Diário do Mearim Cidadania

Diário do Mearim Cidadania

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

A liberdade poética da infidelidade feminina


Keira Knightley como Anna Karenina

Para o psicólogo italiano Aldo Carotenuto, a traição faz parte do feminino. Assim como as mentiras. E isso pode ser explicado: reprimida através dos tempos, a mulher teve de usar de subterfúgios para conquistar o direito de amar. Nessa luta injusta, ela engrandeceu a alma com nuanças, profundidades, vertigens que impulsionaram a literatura mundial.

Madame Bovary (Gustave Flaubert) e Anna Karenina (Liev Tolstói) são apenas dois exemplos das centenas de maravilhosos personagens que saíram das páginas dos livros para nos inspirarem, além de habitarem terna e eternamente nossa imaginação.

Elas são instigantes, voluptuosas, adoráveis como quase toda mulher quando se depara com a paixão.
Greta Garbo como Anna Karenina



Pois quase sempre é isso a traição, antes de ser submetida aos julgamentos morais e éticos daquela estraga-prazeres que é a consciência. Apenas um estado de graça, às vezes buscado, em outras, encontrado no susto, por descuido ou acaso. Seja como for, não adianta resistir.

“Quanto mais longa tiver sido a resistência, tanto mais poderosa será a voz do amor”, sacramentou o escritor francês Honoré de Balzac no romance “A Mulher de trinta anos”, no qual a heroína, não por mera coincidência, é adúltera.

A traição nem sempre é sintoma de que o casamento vai mal. Aliás, discorrer sobre os motivos que levam ao adultério daria um livro. Talvez mais fácil do que buscar a gênese dessa atração por outro, seja encarar a situação com a simplicidade que propõe a terapeuta Lidia Rosenberg Aratangy no livro O amor tem mil caras (Editora Olho d´água): “Se uma experiência assim acontecer com você, isso não significa que você está louca, nem que é uma perdida, nem que o seu casamento está falido. Significa, apenas, que você está viva.”

Em outras palavras, o mais saudável é se entregar a essa excitação, legítima porção de felicidade. Não é bom pensar muito a respeito, nem é sábio.
Jeanne Moreau no filme Jules e Jim


Voltando a Balzac, o escritor achava que “raciocinar onde é preciso sentir é próprio das almas medíocres”. Pode ser, mas nem sempre dá para escapar desse vício de querer compreender tudo o que se faz, hábito que quase sempre nos leva ao beco sem saída da culpa.

Nesse caso, um jeito de redimir a consciência é vislumbrar o potencial transformador da experiência, como propõe o psicoterapeuta e escritor Moacir Costa. Para ele, a traição, vivida na sua plenitude, pode amadurecer o relacionamento.
Isabelle Huppert como Emma Bovary


O psicólogo Aldo Carotenuto partilha da mesma opinião. Sem ignorar o sofrimento que a experiência pode envolver, Carotenuto afirma no livro Amar e trair (Editora Paulus): “A vida seria muito menos rica sem esse doloroso acesso ao mundo do significado que é o adultério”.

Se trair é uma experiência valorizada, por outro lado, confessar o ato ao traído é fatal. Se psicólogos e conselheiros matrimoniais pudessem se reunir num coro, eles provavelmente responderiam a essa pergunta com um sonoro “não”.

Para o psicólogo Aldo Carotenuto, mais do que enfrentar uma separação, o reconhecimento de um caso extraconjugal pode levar a um “dos caminhos mais trágicos, solitários e dolorosos da vida. Traído e traidor estão um diante do outro na tentativa patética de tornar compreensível e exprimível um acontecimento para o qual não existem palavras.”

Mas será que o amor, tão endeusado pelos humanos, comporta essa terrível omissão?

Carl Gustav Jung, psicanalista e filósofo, acreditava que o mistério e o segredo fazem parte da experiência humana. Aliás, essa é a essência da solidão de acordo com Jung, não poder comunicar coisas importantes às pessoas em nossa volta. Há fatos e reflexões que só podem ser compreendidas intima e secretamente.

Quem prevarica mais?

Pense um pouco comigo e vai concluir que o seu restrito círculo doméstico tem um número elevado demais de adúlteras. Será que a mulher está traindo mais que antes?
Sônia Braga no filme Dona Flor e seus dois maridos



O que parece é que só agora, de uns 20 anos para cá, ela está se emancipando no território dos relacionamentos estáveis. Depois do direito ao voto, de deixar o “lar, doce lar” e conquistar chefias no campo profissional, a mulher está assumindo seu desejo de variedade sexual.

Por que o espanto? Verdade que há séculos escuta-se essa cantilena, de que o homem tem necessidade de espalhar seus genes e ter muitas parceiras, mas a mulher é monogâmica, tem pouco impulso para o sexo. Parodiando um velho ditado, “conversa mole em cabeça dura, tanto bate até que vira senso comum”.

Se as mulheres tivessem de fato menos apetite sexual e fossem por natureza tão devotadas a um homem só, por que nas sociedades primitivas elas seriam tão severamente punidas quando praticavam sexo extraconjugal? Na Antiguidade, uma mulher infiel não tinha o direito de permanecer viva. Na Índia, o marido possuía permissão para matar a adúltera e, na China e no Japão, esperava-se que a esposa infiel cometesse suicídio. Enquanto as pobrezinhas enfrentavam toda essa repressão, os homens formavam sultanatos com aval de toda a sociedade. Pode-se, diante disso, afirmar que as mulheres são naturalmente tímidas e recatadas sexualmente?
Helena de Tróia, filme de 1956


Nas sociedades maometanas, as mulheres usam véus porque são consideradas extremamente sedutoras, enquanto nas culturas africanas é costume extirpar o clitóris para refrear a libido feminina.

No Ocidente, escritores talmúdicos do início da Era Cristã determinavam que era dever do marido copular com as esposas diariamente, exatamente por entenderem que as mulheres tinham um impulso sexual mais elevado do que o dos homens. Daí a angústia, tipicamente feminina, como a entende o filósofo Kierkegaard. No livro Conceito de Angústia, ele explica que a mulher é um ser espiritual como o homem, mas muito mais sensual, por isso se angustia.

Diante desses dados, fica difícil acreditar que a mulher traísse menos porque tinha menos desejo sexual. Ela traía menos porque era muito reprimida e hoje trai mais porque está se dando o direito de reconhecer a insatisfação com o casamento. Ou seja, depois de séculos “casando” com o casamento, que mantinha em pé a custo de dolorosas renúncias pessoais, a mulher agora está se comprometendo com a própria felicidade.

O escritor Moacir Costa lembra que, até bem pouco tempo, havia enormes tabus que a mulher não podia ultrapassar na cama. Sexo oral, por exemplo, era coisa de puta. Graças a toda revolução de costumes dos últimos trinta anos, essas fronteiras foram vencidas e, agora, o prazer total justifica qualquer loucura entre quatro paredes. Ótimo, mas ainda não é o final feliz.

Moacir Costa acredita que a infidelidade tenda a diminuir a partir do momento em que as pessoas se derem o direito de terminar o relacionamento quando bem desejarem, sem traumas. Para ele, a traição indica uma crise de amadurecimento, e pode-se pensar nessa crise em nível pessoal e social.
Francesca de Rimini, personagem da Divina Comédia, de Dante


Ou seja, o casamento, como instituição, assume novas configurações à medida que a sociedade muda. No futuro, pode ser que os relacionamentos fiquem mais curtos e verdadeiros. Com isso a infidelidade acabará?

Provavelmente não. A antropóloga americana Helen Fisher, que estudou o amor natural em sociedades de todo o mundo e de todos os tempos, afirma que o adultério é um impulso quase incontrolável entre os primatas. Para ela, nossa tendência para ligações extraconjugais parece ser o triunfo da natureza sobre a cultura. Em resumo, a infidelidade vai pairar sobre nossas cabeças enquanto a civilização humana existir no planeta. 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário