Diário do Mearim Cidadania

Diário do Mearim Cidadania

domingo, 7 de agosto de 2016

Veja lista de filmes e seriados indicados por professores para estudar história


Na sua rotina de escola ou cursinho pré-vestibular, provavelmente você deve ter aquele tempo de descanso em que assiste a seu seriado favorito ou vai ao cinema, não é? Essas estão entre as formas de diversão mais populares na correria entre escola, casa e obrigações.

Mas saiba que, enquanto você se diverte, dá para memorizar um conteúdo que aprendeu na escola de uma forma descontraída e humanizada. Você entende contextos históricos, econômicos e até questões contemporâneas, que podem parecer super complexas nos livros, por meio das histórias de personagens. É uma maneira divertida de estudar.

Danilo Zanetti, professor de história da escola Dínamis, listou seriados que retratam diferentes momentos históricos. Já Camila Alexandrini, professora de português e literatura da plataforma "Me Salva!", selecionou filmes que tratam de questões contemporâneas. Confira a lista abaixo:

1. "House of Cards"

Para o professor Danilo Zanetti, o seriado é interessante para observar as questões políticas, a disputa de poder e as articulações nos bastidores do governo norte-americano. "É bom lembrar que estamos em ano de eleição presidencial nos Estados Unidos, então, assuntos relacionados ao País, como sua independência, Constituição, política externa e interna e a questão racial são frequentemente cobrados nos vestibulares", diz.

2. "Anti-herói americano"

A professora Camila Alexandrini recomenda o longa também para pensar sobre os Estados Unidos. Inspirado na história real do quadrinista Harvey Pekar, o filme, segundo ela, serve de ponto de partida para refletir sobre "a crise do sonho americano". "Esse assunto tem sido bastante frequente com as eleições norte-americanas e a candidatura do republicano Donald Trump", conta.

3. "Downton Abbey"

"A história deste seriado começa no dia do naufrágio do Titanic e acompanha as consequências do evento na vida de uma família nobre da Inglaterra. Podemos observar a Primeira Guerra Mundial, a luta pelo voto feminino, os conflitos políticos e a decadência do sistema social", conta o professor Danilo Zanetti.

4. "Cidade de Deus - 10 anos depois"

A professora Camila Alexandrini recomenda o documentário "Cidade de Deus - 10 anos depois" para refletir sobre a questão negra. "Ele fala sobre os atores do filme 'Cidade de Deus', que são quase todos negros, e quais são as carreiras que eles tiveram dez anos depois. Em resumo, muitos não trabalham mais com televisão ou cinema ou, se atuam, é como um personagem que é ladrão ou morador de rua. Eles sofrem preconceito também no cinema", explica.

5. "The Tudors"

Para o professor Danilo Zanetti, o seriado "The Tudors" ajuda a estudar a Reforma Protestante na Europa e a formação da Igreja Anglicana. "É uma série baseada na história de Henrique VIII, rei da Inglaterra e responsável por fundar sua própria igreja, além de se separar de sua primeira esposa para casar com outra, atitude impensável para a época", conta
.
6. "Transamérica"

Para refletir sobre a questão da transexualidade, a recomendação da professora Camila Alexandrini é o filme "Transamérica". "Ele fala sobre uma transexual e todo processo pelo qual ela passa para conseguir a identidade, ser aceita na sociedade e também o quanto ela reproduz um padrão de mulher que talvez deveria combater", afirma.

7. "Anos Rebeldes"

Esta série brasileira retrata o Rio de Janeiro durante o período da ditadura militar. "Ela tem uma visão romantizada e própria da classe média da época, porém mostra parte da realidade vivida no período da ditadura civil-militar de 1964, tema recorrente nos vestibulares e na nossa contemporaneidade", explica Danilo Zanetti.

8. "Xingu"

O filme brasileiro "Xingu" pode ser interessante para aprender sobre a questão indígena, segundo a professora Camila Alexandrini. O longa narra a história dos irmãos Villas-Boas, durante uma expedição que percorreu a área central do Brasil nos anos 

FONTE:Hugo Araújo 
Colaboração para o UOL, em São Paulo



Reações:

0 comentários:

Postar um comentário