse museu singular, os visitantes não eram recepcionados por obras de arte ou artefatos históricos, mas sim por uma atmosfera de silêncio e contemplação. O prédio parecia nos penetrar com seus olhos, cheirar nossa alma, ouvir nossos   batimentos cardíacos, sentir o gosto dos nossos medos, e deixar em nós as marcas de suas di

CRÔNICA DO DIA - RACISMO: a insistência da ignorância

  No estacionamento movimentado de um supermercado famoso na Terra da Bacaba, onde as cores e os sons dos atabaques africanos da cidade se misturam, um episódio revelador de nossa realidade se desenrola, como um retrato em negativo de nossa sociedade. Uma professora universitária, negra, chamada Núbia Reis, aguarda pacientemente ao lado de seu carro. Seus pensamentos, talvez mergulhados em questões acadêmicas, são interrompidos por uma voz estridente. Uma mulher branca, de aparência distinta, se aproxima. Tem todos os traços físicos de uma cigana, talvez com “olhar obliquo e dissimulado”, imortalizada na obra de Machado de Assis. Seus gestos carregam a certeza de quem nunca foi questionado. Ela insiste que a professora cobre panelas, que poderia cobrar no cartão de crédito. A professora, educada e firme, explica que não poderia comprar no momento, apenas aguardava sair no seu   carro. A mulher branca não aceita a resposta. Sua insistência se transforma em agressão verbal. Ela chama

CRÔNICA DO DIA - Jumento: o herói anônimo

Na vastidão da zona rural de algum recanto do Maranhão, onde o tempo parece escorrer em compasso lento, há um personagem que atravessa os caminhos poeirentos carregando o peso da história e da indiferença humana. Já sabes de quem falo? Ainda não? Tudo bem! Ele é o jumento, um herói anônimo relegado ao esquecimento pelos caprichos da modernidade e pela crueldade dos homens. Com seu passo balançante e carregando consigo a carga pesada de cocos babaçu, acondicionados em cestos de jacá, ele é expulso pelo seu suposto dono, como se sua presença fosse apenas um incômodo a ser descartado. Outros jumentos seguem, cada um com sua carga peculiar, seja ela palhas de coco ou outros afazeres agrícolas, transportados em cambitos improvisados. São cenas corriqueiras, mas profundamente simbólicas, de um animal que foi cantado por Luiz Gonzaga como "nosso irmão". Agora já sabes quem é nosso herói do sertão. Desde tempos imemoriais, o jumento tem sido companheiro humano, suportando n

CRÔNICA DO DIA: Entre Cliques e Corações

Estamos a viver em um mundo onde as relações humanas são escritas por linhas digitais, um emaranhado complexo de cliques e corações. Nessa era tecnológica, onde a conexão é medida em megabytes e as palavras são substituídas por emojis, as relações humanas florescem em meio aos algoritmos. A tecnologia que devia diminuir distâncias, nos afastas mesmo estando tão próximos uns dos outros No epicentro desse fenômeno, encontramos Alice, sim, aquela “Alice no país das maravilhas”, agora já crescida; revela-se uma alma inquieta navegando nas águas tumultuadas da rede. Como qualquer adolescente, seus dias são preenchidos por amizades digitais, aquelas que se manifestam em forma de solicitações de amizade e curtidas. No entanto, por trás da tela brilhante, ela sente um não sei o “quê” de desconexão. Num mundo onde a comunicação é instantânea, as nuances do contato humano muitas vezes se perdem. A arte de olhar nos olhos e interpretar as entrelinhas parece estar em extinção. Alice continua a

CRÔNICA DO DIA: Não, é Não!!!!!

Em uma tarde quente de sexta-feira de carnaval, as ruas pulsavam com a energia típica da cidade grande em período carnavalesco. Entre o vaivém de pessoas, carros e sons urbanos, havia uma conversa que vinha de uma esquina próxima, uma conversa que despertava a atenção de todos que passavam por ali. _Não é não!!! -   Dizia uma jovem com firmeza, seus olhos transmitindo uma determinação inabalável. O rapaz que ouvira o Não, olhou perplexo para as pessoas que presenciavam a cena. Nunca se sentiu tão constrangido. Sua masculinidade foi parar na lata do lixo. Perdeu a fantasia viril para brincar o carnaval. Essas três palavras aparentemente simples carregam consigo um peso imenso, uma mensagem que transcende o momento e mergulhava   profundamente na alma de todos os presentes. Ela estava rejeitando um avanço indesejado de um rapaz que insistia em suas investidas, e seu "não" era mais do que uma simples negação; era um manifesto contra a cultura de violência e desrespeito que